Primavera dos Livros 2009 – Rio de Janeiro

Uma feira de livros das pequenas e médias editoras brasileiras com tudo que as grandes feiras de livro tem e um pouco mais: o contato direto com os editores e autores.

primavera01

Clique sobre a imagem para ampliar

A Primavera dos livros do Rio de Janeiro este ano, que será entre os dias 26 e 29 de novembro, das 10h às 22h, no jardim do Museu da República (Palácio do Catete), terá como tema a Literatura de Cordel, em homenagem ao poeta Patativa do Assaré, que completaria 100 anos de nascimento. Este evento é o resultado do esforço da Libre – Liga Brasileira de Editoras, tendo patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e apoio da Biblioteca Nacional e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Este ano a feira se internacionaliza ao contar com profissionais do mercado editorial latino-americano e africano, recebendo representantes do Chile, Peru, Argentina, Equador, México, Guiné-Bissau e Angola.

São 86 estandes apresentando livros de todos os gêneros literários (Biografia, Romance, Romance Policial, Infantil, Infanto-Juvenil, Arte, etc.)

Além das editoras comerciais, também haverá participação de editoras universitárias e institucionais como a Biblioteca Nacional e a Fiocruz.

A entrada é franca e haverá promoções com descontos de até 40%

 

Como chegar

Metrô

primavera02Clique sobre a imagem para ampliar

Ônibus

Entre no Google maps e faça a busca. Hoje, o Rio de Janeiro é uma das poucas cidades do mundo em que o Google fornece informações acuradas sobre o transporte coletivo.

 

Programação de lançamentos

Entre os dias 27 e 29, haverá diversos lançamentos e sessões de autógrafos para o público adulto e infantil. No sábado, 28/11, às 14h, será lançado o livro “Botafogo desde menino”, de Luís Pimentel com ilustrações do Amorim.

 

Mesas de debate

Também haverá mesas de debates para todos os gostos como, por exemplo, no dia especial para os professores (27/11, mesa 3, às 10h), o tema será “Os mestres Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro na escola do século XXI”.

Nomes de peso dos universos literário e cultural brasileiros como Lygia Bojunga, Laura Sandroni, Joel Rufino dos Santos, Braulio Tavares, Ruth de Souza, Jorge Mautner, Luiz Carlos Maciel, Milton Gonçalves, Arthur Dapieve, Ruy Castro, Heloisa Seixas, Geraldinho Carneiro, Carlito Azevedo, Deonísio Silva e outros mais participarão das mesas de debate.

Serão discutidos temas como o universo da criação literária, o Rio de Janeiro e as Olimpíadas de 2016, racismo e a mulher negra na TV brasileira. Numa das mesas o debate será em torno da biografia como gênero literário e por qual motivo é um dos segmentos de maior vendagem do mercado editorial. Em outra mesa, Ruy Castro e Heloísa Seixas batem um papo com o público e também haverá uma mesa dedicada à obra e vida de Augusto Boal.

As novas mídias não foram esquecidas, tanto que uma das mesas discutirá os sites de relacionamento como o Facebook e outros do mesmo porte como canais para a arte, mídia e cultura digital.

Veja a programação abaixo:

