2010: Centenários, datas importantes, ciência e cultura

Como sabemos, o ano que se inicia dentro de alguns dias terá como principal evento mundial, a realização da Copa do Mundo na África do Sul. Ao mesmo tempo, no Brasil, foi instituído o ano de 2010 como sendo o Ano Nacional Joaquim Nabuco, político e diplomata brasileiro que abraçou o abolicionismo e faleceu em 1910, mesmo ano em que ocorre a Revolta da Chibata, a luta dos marinheiros contra os castigos corporais, um resquício da escravidão numa das maiores frotas do início do século XX.

A Unesco promove 2010 como o Ano Internacional da Diversidade Biológica, tema que é de enorme importância, visto, nos dias atuais, a conscientização ecológica ser parte do nosso cotidiano.

Há outros fatos também importantes que terão datas “redondas” em 2010, por exemplo, os centenários de nascimento de Noel Rosa, Jacques Cousteau, Madre Teresa de Calcutá e muitos outros. Confira abaixo:

 

Acontecimentos

Logo colorido_sm

Ano Internacional da Diversidade Biológica
Unesco

revoltachibata

Revolta da Chibata (100 anos)

logojoaquimnabuco

Ano Nacional Joaquim Nabuco
Fundação Joaquim Nabuco

 

Centenários

Cultura Brasileira

noel[1] 

Noel Rosa (1910-1937) Música-Samba-MPB

raqueldequeiroz 

Raquel de Queiroz (1910-2003)
Literatura Brasileira

adoniran_barbosa

Adoniran Barbosa  (1910-1982)
Compositor de Sambas

aurelio

Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989)
Lexicógrafo e escritor

haroldolobo

Haroldo Lobo (1910-1965)
Compositor de sambas e marchinhas

corinthians

Fundação do Sport Club Corinthians Paulista

Arte, Literatura e Ciência (mundo)

akira

Akira Kurosawa (1910-1989)
Cineasta japonês

 

jeangenet

Jean Genet (1910-1965)
Escritor francês

marktwain

Mark Twain (1836-1910)
Escritor norte-americano

cousteau

Jacques-Yves Cousteau (1910-1997)
Oceanógrafo francês

Religião

chicoxavier

Chico Xavier (1910-2002)
Médium

madreteresa

Madre Teresa de Calcutá (1910-1997)
Freira

Música

 
howlinwolf

Howlin’ Wolf (1910-1976)
Blues

django_reinhardt1

Django Reinhardt (1910-1953)
Jazz

Política

tancredo

Tancredo Neves (1910-1985)
Político – Presidente do Brasil

 
Anúncios

A cultura do Brasil de lá pra cá

Neste exato momento, estou assistindo a um documentário em 4 partes sobre o Jackson do Pandeiro, no programa De lá pra cá, que é apresentado por Ancelmo Gois e Vera Barroso na TV Brasil. Este programa,que vai ao ar às segundas, às 22h e é reapresentado aos domingos, às 17h, é, na verdade, um delicioso bate-papo com figuras que representam o Brasil e sua cultura.

Cada vez mais eu me maravilho com essa tal de internet. A dica é: faça parte de redes sociais, escreva em seu blog e troque informações com pessoas no mundo inteiro. É lógico que é preciso um certo critério para ir em busca daquilo que te interessa ou encontrar algo que seja interessante para compartilhar com seus amigos.

Você encontrará, por exemplo, vídeos completos dos programas sobre:

  • Jackson do Pandeiro
  • Remoção da Favela da Praia do Pinto
  • Guerra dos Emboabas
  • Mestre Vitalino
  • Carmen Miranda
  • Burle Marx
  • Caramuru

Que tal um sambinha em inglês?

Ouça a versão de Ever Fallen in Love, do Fine Young Cannibals, interpretada pelo grupo francês Nouvelle Vague em um jeito bem sambalanço com a deliciosa voz de Melanie Pain, que parece sussurrar em nossos ouvidos.

Não podemos esquecer do Matt Bianco, que na década de 1980, andou compondo umas Bossas Novas em inglês e ganhou o mundo com música como Half a Minute, que conhecemos na voz da polonesa Basia.

Em flor e espinho: Nelson Cavaquinho

É muito difícil falar e escrever sobre alguém que foi um dos maiores compositores da música brasileira, cujas melodias e os versos, tanto dele como de seus parceiros, percorrem a nossa memória coletiva sem que tenhamos consciência desse fato. Por exemplo, pense num caso de amor que acabou e, dele, nasceu um grande rancor. Imediatamente você será remetido aos versos de A flor e o espinho. Pare um pouco e lembre:

Tire seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor. Hoje pra você eu seu espinho. Espinho não machuca a flor. Eu só errei quando juntei a minh´alma a sua, o Sol não pode viver perto da Lua 

nelsoncavaquinho As suas principais características eram a voz rascante e o jeito especial de tocar o violão, que parecia ficar quase deitado em seu colo e usando apenas dois ou três dedos para puxar as cordas. A voz, claro, era inconfundível.

