Músicas do fim do amor

Pura poesia

“Creia
Toda quimera se esfuma
Como a beleza da espuma
Que se desmancha na areia” (Ary Barroso, Risque)

Dizem que um dia a paixão se acaba e todo amor também se vai. O pior momento é o da despedida, o momento crucial da vida daqueles que um dia foram apaixonados.

Nem todo amor acaba como em Casablanca: Ainda temos Paris. Certamente, se acaba, guarda uma parte de rancor, tristeza, mágoa e súplicas para que nunca mais seja procurado (a). Geralmente, as palavras de despedida não são doces ou totalmente amargas. São apenas palavras que pedem o esquecimento.

Risque – Ari Barroso

Anúncios

11 canções Pop inspiradas pela Literatura

Pink Floyd e George Orwell, Devo e Thomas Pynchon. Mick Jagger e Charles Baudelaire. Embora eles pareçam ser parcerias musicais bastante improveis, muitas canções de rock resultaram de uma inspiração do músico ou letrista encontradas nas páginas de um livro. Estes são apenas a ponta do iceberg. Se você lembrar de alguma canção brasileira surgida nesse moldes não se esqueça de compartilhar nos comentários.

1. Música: “Pigs (Three Different Ones),” Pink Floyd – Livro: Revolução dos bichos, George Orwell.

O grupo Pink Floyd se sentiu fortemente influenciado por este livro de Orwell, que o álbum Pigs é baseado livremente em torno de temas A revolução dos bichos. “A temática é sobre as pessoas donas de riqueza e poder.

2. Música: “Whip It,” Devo – Livro: Arco-íris da gravidade, Thomas Pynchon.

De acordo com Jerry Casale (cantor, baixista e tecladista) do Devo:

“‘Whip It‘, como muitas canções Devo, teve uma longa gestação, um longo processo. As letras foram escritas por mim como uma imitação de paródias de Thomas Pynchon em Arco-íris da gravidade. Ele havia parodiado rimas e poemas típicos dos americanos cultos; de idéias obsessivas de personalidade como Horatio Alger e ““Você é o nº 1”, não há mais ninguém como você”. Eu pensei, ‘Eu gostaria de fazer um como Thomas Pynchon, “assim que eu escrevi’ Whip It ‘uma noite.”

3. Música: “Wuthering Heights,” Kate Bush – Livro: O morro dos ventos uivantes, Emily Bronte.

Aos 18 anos de idade, Kate Bush se inspirou para escrever a canção depois de ver apenas 10 minutos de O morro dos ventos uivantes na TV em 1977.

“Tenho certeza que uma das razões que ficaram em minha mente foi causada pelo espírito de Cathy, que era a forma como era chamada nessa idade. Mais tarde ela mudou para Kate. Era apenas uma questão de exagerar todas as minhas áreas de personalidade não tão boazinhas , porque ela (a personagem) é uma pessoa muito abjeta. Ela é tão teimosa e apaixonada e louca …, sabe? E foi divertido de fazer, e levou uma noite e meia”?

4. Música: “The Ghost of Tom Joad,” Bruce Springsteen – Livro: As vinhas da ira, John Steinbeck.

Tecnicamente, Springsteen foi inspirado pela adaptação de John Ford para o cinema, da jornada de John Steinbeck. “The Ghost of Tom Joad” é uma versão 1990 de As Vinhas da Ira, para servir como um lembrete de que os tempos modernos são tão duros como o período retratado no livro.

5. Música: “Sympathy for the Devil” , Rolling Stones – Livro: O Mestre e Margarida, Mikhail Bulgakov.

Em 1968, Mick Jagger e sua então namorada, Marianne Faithfull, leram um livro que ela pensou que poderia ser-lhe agradável. Jagger acabou escrevendo “Sympathy for the Devil” depois de ler o romance, que começa quando Satanás, disfarçado como um professor, encaminha-se e apresenta-se a um par de homens que discutiam sobre Jesus.

Mais tarde, Mick sugeriu que algumas das letras podem ter sido inspiradas pelas obras de Charles Baudelaire, assim, o que torna “Sympathy” o resultado de um Rock Star chegado aos livros.