Dia 27/11

DIA DO PROFESSOR

9h Chegada e certificação

  • 10h – 11h – sexta-feira
    Mesa 3 – Os mestres Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro na escola do século XXI
    Participantes:
    Yolanda Lobo (escritora)
    Guti Fraga (projeto Nós do Morro)
    Mediação: Bia Hetzel (Editora Manati)
  • 11h30 – sexta-feira
    Mesa 4 – Leitura e Paixão: uma homenagem a Lygia Bojunga e Tatiana Belinky (em depoimento virtual)
    Homenagem a duas das mais importantes personalidades da cultura brasileira com inestimável contribuição na área de literatura, leitura e mercado de livros
    Participantes:
    Lygia Bojunga
    Laura Sandroni (escritora e jornalista)
    Joel Rufino dos Santos (escritor)
    Mediação: Ninfa Parreiras (escritora e pesquisadora da FNLIJ)
  • 15h – sexta-feira
    Mesa 5 – Universos da criação literária. Escrever se aprende?
    A criação literária, assunto muito controvertido entre especialistas. Escrever se aprende? Como se forma um escritor? Quais os caminhos a percorrer até que aulas ou oficinas contribuam para sua formação? Aprendemos samba no colégio, afinal?
    Participantes:
    Nilza Rezende (escritora e professora de oficinas de criação literária)
    Luís Pimentel (escritor e jornalista/professor)
    Bia Albernaz (escritora e professora de oficinas de criação literária)
    Mediação: Marcus Vinicius Quiroga (poeta e professor)
  • 18h30 – sexta-feira
    Mesa 6 – O Brasil em cordel – Homenagem a Patativa do Assaré
    O cordel como literatura, como música, como criação e como expressão mais genuína da nossa literatura. O cordel como mercado e como profissão. A arte do poeta de cordel encarnada nesta homenagem a Patativa do Assaré, um dos maiores profissionais do gênero, morto em 2002, aos 93 anos.
    Participantes:
    Bráulio Tavares (escritor e especialista em Literatura de Cordel)
    Olegário Alfredo (cordelista)
    Chico Sales (cordelista)
    Mediação: Marcus Lucena (cordelista e Presidente da Academia Brasileira de Cordel)

Dia 28/11

  • 10h30 -12h30 – sábado
    Mesa 7 – Olimpíadas 2016: a cidade e o esporte
    Rio: capital turística do Brasil, escolhida para ser o palco das Olimpíadas de 2016, com diversas promessas de melhorias para seus problemas mais cruciais. Até que ponto o desenvolvimento de uma pode estar atrelado a um evento? O futuro de uma cidade depende dessas efemérides?
    Participantes:
    Mauricio Drummond (escritor e professor)
    Jorge Maranhão (escritor)
    Saturnino Braga (escritor e ex- prefeito do RJ)
    Mediação: Alvanísio Damasceno (editor da Quartet)
  • 12h30h – 14h – sábado
    Mesa 8 – Aqui ninguém é branco: mídia e Racismo – a mulher negra na TV
    Homenagem a Ruth de Souza
    Participantes:
    Ruth de Souza (atriz)
    Rosália Diogo (escritora e pesquisadora)
    Ângela Randolpho (escritora e pesquisadora)
    Mediação: Laura Padilha (escritora e prova UFF)
  • 15h – 16h30 – sábado
    Mesa 9 – Face a face com o Facebook e congêneres: arte, mídia e cultura digital
    As novas mídias, arte e cultura  digital e a revolução que representam no século XXI. Como afetam as nossas relações pessoais e de trabalho. A internet e suas possibilidades de comunicação jamais imaginadas. A vida na rede.
    Participantes:
    Artur Matuck (escritor e professor USP)
    Maria Carmem Barbosa (escritora e roteirista de TV)
    Nízia Villaça (escritora e pesquisadora)
    Mediação: Valéria Martins
  • 17h – 18h30 – sábado
    Mesa 10 – O Brasil em cordel – Homenagem a Patativa do Assaré
    Participantes:
    Bráulio Tavares
    Olegário Alfredo
    Chico Sales
    Mediação: Marcus Lucena
  • 19h – 20h30 – sábado
    Mesa 11 – Tal Brasil, qual teatro? Tributo a Augusto Boal
    Reflexão sobre o papel do teatro na sociedade contemporânea e homenagem a Augusto Boal, criador do Teatro do Oprimido.
    Participantes:
    Jorge Mautner (poeta e músico)
    Luiz Carlos Maciel (ator e diretor de teatro)
    Nelson Xavier (ator e diretor)
    Milton Gonçalves (ator)
    Helen Saratek (socióloga/Centro do Teatro do Oprimido)
    Mediação: Geo Britto (pesquisador/Centro Teatro do Oprimido)