Neste documentário em 8 partes imperdíveis que, na verdade, foi um programa gravado pela TV Cultura, em meados da década de 1970, Nelson Cavaquinho conta sua vida, fala de seus sambas, de seus dramas e suas angústias. Trata da vida errante de um brasileiro das camadas mais baixas da sociedade na luta pela sobrevivência, mas daí tirando a melodia e a poesia como só os grandes sambistas e compositores conseguiram fazer.

A 1ª parte inicia com um chorinho, tendo Nelson ao cavaquinho e Guilherme de Brito, talvez seu maior parceiro, ao violão.

Na 2ª parte, ele conta sobre o seu nascimento e sua certidão de nascimento que teve a data alterada por seu pai. Ele nasceu na Rua Mariz e Barros – Praça da Bandeira/Tijuca –, e fala de suas origens e suas primeiras composições, inclusive contando que conheceu Noel Rosa. Foi jogador de futebol, policial militar e teve diversos empregos.

O decorrer do programa, até mesmo para quem conhece a obra de Nelson Cavaquinho, é recheado de surpresas; surpresas, essas, que, a cada audição de seus sambas nos fazem perceber o domínio da Língua Portuguesa. Não há um erro sequer de concordância! Hoje, infelizmente, as letras das músicas(?) que tocam por aí são medíocres, sofríveis e deseducam. Não é licença poética. É ignorância mesmo. Os professores de Português deveriam usar as letras de Nelson Cavaquinho para ensinar a gurizada a conjugar verbos, por exemplo. Veja os vídeos, que estão no canal do Eduardo Luedy, no Youtube.

Um pouco mais de Nelson Cavaquinho

Samba-enredo são vírgulas separando palavras soltas

Os sambas-enredo contavam o enredo numa história com melodia. O que eles, os sambas-enredo de hoje, são? São uma série de vírgulas separando idéias soltas e palavras também soltas como se fossem colocadas ali para que, filosoficamente, os espectadores e ouvintes decifrem o mistério sobre o que representam no enredo. Compare a letra do samba-enredo do Império Serrano reeditado e qualquer outra letra de qualquer outro samba-enredo deste ano. A diferença é impressionante.

imperioserrano09₢ODiaOnline Assim como a maioria fiquei surpreso com a quantidade de notas baixas dadas ao Império Serrano. Deixo claro que sou portelense, mas jamais desprezaria um desfile de uma escola tradicional que levou para a avenida um samba que foi cantado por todos, até mesmo quando, em casa, vendo o desfile pela televisão.

Os critérios para avaliação foram apresentados pelos organizadores e você pode baixar para tentar entender os motivos pelos quais uma escola é avaliada. Talvez, assim, seja possível compreender qual a diferença de notas dadas por três jurados e um quarto jurado que tirou 0,1 da nota máxima de uma bateria, pois, imagino que achou que, quem sabe, a baqueta de tamborim na terceira fila do naipe desse instrumento era curta demais visto lá da cabine. Ou será que não gostou da volta do naipe de frigideiras entre os instrumentos?

Eu sou do tempo em que os desfiles eram muito mais a apresentação de uma comunidade e raros elementos de fora participavam. A elite pouco participava. Havia uma grã-fina que saía na Portela, uma cantora da Jovem Guarda que saía na Mangueira ao lado do passista Gargalhada e mais uma meia dúzia de gatos pingados de origem diversa. Hoje, ao contrário, a tevê que detém o direito de transmissão preocupa-se muito mais em mostrar seus funcionários do departamento de dramaturgia e bijuterias tidas como efeitos especiais do que o samba no pé.

Também sou do tempo em que cada escola trazia em todas as fantasias as cores de sua bandeira e havia mais passistas sambistas do que rainhas de bateria que sambam ao estilo gringo, só faltando apontar os dedinhos para o alto. Por falar nisso, lembrei da crônica do Dapieve – botafoguense de quatro costados –, no Segundo Caderno do O Globo, ao citar seu amigo Tárik (de Souza), ao falar sobre as “rainhas de bateria” que, hoje, desfilam tendo em mente a estética do travesti. Parecem homens de tão marombadas que são. Salvo raríssimas exceções, algumas trazem o corpo com as curvas femininas que, nós homens, tanto apreciamos desde que começamos a perder quase todos os pelos do corpo ao descermos das árvores.

Também me pergunto: em que lugares se escondem aquelas deusas de ébano e mulatas nos outros 361 dias do ano? Só pode ser em viveiros. Elas não são vistas durante o resto do ano andando nas ruas indo ao banco pagar conta, indo ao cinema e bares, supermercado… Este mistério é mais bem guardado que o terceiro segredo de Fátima que até já foi revelado.