6. Música: “Holden Caulfield”, Guns N’ Roses – Livro: O apanhador no campo de centeio, J.D. Salinger.

O álbum Chinese Democracy (2008) ccontinha uma música chamada “O apanhador no campo de centeio”, o clássico livro de JD Salinger. Entretanto, supõe-se que a música é realmente sobre um outro evento em que Holden Caulfield (personagem do livro) foi envolvido: o assassinato de John Lennon, em 1980. O assassino de Lennon estava carregando uma cópia do livro quando puxou o gatilho.

7. Música: “Tales of Brave Ulysses”, Cream – Livro: Odisseia, Homero.

Nem mesmo Eric Clapton pode resistir as sereias de A Odisséia. Embora seja cantanda por Clapton, as letras foram escritas por Martin Sharp, que acabava de voltar de férias em Ibiza e foi inspirado por todo o cenário exótico – praias e mulheres, presumivelmente.

8. Música: “Layla”, Eric Clapton – Livro: Layla e Majnun, Nizami

Clapton se apaixonara por Pat Harrison, mulher de seu melhor amigo, George Harrison. Sofrendo de amores não completados, escreveu esta canção baseada no conto Persa Layla e Majnun (majnun significa louco), que ao se apaixonar perdidamente por ela, teve seu desejo de casar negado, pois ela estava prometida a outro homem. Por isso vagou como um louco pelo deserto.

9. Música: “Breathe”, U2 – Livro: Ulysses, James Joyce.

Falando de A Odisséia, não é nenhuma surpresa que The Edge e Bono gostariam de prestar homenagem ao seu compatriota irlandês James Joyce, definindo “Breathe” como se estivesse em 16 de junho. Esse é o dia que transcorre a vida de Leopold Bloom ao longo das páginas do Ulisses de Joyce, e é também o dia em que os fãs de Joyce em toda parte honram sua obra celebrando o Bloomsday.

10. Música: “Ramble On”, Led Zeppelin – Livro: O Senhor dos anéis, J.R.R. Tolkien.

Se você já ouviu a letra de “Ramble On”, isto não vai ser uma surpresa para você. Por exemplo:

“‘Nas profundezas mais obscuras de Mordor
Eu conheci uma garota tão justa.
Mas Gollum, o maligno surgiu
E fugiu com ela. “

Por anos, eu só prestara atenção ao coro de “Ramble On”. foi um choque quando percebi do que a letra tratava.

11. Música: “Scentless Apprentice”, Nirvana – Livro: O Perfume, Patrick Süskind.

Kurt Cobain, que frequentemente mencionava que era um de seus livros favoritos. Ele gostou tanto, de fato, que escreveu uma canção ce gravou-a no álbum In Utero (1993). O livro é sobre um homem que mata mulheres jovens e capta os seus aromas, a fim de fazer o perfume perfeito.

30 mil bibliotecas numa só

A Biblioteca Digital Alemã (Deutsche Digitale Bibliothek, ou DDB ) pretende reunir o acervo de 30 mil bibliotecas em uma só. Todas serão digitalizadas e estarão a disposição na internet. Em parte é uma concorrência ao Google Books. O processo se dá através de um robô que é capaz de digitalizar 1216 páginas por hora.

robodigitalizador

(Image-56853-galleryV9-hosf ₢ Wolfgang Maria Weber – Spiegel Online)
Clique sobre a imagem para ver um slideshow

Para se ter uma ideia da dimensão do projeto, o centro de Digitalização de Munique da Biblioteca Estadual da Baviera já digitalizou 45mil obras, desde os manuscritos do Anel dos Nibelungos até partituras de Gustav Mahler.

Parte do acervo, a título de teste, estará disponível a partir de 2011. Os organizadores do projeto “prometem uma câmara virtual de maravilhas, tanto para os leigos, como será para os investigadores que procuram fontes específicas e documentos científicos. Digite "Beethoven" e você vai encontrar não apenas livros sobre o compositor, mas – finalmente – partituras manuscritas, amostras de música e, talvez, uma versão cinematográfica de "Fidelio".

Leia o artigo diretamente no site da Spiegel Online (em inglês)

Terra à vista! As várias visões do planeta

Apresentação de um slide show em que são mostradas imagens de nosso planeta e a concepção que dele fizemos desde a Idade Média, quando imaginávamos que a Terra era o centro do Universo, até a visão longínqua do pálido ponto azul, como bem denominou Carl Sagan.