Dia 29/11

  • 10h – 11h30 – domingo
    Mesa 12 – Biógrafos e biografáveis : que mercado é esse que só faz crescer?
    Os caminhos da biografia como gênero na contemporaneidade. Quais são eles? Quais as novas formas de escrita que admitem? O profissional de biografias e sua ética num mercado que cresce cada dia mais.
    Participantes:
    Arthur Dapieve (cronista, jornalista e biógrafo /Renato Russo)
    Carlos Didier (compositor e biografo / Noel Rosa)
    Ana Arruda Callado (roteirista e biógrafa / Maria Martins)
    Euclides Penedo Borges (músico e biógrafo / Euclides da Cunha)
    Mediação: Felipe Pena (autor de Teoria da Biografia sem Fim)
  • 11h30 – 13h – domingo
    Mesa 13 – Leitores apaixonados: um encontro com Ruy Castro e Heloisa Seixas
    A paixão pela leitura e pelos livros é o tema deste encontro com dois craques da escrita, apaixonados pelos livros e pela profissão.
    Participantes:
    Heloisa Seixas (escritora )
    Ruy Castro (escritor)
    Mediação: Suzana Vargas (especialista em leitura)
  • 15h – 16h – domingo
    Mesa 14 – Sustentabilidade / biodiversidade: por uma nova ética cultural
    A sustentabilidade como solução para garantir novas formas de sobrevivência para o planeta. Até onde afetará a vida em comunidade, gerando novas formas de convivência
    Participantes:
    Leonardo Boff (escritor)
    Fernando Gabeira (deputado federal/PV)
    Mediação: Felipe Pena
  • 17h – 18h30 –  domingo
    Mesa 15 – O máximo no mínimo – um olhar sobre as poéticas contemporâneas
    A poesia como gênero minimalista, que diz muito com a maior economia verbal possível, de vasta produção e pouca inserção no mercado. Que caminhos percorre hoje até chegar ás prateleiras das livrarias. O que é ser poeta hoje?
    Participantes:
    Ângela Melim
    Geraldinho Carneiro
    Carlito Azevedo
    Mediação: Suzana Vargas
  • 19h – 20h30 – domingo
    Mesa 16 – Questões de Lusofonia. Por onde anda o acordo ortográfico?
    O acordo ortográfico que completa dois anos e sua adoção brasileira. Por onde anda Portugal e os países de língua portuguesa nessa importante fase de implantação?
    Participantes:
    Deonísio da Silva (escritor e etimologista)
    Adriano de Freixo(escritor especialista)
    Marcelo Moutinho (jornalista e escritor)
    Mediação: Cecília Costa (jornalista e escritora)

[Fonte: Libre]

Mapa dos Expositores

primavera03a
Clique sobre a imagem para ampliar

 

 

 

Editora participantes em ordem alfabética

7 Letras
Alameda
Alis
Almádena Editora
Altana
Andrea Jakobson
Apicuri
Argvmentvm
Arquivo Nacional
Artes e Ofícios
Autêntica
Azougue
Bem-Te-Vi
Biruta
Brinque-Book
C/Arte
Calibán
Callis
Capivara
Casa da Palavra
Casa de Rui Barbosa
Cia. de Freud
Claridade
Conta Capa
Contraponto
Cosac Naify
Crisálida
Cuca Fresca
Dueto
Duna
Ed. da UFF
Ed. da UFRJ
Ed. da Unesp
Ed. De Cultura
Ed. Fiocruz
Ed. Independentes
Ed. Museu da República
Editora 34
EdUERJ
Estação Liberdade
Frente Editora
Fund. Biblioteca Nacional
Fund. Perseu Abramo
Galo Branco
Garamond
Gift Shop
Girafa
Ibis Libris
Iluminuras
Imprensa Oficial SP
Literalis
Livro Falante
Maco
Manati
Mar de Idéias
Matrix
Mauad X
Memória Visual
Mirabolante
Musa
Myrrha
Nau
Nitpress
Nova Alexandria
Odysseus
Outras Letras
Pallas
Papagaio
Paz e Terra
Pinakotheke
Prazer de Ler
Publisher do Brasil
Quartet
Roma Victor
Sá Editora
Terceiro Nome
Terra Virgem
Uapê
Versal
Versal
Vieira & Lent
Zit

Anúncios

Acordo Ortográfico 2009: Guia para não esquecer

Baixe um guia em formato .pdf com as novas regras ortográficas no portal G1. Há um link no artigo “Confira o guia rápido das mudanças da reforma ortográfica”.