Recebi uma resposta do Michell Niero, da revista eletrônica O Patifúndio, que trata de temas sobre o mundo lusófono, no artigo sobre a apuração das escolas de samba dos grupos B, C, D e E que transcrevo abaixo:

Assim como no futebol, hoje em dia eu valorizo muito mais as divisões de acesso que a elite. A elite é uma indústria, recebe verba de tudo quando é lugar (inclusive, alguns bem suspeitos), é penduricalho de globais e tudo mais. Nas divisões de acesso é a comunidade mesmo suando a camisa e sendo os protagonistas do seu próprio carnaval. É muito mais bonito e humano que essa grande máquina que virou o carnaval televisado.

O pensamento é o mesmo que motivou este artigo: a essência do carnaval de escolas de samba. Esta essência não deixa de ser encontrada no grupo que congrega a chamada elite, só que em menor intensidade do que nos grupos de acesso. Não é uma apresentação para a televisão e muito menos para os turistas. É, antes disso, a consolidação de um sentido de comunidade que cada escola de samba concretiza nesses grupos de acesso. Lógico que todas almejam chegar à elite, mesmo que seja para subir e descer logo em seguida. Diria que há muito mais emoção e paixão. Não que deixe de haver na elite, mas me parece mais sincera quando lá em baixo.

ps. Mais um ano de fila para a Portela.

Carnaval 2009 – Desfile das Campeãs

A Rede Bandeirantes transmitirá a partir das 21h de sábado, dia 28 de fevereiro, o desfile das campeãs do Carnaval do Rio de Janeiro. Abaixo a ordem do desfile. A previsão para o término é por volta das 3h, já na madrugada de domingo.

Mangueira
Grande Rio
Vila Isabel
Portela
Beija-Flor
Salgueiro 

Carnaval 2009 – Grupos B,C,D,E – Resultado Final

Grupo B
1 – Unidos da Padre Miguel e Cubango: 240 pontos
2 – União do Parque Curicica: 239.6 pontos
3 – Unidos do Jacarezinho: 239.6 pontos
4 – Arranco: 239 pontos
5 – Sereno de Campo Grande: 239 pontos
6 – União de Jacarepaguá: 238.6 pontos
7 – Boi da Ilha do Governador: 238.3 pontos
8 – Lins: 238.1 pontos
9 – Tradição: 237.9 pontos
10 – Alegria da Zona Sul: 237.6 pontos
11 – Independente da Praça da Bandeira: 236 pontos
12 – Arrastão de Cascadura: 233.6 pontos
13 – Corações Unidos do Amarelinho: 233.5 pontos

Grupo C
1 – Acadêmicos do Sossego 160 pontos
2 – Flor da Mina do Andaraí 159,8
3 – Mocidade de Vicente de Carvalho
4 – Acadêmicos da Abolição 158,4
5 – Unidos da Ponte 157,2 pontos
6 – Vizinha Faladeira 157,8
7 – Unidos do Cabuçu 157,2
8 – Difícil é o Nome 157, 1 pontos
9 – Unidos de Cosmos 157 pontos
10 – Acadêmicos do Dendê 156,1
11 – Unidos de Manguinhos 156 pontos
12 – Unidos de Lucas 155,9
13 – Unidos do Cabral 154,3 pontos
14 – Acadêmicos de Vigário Geral 150 pontos

Grupo D
1. Acadêmicos do Engenho da Rainha – 160 pontos
2. Unidos da Vila Santa Tereza – 159,3 pontos
3. Unidos da Vila Kennedy – 159,3 pontos
4. Rosa de Ouro – 158,8 pontos
5. Em Cima da Hora – 158,3 pontos
6. Unidos do Anil – 158 pontos
7. Gato de Bonsucesso – 157,2 pontos
8. Mocidade Unida de Jacarepaguá – 156,3 pontos
9. Mocidade Independente de Inhaúma – 155,8 pontos
10. Imperial de Morro Agudo – 155,3 pontos
11. Unidos do Santa Marta – 154,4 pontos
12. Leão de Nova Iguaçu – 154,3 pontos
13. Arame de Ricardo – 154,1 pontos
14. Delírio da Zona Oeste – 154,1 pontos
15. Sacramento – 148,2 pontos

Grupo E
1 – Favo de Acari 160 pontos
2 – Vila Rica 159,1 pontos
3 – União de Vaz Lobo 158,5 pontos
4 – Paraíso da Alvorada 157,6 5 pontos
5 – Infantes da Piedade 156,1 pontos
6 – Boêmios de Inhaúma 154 pontos
7 – Unidos do Uraiti 153,78 pontos
8 – União de Guaratiba 151,6 pontos