Clique sobre a imagem para assistir ao slide show

visoesdaterra  Imagem₢npr

Durante o período em que Caetano Veloso esteve preso por questões políticas em Realengo1, um bairro do Rio de Janeiro em que há um quartel, durante a Ditadura Militar, surgiram as primeiras imagens do nosso planeta feitas a partir da viagens das naves norte-americanas à Lua. Leia os versos da canção “Terra”, de sua autoria:

Quando eu me encontrava preso
Na cela de uma cadeia
Foi que vi pela primeira vez
As tais fotografias
Em que apareces inteira
Porém lá não estavas nua
E sim coberta de nuvens…

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?…

terraapolo8A Terra vista da Lua – fotografia feita durante a missão Apolo 8

Na última estrofe da música apresentada neste artigo, o compositor diz que seria impossível esquecer a imagem do nosso planeta, o único que conhecemos que dispõe de condições para a vida até então concebida cientificamente. Isto marcou para todos nós, segundo Carl Sagan, uma nova visão de nós mesmos diante do Universo. A foto foi tirada durante a missão Apolo 8, em dezembro de 1968.

Percebemos, então, que não éramos mais o centro do Universo, não naquela visão do Renascimento, mas da empáfia por acharmos que somos o que há de mais perfeito e grandioso, mesmo que Shakespeare tenha nos descrito como uma obra de arte. Soubemos que somos apenas uma parte do Universo. São esses impactos que nos colocam na posição de criar e desvendar a partir de uma visão mais humilde de nossa existência.

Seguindo este raciocínio, Sagan propôs que a sonda Voyager 1, em sua missão de ir aos confins de nosso sistema solar, voltaria sua câmera fotográfica para a Terra vista de Júpiter e, assim, numa outra visão mais impressionante de nossa presença no Universo percebemos o quanto são efêmeras as vaidades, religiões, tiranias, vilezas e, por que não dizer, a nossa presença.

Talvez sejamos uma exceção. Talvez sejamos apenas cegos por não termos ainda conseguido encontrar pares de nossa espécie ou espécie similar na vastidão do Universo. O que somos? O que fazemos? O que seremos? O que faremos? São perguntas ainda sem uma resposta objetiva e concreta.

Leia os artigos:

__
1 Gilberto Gil, seu companheiro de prisão, em sua canção “Aquele abraço” também faz alusão ao local quando cita “Alô, alô, Realengo. Aquele abraço!”

A cortina e o fim do casamento

Entenda a relação entre a estética de uma casa e o divórcio. Não há coisa mais certeira para começar uma briga do que as cortinas da sala de sua casa.

O pobre coitado está na sala, num domingo daqueles em que, por exemplo, o Ayrton Senna ganhava tudo e ainda esfregava a bandeira brasileira nas fuças dos gringos.

cortinadecorativa

Do nada sua mulher surge e, postada à sua frente, usando bobs na cabeça já que o domingo é dia de faxina completa, diz:

– Amor, tira as cortinas? É para lavar…

Você olha com cara de espanto e surpresa igual a aquela do guri que recebe a notícia informando que seu cachorrinho de estimação morrera enquanto estava na casa da vovó passando as férias. Não dá para acreditar. O Brasil – tanto faz se é sobre quatro rodas ou calçando chuteiras – está a ponto de ganhar novamente e ela pede para tirar as cortinas? Ninguém merece.

Você como bom entendedor do pacto feito no altar – na doença e na fartura…blá blá blá… – levanta do sofá e vai pegar algumas ferramentas que, dependendo do uso, ou não uso, podem estar enferrujadas ou ainda reluzentes como novas, procura a escada que deveria ficar atrás da porta da cozinha, encosta a escada na parede como se fosse tomar de assalto algum castelo medieval e, por também estar no contexto, está morrendo de medo que óleo fervente caia sobre sua cabeça, sobe alguns degraus e se depara com uma das mais incompreensíveis invenções humanas: a trava das micro-rodinhas que fazem a cortina correr pra lá e pra cá. Quem inventou isso certamente o fez sem qualquer planejamento ergonômico, métrico, estético, ético e sei lá mais o quê. Muito provavelmente, o inventor é desprovido de genitora, assim como o desnaturado que inventou as tais micro-rodinhas imaginava que girariam livremente nos RAIOS! COBRAS! LAGARTOS! TORNADO! TACHINHA! CAVEIRA COM FACA ESPETADA! dos trilhos. Apenas um detalhe: não escrevi palavras de baixo calão, visto o artigo poder ser lido por senhoras de fino trato e moças pudicas, ok?