A partir do dia 1º de janeiro de 2009 passa a valer o novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa. Todos nós sabemos que algumas modificações sutis, porém, importantes deverão ser feitas e, como todo blogueiro que se preza, a primeira preocupação para que seu blog possa ter qualidade é o bom uso do idioma.

Mesmo que a ortografia atual possa ser usada até 2012, já é bacana começar a se acostumar em escrever “leem” em vez de “lêem”, por exemplo, para indicar quantas pessoas leram artigos em seus blogs.

Salvem os escritores!

Um escritor foi abordado na rua, sem que a mulher que o abordara soubesse em que ele trabalhava. Segue-se o diálogo:

Mulher: Em que você trabalha, então?
Homem: Eu? Ah, eu escrevo livros.
Mulher: Que interessante! Você já vendeu alguma coisa recentemente?
Homem: Sim, vendi: O meu sofá, meu carro e minha TV de tela plana.

Deprimente, não? Mas parece que pouquíssimos escritores e escritoras conseguem realmente sobreviver fazendo aquilo que mais gostam, ou supostamente sabem fazer, que é escrever livros. No Brasil, conta-se nos dedos de uma das mãos quantos conseguem esse tipo de proeza.

Bocaccio foi um escritor que enfrentou uma das piores crises da humanidade, a peste negra.
Bocaccio foi um escritor que enfrentou uma das piores crises da humanidade: a peste negra. E nos brindou com o Decameron.

Mas, e nos Estados Unidos, o maior mercado consumidor de livros do mundo? É essa a história que Paul Greenberg, que atualmente escreve um livro sobre peixes, relata no artigo intitulado Bail Out the Writers! (algo como Sumiram os escritores!), no New York Book Review.

Ele começa o artigo falando sobre as agruras dos tempos atuais e acaba fazendo um paralelo com o período do New Deal, de Franklin Roosevelt que, ao contrário do que muitos pensam, não fez a desta sua política de reerguimento da economia norte-americana, apenas um fato industrial. Roosevelt criou um programa literário chamado Federal Writer´s Project (Projeto Federal Para Escritores), em que aproximadamente 6 mil escritores desempregados foram incumbidos de escrever guias, histórias orais, cultura e etnografia cujo objetivo era “descrever a América para os americanos”. Este projeto manteve escritores norte-americanos vivos e recebendo uma renda mensal durante anos, na década de 1930. Este programa foi responsável, também, pelo surgimento de milhares de novos escritores e, atualmente, cerca de 185 mil pessoas dizem sobreviver do ato de escrever – livros, peças de teatro, poesia, palestras e outras obras literárias -, segundo os dados da última pesquisa feita pelo National Endowment for the Arts.

A situação é tão interessante que muitos estão mais interessados em ser escritores do que propriamente na literatura em si. A grita geral tem até um nome, a “cegueira da neve”. Os olhos ficam ofuscados pelo brilho emitido pelos flocos de neve acumulados e o que tem de autor que “se vende” na internet em sites de e-books é uma festa. Isto parece ter criado um novo mercado, que nem sempre conjuga qualidade à quantidade do que é escrito e está à venda.

Greenberg chegou mesmo a fazer um cálculo envolvendo quantidade de autores, livros editados por ano e o quanto o governo gastaria para manter um programa aos moldes do que foi criado na época da Grande Depressão. Vejamos:

Todos os anos, cerca de 275 mil títulos novos são lançados nos Estados Unidos. Caso metade deles sejam eliminada e supondo que, em média, um livro leve dois anos para ser escrito, aos escritores seriam oferecidos dois anos de salário somando um rendimento médio anual de 38 mil dólares. Somando tudo isso, se chegaria a 10,5 bilhões de dólares.

Dependendo do ponto de vista, pode ser muito ou pouco dinheiro. Eu, particularmente, considero que seja uma quantia pra lá de razoável para manter cerca de 137 mil escritores ocupados por dois anos.

Parece uma boa idéia, mas para isso dar certo também é necessário que os leitores estejam aptos a ler, o que parece não ser o caso de países como o Brasil, imaginando que desejassem implantar um programa nesses moldes. O brasileiro pouco lê. Entretanto, se este programa se desdobrar em doações para escolas ou se os livros forem postos à venda com preços baixos, quem sabe a coisa dê certo.

Leia os artigos:

Este artigo foi criado a partir da livre tradução feita por mim, da matéria Bail Out the Writers!, de Paul Greenberg para o New York Times Books Review, em 9 de dezembro de 2008.

A Primavera dos Livros 2008 (RJ) foi muito bacana

Quem não foi perdeu uma grande oportunidade de aumentar sua biblioteca com livros de qualidade tratando sobre diversos assuntos. Por exemplo, editoras universitárias de prestígio, a maioria públicas, assim como as editoras comerciais levaram todos os seus catálogos e os preços, já de início, estavam com um desconto de 20%; isso para não falar do dia, sexta-feira, que foi especial para os professores, brindados com descontos lineares de 50% em todos os estandes das 86 editoras, que também doaram livros para serem sorteados durante toda Primavera dos Livros 2008, a 13ª edição dessa festa literária que já faz parte do calendário cultural do Rio de Janeiro e também de São Paulo.

Ao que parece, a afluência de público e atrações da edição carioca do evento, que se encerra dentro de algumas horas, hoje, foram maiores que em edições anteriores e também da edição paulistana deste ano. Ontem, por exemplo, houve a apresentação do grupo musical Casuarina, que tocou samba e chorinho, tudo da melhor qualidade, fazendo com que não apenas o público, mas também, os expositores entrassem no clima. Por falar nisso, é inimaginável o poder de atração que a música exerce sobre nós. Bastaram os primeiros acordes, para que o anfiteatro de lona tivesse logo seus lugares tomados e o público se reunisse em volta dos músicos, não se importando se os instrumentistas estivessem de costas para parte da platéia. Alguns até “mandavam no pé”, contagiados pela excelente performance desses músicos.

Também não faltaram lançamentos e atrações como Leonardo Boff e Ruy Castro, que proferiu, se não me engano, três palestras sobre a Bossa Nova, tema do evento, e que domina como poucos. Houve também oficinas e debates sobre diversos assuntos, tendo um deles, um apelo bastante forte, já que tratava da questão dos direitos autorais que, como sabemos, em tempos de troca de informações eletrônicas estão mais sujeitos a vilipêndios e plágios.

As crianças, os leitores do futuro, não foram esquecidas. Editoras especializadas, ou não, em livros infantis e infanto-juvenis levaram seus livros, catálogos e autores para falarem sobre suas obras e promoverem atividades como “contações” de histórias. O jornalista e editor Luís Pimentel, autor de uma série de livros, dentre eles, “Flamengo desde menino” (Mauad Editora), também entreteve as crianças contando as histórias do clube de futebol mais querido do Brasil, enquanto elas pintavam e desenhavam.  O próximo volume da série será sobre o Glorioso, o Botafogo, cujo título será “Botafogo desde menino”.

E tudo isso ocorreu num ambiente de congraçamento, num jardim belíssimo, com uma alameda de palmeiras cercadas por árvores de diversas espécies e também, acreditem, aves como garças e gaviões que fazem dali sua morada. Foi um espetáculo cultural e ecológico, por qual motivo não dizer?

Portanto, mais uma vez, o Rio de Janeiro mostra que é a capital cultural do Brasil.

Primavera dos Livros 2008 – Programação

Acompanhe a programação abaixo e não perca as oficinas literárias, palestras sobre diversos temas como a Bossa Nova, lançamentos de livros de autores consagrados, novos autores, seção de cinema (filme Os Desafinados), atividades para crianças com literatura infantil, festival de poesia, homenagem a Vinícius de Moraes e muito mais.

A Primavera dos Livros é uma festa de congraçamento entre as editoras de pequeno e médio porte e o público leitor que poderá ter novas opções de leitura e conhecimento.

Para maiores informações sobre o local do evento, o Museu da República, como chegar e visualizar os estandes das 86 editoras participantes leia o artigo Primavera dos Livros 2008 – Rio de Janeiro.

  • Quinta-feira, 27 de novembro

Das 17h às 18h – Abertura oficial do evento (Auditório).