Então, você se equilibrando mais precariamente que bêbado em meio-fio (guia, pra paulistada), encosta a chave de fenda na fenda do tal parafuso que trava a trava e… o danado não gira! Tenta uma segunda vez e… nada! Mais uma vez, já xingando os antepassados de todos os inventores de araque que criaram essas porcarias, consegue destravar o parafuso que trava a trava. Um longo suspiro vem do fundo de seus pulmões devido a tamanho esforço e alguma gotas de suor escorrem sobre suas têmporas. Tá pensando que é fácil? Experimente. Cansa mais que puxar ferro em academia de ginástica.

Vencida a primeira batalha, a guerra continua. Chega o momento de puxar a cortina que, em tese, deveria fluir suavemente devido aos tais carrinhos com micro-rodinhas. Você, já antevendo o desastre de proporções bíblicas, puxa a cortina com tanto cuidado que parece uma bailarina dando aqueles passinhos de gazela no tablado. Qualé, meu camarada? É só uma figura de retórica. Não estou dizendo que você sonhava dançar o Lago dos Cisnes, ok? Mas, se o teu subconsciente te traiu… Bom, voltando ao embate cortinesco, a suavidade de nada adiantou. Você, agora, usa um pouquinho mais de força. Digamos que a força equivalente a de um elefante se coçando no tronco de uma árvore e toda a armação que segura aquele pedaço de pano estampado, que mais parece o teto da Capela Cistina, tal a quantidade de detalhes, estremece e range como porta de casa mal-assombrada.

Seu coração dispara, seus olhos esbugalham e os dentes começam a ranger. Mas como você é o cara mais cordial do mundo, fecha os olhos e invoca os poderes e forças dos maiores monges budistas do cinema mundial, a saber: Charles Bronson, Chuck Norris, Steven Seagal, Arnold Schwarzenegger e… Sylvester (Rocky, Rambo) Stallone. Já quase em estado de nirvana ao contrário, você puxa a RAIOS! COBRAS! LAGARTOS! TORNADO! TACHINHA! CAVEIRA COM FACA ESPETADA! da cortina e ela… vem! Mas junto vêm também os trilhos, os carrinhos de micro-rodinhas, o suporte, os parafusos, buchas e parte do reboco da parede. Tudo junto e você começa a cair da escada igualzinho a um navio que afunda tendo a bandeira do mastro ainda tremulando, isto é, durinho para trás, proferindo palavras mântricas… RAIOS! COBRAS! LAGARTOS! TORNADO! TACHINHA! CAVEIRA COM FACA ESPETADA!

Ela te vê no chão, com a flor do jarro sobre a cabeça, água do mesmo jarro escorrendo, o abajur que voou e ficou pendurado no ventilador de teto, os bibelôs – canequinhas com os dizeres “Lembrança de Caxambu”- aos caquinhos, uma de suas pernas presa entre os degraus da escada e você fatalmente ferido em seu orgulho – pátrio e de macho – a segurar aquela RAIOS! COBRAS! LAGARTOS! TORNADO! TACHINHA! CAVEIRA COM FACA ESPETADA! de cortina numa das mãos e diz:

– Amor, olha só o que você fez!

Você começa a xingar tudo e todos e ela diz…

– Eu não fui criada para ouvir isso!

Qual é o final da história? Procurar advogado para tratar do divórcio.

Madame Bovary, arsênico e Inglaterra

Na década de 1840, um excessivo número de casos de morte por envenenamento chamou a atenção das autoridades inglesas. Essa é a história de como o arsênico pode ser conhecido como o principal veneno da era vitoriana.