Com a presença de Ruy Castro, patrono da Primavera dos Livros 2008, Ricardo Macieira, Secretário Municipal das Culturas, Simone Araújo, Diretora do Departamento de Mídia e Educação da SME, Muniz Sodré, Presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Renata Borges e Glaucio Pereira, presidente e vice-presidente da Libre.

18h30 – Abertura da Primavera dos Livros para o público

LANÇAMENTOS

Adulto (Varanda)

Das 19h às 22h | Memória Visual/Folha Seca | Ruy Castro (Coleção Álbum de Retratos), de Heloisa Seixas.

Das 19h às 22h | Quartet | Diversidade Étnico-Racial e Educação Superior Brasileira, org. Ahyas Syss.

  • Sexta-feira, 28 de novembro – Dia do Professor

Das 10h às 11h30 Palestra (Auditório) | A importância da leitura e o prazer de ler: Ruy Castro (Patrono da Primavera dos Livros).

Das 14h às 15h30 Palestra (Auditório) | Bossa Nova e sociedade: um depoimento: Carlos Afonso (Toca do Vinicius).

Das 16h às 17h30 – Mesa-redonda (Auditório) | Debret: uma viagem pitoresca: Apresentação do livro e curta-metragem “Uma viagem pitoresca: de Debret às escolas do século XXI”, produzido pela Prefeitura do Rio de Janeiro, através da Multirio.

Das 18h às 20h Palestra (Auditório) | Direitos autorais e propriedade intelectual no Brasil: Hildebrando Pontes (advogado, conferencista, especializado em Direitos Autorais, professor de Propriedade Intelectual da Universidade Federal de Minas Gerais e autor de obras de ficção); Ione Meloni Nassar (diretora da Libre, editora da Mercuryo Jovem).

LANÇAMENTOS

Adulto (Varanda)

Das 17h às 19h | de Textos | Um Futuro para a Amazônia, de Bertha Becker e Cláudio Stenner

Das 20h às 22h | Nitpress | Biografia e Criação Literária, de Prof. Giovanni Ricciardi

Das 20h às 22h | Matrix | Acertar é Humano, de Alexandre Pelegi.

  • Sábado, 29 de novembro

10h – Abertura da Primavera dos Livros para o público

Das 12h às 14h Palestra(Auditório) | Sol da Esperança Natal, Histórias, Poesias e Símbolo: Leonardo Boff (Mar de Idéias) com relançamento do livro.

Das 14h30 às 16h30 – Mesa-redonda(Auditório) | Tradução literária na formação cultural do Brasil: Mediador: Oséias Ferraz (Crisálida); Celina Portocarrero (7Letras); Marco Lucchesi (Fissus); Sérgio Molina (34).

Das 16h às 17h Show (Tenda Primavera dos Livros) | Grupo Casuarina.

Das 17h às 19h Palestra(Auditório) | A Bossa Nova: Ruy Castro (Patrono da Primavera dos Livros).

Das 19h30 às 21h30 – Mesa-redonda(Auditório) | Jornalismo de moda na década de 1960: Mediadora: Kathia Castilho (Estação das Letras e Cores); Gilda Chataignier (Estação de Letras e Cores/Memória Visual), Lu Catoira (Memória Visual).

LANÇAMENTOS

Adulto (Varanda)

Das 12h às 14h | Nitpress | Contos do Velho Nipon, de Luís Antônio Pimentel.

Das 14h às 16h | Apicuri | Trama das Vontades | Os Carbonários do Rio da Prata | Colégio Pedro II: a formação da boa sociedade brasileira.

Das 17h às 19h | Estação das Letras e Cores | Gilson Martins, biografia.

Das 17h às 19h | Outras Letras | Ah! O amor, de Zênia Maciel.

Das 20h às 22h | Calibán | Coleção de Bolso Quem Lê Vive Mais: 1) Quatro por Quatro, de Machado de Assis | 2) As Casadas Solteiras, de Martins Pena | 3) Histórias de Trancoso, de Gonçalo Fernandes Trancoso | 4) Em busca do Logos, org. Valter Luiz de Avellar | 5) Bucólicas, de Virgílio | 6) García Lorca Poemas e Retábulo de Don Cristóbal | 7) Zé Limeira Poeta do Absurdo, Poesia de cantadores/Ensaio | 8) Revista Calibán N. 11, Periódico | 9) Quatro Faces de um Encontro Cícero Dias, Arte | 10) Erotismo em João Cabral, de Janilto Andrade, Ensaio | 11) John Fante Trabalha no Esquimó, de Mariel Reis | 12) As Cores do Tempo, de Majela Colares.

Infantil (Espaço Infantil)

Das 11h ás 13h | Mar de Idéias | Peixe Fredi, da bióloga Luzia de Moraes.

Das 14h às 15h | Lêda Maya | 4 Amigos, de Lêda Maya. Lançamento e contação de histórias.

Das 17h às 19h | Calibán | A Menina Marca-texto, de Izabela Domingues.

  • Domingo, 30 de novembro

10h – Abertura da Primavera dos Livros para o público

13h Show (Tenda Primavera dos Livros) | Apresentação do Grupo de Estudo do Baque Virado, da Oficina de Percussão do Rio Maracatu.

Das 14h às 16h – Mesa-redonda(Auditório) | Machado de Assis: as diferentes faces do bruxo do Cosme Velho: Mediador: Oséias Ferraz (Ed. Crisálida). Debatedores: Henrique Rodrigues (Pinakotheke), Paulo Roberto Pereira (Nova Aguilar), Ubiratan Machado (ABL/Edusp).

Das 17h às 19h – redonda(Auditório) | Biografias: objetividade xsubjetividade: Mediador: Ari Roitman / Maria Célia (Antonio Fraga, Garamond), Denilson Monteiro (Carlos Imperial/Tim Maia, Matrix), Stella Caymmi (Caymmi e a Bossa Nova, Ibis Libris).

Das 19h30 às 21h – II Festival de Poesia da Primavera dos Livros

Homenagem a Vinicius de Moraes, o poeta da Bossa Nova. Coordenadora: Thereza Christina Motta (Ibis Libris).

LANÇAMENTOS

Adulto (Varanda)

Das 14h às 16h | Uapê | Brasilaçu, de Leda Miranda Hühne.

Das 14h às 16h | Gryphus | Cartola: os tempos idos, de Marília Trindade Barboza.

Das 17h às 19h | Ibis Libris | 1) Buzinaí Naïf, de Tavinho Paes | 2) Carmina Burana, trad. de João José de Melo Franco | 3) Diz’in’verso, de Bayard Tonelli | 4) O Velho Oeste Carioca, de André Luis Mansur | 5) Desconexos, de Fabiana Borgia | 6) O Outro Lado do Sol, org. Leonardo Vieira de Almeida | 7) Ponte de Versos: 8 anos, org. Ibis Libris | 8) Contos de Sala de Aula, de Chicco Lacerda.

Das 20h às 22h | Alis | O Fantasma do Tarrafal, de Jean-Yves Loude.

Infantil (Espaço Infantil)

Das 11h às 13h | Girafinha | Sonho de Bruxa, de Flávia Maria e ilustrações da Suppa.

Das 14h às 16h | Mauad | Flamengo Desde Menino, de Luís Pimentel.

Das 17h às 19h | Maco | Iara, de Irles Carvalho.

27, 28, 29 e 30 de novembro

Cinema– Espaço Museu da República

14h, 16h30 e 19h | Os Desafinados | de Walter Lima Jr., com Rodrigo Santoro e Selton Mello, Cláudia Abreu e grande elenco.

  • MUSEU DA REPÚBLICA

Aberto à visitação na quinta e sexta-feira, das 12h às 17h, e no sábado e domingo, das 14h às 18h.

Agendado Palácio | Exposição | Constituição de 1988: a voz e a letra do cidadão, sob a curadoria de Maria Helena Versiani.

Agenda da Galeria do Lago | Exposição | Em círculo, de Celina Portella e Elisa Pessoa, sob a curadoria de Isabel Sanson Portella.

Nos dias 28, 29 e 30 de novembro, das 10h às 19h, no Espaço Infantil,

arte-educadoras (resp. Ananda Porto) preparam atividades baseadas nos livros das editoras que participam da Primaveras dos Livros: criação e desenhos de personagens, confecção de brinquedos de papel entre outras atividades de incentivo à leitura.