1902hb_feb_s

A descrição da cena do suicídio de Emma Bovary, que ingeriu arsênico num último ato de desespero, talvez seja uma das mais fortes da literatura. Não por acaso Flaubert, o autor do livro "Madamme Bovary", tinha esmero ao criar sua obra tanto que a sua busca pela palavra perfeita (la mot just) o fizesse escrever e reescrever um livro durante anos. Este livro levou cinco anos para ser escrito. Vejamos partes da cena referida:

 

"A chave girou na fechadura e ela foi diretamente à terceira prateleira, tal a exatidão com que a memória a guiava, agarrou no frasco azul, arrancou-lhe a tampa, meteu-lhe a mão e, retirando-a cheia de um pó branco, pôs-se a comê-lo diretamente.
(…)
"Oh! A morte é uma coisa insignificante!", pensava ela, "vou adormecer e estará tudo acabado!"

Bebeu um gole de água e voltou-se para a parede.
Aquele horrível gosto a tinta persistia.
– Tenho sede!… Tenho muita sede! – suspirou ela.
(…)
Veio-lhe um vômito tão repentino, que mal teve tempo para agarrar o lenço debaixo do travesseiro.
– Leva-o! – disse precipitadamente. – Jogue-o fora!
(…)
Então ele, delicadamente e quase acariciando-a, passou-lhe a mão sobre o estômago. Emma soltou um grito agudo. Charles recuou, aterrado.
(…)
Surgiram-lhe gotas de suor espalhadas pelo rosto azulado que, entorpecido, parecia exalar um vapor metálico. Batia os dentes, com os olhos dilatados olhava vagamente em torno, e só respondia a todas as perguntas abanando a cabeça, chegou a sorrir duas ou três vezes. Pouco a pouco, os gemidos foram-se tornando mais fortes. Deixou escapar um uivo surdo, disse que estava melhor e que dali a pouco se levantaria. Mas entrou em convulsões e exclamou:
– Ah! É atroz, meu Deus!"

Alguns anos antes do lançamento do livro, em plena Inglaterra vitoriana, houve um surto de mortes misteriosas que, posteriormente, descobriu-se arsenicoser por envenenamento provocado pela ingestão de arsênico, que podemos exemplificar no velho chavão: "a diferença entre o remédio e o  veneno é apenas a dose". Pois, até antes do surgimento dos antibióticos, o arsênico era prescrito para o tratamento de algumas doenças. Darwin, por exemplo, o utilizava para tratar de um eczema. Alguns pesquisadores desconfiam que o país sofria, de um modo geral, de dispepsia. O detalhe macabro está relacionado a um, digamos, modismo que surgiu entre as mulheres de Essex que, na década de 1840, que levaram a insatisfação com o casamento e também motivos econômicos (seguro de vida de crianças) a se livrarem dos maridos e filhos.

"É insolúvel em água, porém muitos de seus compostos são solúveis. É um elemento químico essencial para a vida, ainda que tanto o arsênio como seus compostos sejam extremamente venenosos."

A quase impossibilidade de detecção do envenenamento não caracterizava a morte de um cônjuge por assassinato. Os sintomas eram parecidos com os da gastrite ou alguma infecção estomacal.  Era, em princípio vendido livremente em farmácias – como remédio – e mercearias – veneno para ratos -. Seu aspecto, quando se tratava do arsênico branco, era muito parecido com o do açúcar, farinha ou fermento em pó. Logo, para que algumas ideias de jerico surgissem e colocassem o pozinho na comida ou nas bebidas não demorou muito. Imagino que todos devam se lembrar de filmes em que, antes de um banquete entre convivas de uma corte qualquer, um deles, o vilão, abria a tampa de um anel e de seu interior despejava o tal pozinho na taça de vinho de sua(s) vítima(s). A utilização desse expediente foi tão intenso que, James C. Worthon, autor do livro The Arsenic Century, que foi resenhado por John Carey, no artigo "The Arsenic Century: How Victorian Britain Was Poisoned at Home, Work and Play by James C Whorton", do jornal Times Online, imagina que a cidade de Essex parecia com a Itália dos Bórgias – O papa Alexandre VI e seus filhos César e Lucrécia -.

O elemento arsênio (As) era largamente utilizado pelas indústrias de tintas, vernizes e cosméticos. Além de também constar na composição de produtos como o vinho, cigarro, velas, papel e até mesmo num "avô" do Viagra do tipo pílulas para a virilidade. Imaginemos, então, o quanto as pessoas se envenenavam lentamente quando precisavam dar umazinha. A ironia do arsênico é que ele está nos produtos que proporcionam algum prazer e levam, ao cabo de alguns anos, à morte. Preocupante, não?

pobrezavitoriana

Voltando ao detalhe macabro, a Inglaterra de meados do século XIX, apesar de ser considerada o Império em que o Sol nunca se põe, era um país cuja pobreza da população pode ser considerada aos moldes de alguns países africanos da atualidade. Doenças, promiscuidade, falta de higiene e outros males afligiam a sociedade. Criou-se, então, uma prática que envolvia envenenamento por arsênico e apólices de seguro. Muitas mulheres, preferindo salvar alguns trocados que receberiam a título de seguro de vida pela morte do marido, passaram a discutir abertamente entre si algumas maneiras de eliminar o indesejado e ainda ganhar dinheiro dessa forma, como conta James C. Worthon.

A Justiça não perdia tempo investigando ou julgando casos suspeitos até que uma afoita errou na dose e colocou arsênico demais no prato de arroz que servira ao marido. Foi julgada e condenada. A partir de então as autoridades passaram a ficar mais atentas; porém, mesmo assim, muitas mulheres continuaram praticando este ato macabro só que em seus próprios filhos, sobrinhos, enteados e qualquer outra criança que estivesse ao seu alcance. O governo inglês garantia cerca de £5 , uma soma interessante na época, para custear o enterro de crianças pobres. Várias foram as mães que, para garantir a sobrevivência de alguns filhos, envenenava outros para receber o seguro. Há o caso de uma mulher, Mary Ann Cotton, uma professora que se tornou uma serial killer, ao assassinar, entre 1860 e 1873, sua mãe, três maridos, seu inquilino, que se tornara seu noivo e a maioria de seus 15 filhos e enteados.

mulheresmusselina

Os assassinatos chamam a atenção, mas as mortes por envenenamento com arsênico se davam nas formas mais inusitadas. A indústria de papéis de parede foi responsável pela morte de quatro crianças de uma mesma família cujo quarto era coberto por papel de parede cuja fabricação empregava doses letais do elemento químico. Imagine, então, uma mulher belíssima finamente maquiada e espalhando arsênico entre seus parceiros de dança numa festa ou recepção. O que não dizer, portanto, da pigmentação usada para colorir os tecidos de seus vestidos de musselina verde? Como diz o autor do artigo, "espalhavam nuvens de poeira tóxica como helicópteros de pulverização de pesticidas". Um químico disse que "elas podem ser chamadas de criaturas de matar".

Portanto, cuidado com a mulher que estiver usando um vestido verde de musselina.

______________________

Fontes de consulta:
Resenha do livro

Madamme Bovary

  • Bitpop
  • Rabisco – artigo: Mulher de fases do século XIX
  • Revista e – artigo: A lei do desejo
  • Flaubert, G – Madame Bovary. Tradução Fernanda Ferreira Graça. Editora Europa-América. Lisboa: 2000.

Imagens

Dicionário muito estranho da Língua Portuguesa

Em tempos de reforma ortográfica, podemos ver o que um dicionarista português fez ao criar um Dicionário da Língua Portuguesa no século 18.

O que impressiona é a lógica para explicar as palavras. Por exemplo, bigode, é descrito como “duas torcidas de barba”, ou a palavra tubo, que, para o lexicógrafo nada mais é que um “canal diclinportredondo”. Isso para não falar da pérola das pérolas: roda, que é singelamente apresentada como uma “bola chata”.

Certamente, a língua portuguesa é uma das belas. Entretanto, certas coisas nos saltam aos olhos quando tentamos entender o significado de algumas de suas palavras e, mais interessante ainda, quando alguém cria significados vindo de qualquer lugar, menos do senso comum que formou e dá dinamismo a uma língua. Este é o caso do lexicógrafo português Bernardo de Lima e Melo Bacelar, que no século 18, deu-se ao trabalho de criar uma obra de fôlego (muito, por sinal), o Diccionario da Lingua Portugueza.

Abaixo estão algumas palavras do referido dicionário apresentadas pela autora. Quando alguma palavra não for de nosso conhecimento geral, você terá a definição obtida através do dicionário Aulete Digital, nas notas de pé de pagina deste artigo:

Abdômen – parte do umbigo;

Água – segundo elemento;

Antraz1 – leicenço2 que come até matar;

Bacharel – falador formado;

Bigode – duas torcidas de barba;

Bilha – vaso que faz som bil-bil ao vazar;

Bisbis – som que parece rezar;

Biscoito – pão duas vezes cozido;

Bisconde – duas vezes conde;

Bismuto – meio metal;

324-ef0-besugo Bisugo – peixe a quem sugam duas vezes a gostosa cabeça;

Borzeguim – bota de borrego;

Bucho – fundo do estômago;

Buço – fundo do nariz com pelinhos;

Cabra – animal de pelo;

Cachaço – caixa dos miolos;

Cachimbar – tirar fora o mau suco, fumando;

Carneiro – ovelha macho;

Castanha – bolota de certa árvore;

Castiçal – que dá fogo e luz;

Caracol – peixe glutinoso ou anfíbio, de curva ou espiral figura;

Coque – pancada no coco da cabeça;

Esbirro – o que tem de birra e prende;

Espingarda – arma que deita faíscas da pederneira ou pingas abrasadoras;

Farda – casaca nova de vários panos e cores;

Gaiola – vaso furado para ter pássaros;

Gazeta – papel que tem riqueza histórica;

Jeropiga3 – santa bebida;

Legume – grãos de cozer;

Leite – suco materno;

Lenço – pano de linho;

Louro – cor de papagaio;

Macaco – animal de trejeitos delirantes;

Murça – pele de certos ratos nos ombros eclesiásticos;

Pia – vaso purificador pelo batismo e de beber o gado;

Pigmento – cor que se põe na cara;

Porcelana – louça redonda;

Roda – bola chata;tarso

Ruço – entre o vermelho e o negro;

Tarso – palma da mão ou do pé;

Tris-tris – som de vidros quebrados;

Tubo – canal redondo;

Vértebra – dobradiça das costelas;

Vertigem – rodadura do cérebro.

A descoberta dessa pérola foi feita por mim há alguns anos(1991) quando comprei num sebo, o livro As grandes anedotas da história – editado em 1976 –, de Nair Lacerda, em que vários e vários casos curiosos e pitorescos foram por ela coletados. O livro é muito bom e a introdução nos explica o significado da palavra anedota (coisa inédita, porém de breve relato). Na época em que o livro foi escrito, a autora lamentava não ser possível encontrar com facilidade um exemplar do dicionário. O que seria de nós sem a internet? Você pode ler a edição fac-similar, no portal Open Library. Clique aqui e se delicie, mas antes veja algumas das palavras contidas abaixo. A ortografia é do século 18; portanto, você terá uma pequena dificuldade inicial para entender algumas palavras, mas com cinco minutos de leitura você já poderá se considerar um exímio paleógrafo.

Após a exposição desses exemplos, a autora nos conta a história de como Bernardo de Lima e Melo Bacelar classificou a palavra silogismo – raciocínio sobre duas premissas, acrescentando “Veja: Ceroulas”. É de chorar de rir. Porém, o lexicógrafo, apesar de tudo foi capaz de escrever uma gramática que foi muito importante e erudita, a Gramática Filosófica da Língua Portuguesa. Dá para entender?

_______

1 Infecção cutânea, gastrintestinal ou pulmonar grave, causada pelo Bacillus anthracis ou seus esporos, que ocorre esp. em caprinos, equinos e ovinos, e pode ser transmitida ao ser humano pelo contato direto com animais doentes ou com seus dejetos, pela ingestão de carne contaminada ou ainda pela inalação dos esporos do bacilo; CARBÚNCULO [F.: Do gr. ánthraks, akos, pelo lat. anthrax, acis.]

2s. m. || fleimão, furúnculo

3sf. – 1 Bebida preparada com mosto, açúcar e aguardante; 2 Enol. Vinho de fermentação alterada pela adição de aguardante; 3 Vinho de má qualidade; ZURRAPA. [F.: De or. obsc.]