Fonte [LIBRE – Liga Brasileira de Editoras]

Primavera dos Livros 2008 – Rio de Janeiro

Na próxima semana, entre os dias 27 e 30 de novembro, acontecerá a 13a. edição da Primavera dos Livros, evento organizado pela LIBRE (Liga Brasileira de Editoras), composta por editoras de pequeno e médio porte. O evento será aberto ao público, a partir das 19h do dia 27/11. A entrada é gratuita. Veja aqui a programação.

conviteprimavera2008
Fonte [Libre]

Este ano as homenagens serão para a Bossa Nova  e o escritor Ruy Castro, que fará uma palestra sobre o tema. Também haverá várias atrações e um espaço dedicado às crianças, com lançamentos de livros e atividades com contadores de história.

Professores munidos de algum comprovante terão desconto de 50% na compra de livros no dia 28/11.

Como nos anos anteriores, o evento será nos jardins do Museu da República, o  palácio do Catete, antiga sede do Governo Federal. Aproveite para também visitar o Museu da República e ver o local de onde o Brasil foi governado até 1960, quando a Capital mudou para Brasília. O passeio é bacana mesmo.

A localização é excelente, pois há uma estação de metrô bem em frente e diversas linhas de ônibus fazem parada nas cercanias. Também há generosas áreas para estacionamento ao redor do palácio e ruas próximas.

Se você gosta de ler, está em busca de novidades, novos autores e descobrir muito mais não deixe de visitar a Primavera dos Livros, do Rio de Janeiro.

A entrada é gratuita e os descontos vão até 40%. Aproveite!

Localização e como chegar. Clique na imagem para ampliar.

localização

Ônibus

Site da Rio Ônibus.

Basta inserir a origem e o destino, que serão indicadas linhas de ônibus que deixem na Rua do Catete, quando vindo da Zona Sul. Indo do Centro ou Zona Norte, procure no mapa uma rua próxima como destino, e escreva o nome na lacuna para escolher a linha de ônibus que deixará mais próximo do Palácio do Catete.

Metrô

Clique sobre a imagem para ampliar.

metrorio
Fonte [metrorio.com.br]

Localização dos estandes e editoras participantes. Clique para ampliar.

webmail-view.pl

Fonte [Libre]

Livros e a Web 2.0

O futuro do livro não passa mais apenas pelas livrarias que, como no passado, eram os locais em que se podiam encontrar os escritores. Hoje, ainda são encontrados, mas em muito menor número. Era nas livrarias e, esticando um pouco mais, nos cafés da belle époque carioca, que os leitores poderiam trocar idéias, conversar e até mesmo admirar seus autores preferidos.

goldennotebook ₢ thegoldennotebook.org
Clique sobre a imagem para visitar o site

Agora, com o advento da internet, e é nesse meio de comunicação que se encontra do futuro do livro; não que as livrarias venham a deixar de ser parte integrante e fundamental desse processo, os autores podem trocar idéias e conversar com seus leitores através de blogs, por exemplo. Porém, já foi dado início a um desdobramento desse tipo de interação. Trata-se de um projeto que fica entre os blogs, as bibliotecas virtuais como o Projeto Gutenberg e os clubes de livros, que já está sendo chamado por alguns de Web 2.0 dos livros.

O primeiro teste desse projeto é feito com a autora Doris Lessing, laureada com o Prêmio Nobel de Literatura de 2007, que tem seu livro Golden Notebook dando nome a esse projeto [veja o site] e como objeto de análise e interação direta com críticos e leitores.  Um site foi criado para oferecer uma página do livro e ao lado há análises críticas e dicas dadas por sete críticos literários convidados. No caso específico são sete mulheres. Isso permite que os leitores possam fazer uma releitura da obra, caso já tenha sido lida, saber as razões dos autores para escrever aquele determinado trecho e também, ler as opiniões dos críticos a respeito. Criou-se, assim, um grande fórum de debates, o que certamente permitirá maior divulgação para o autor e o surgimento do interesse por sua obra e, mais importante ainda, despertar a leitura em várias pessoas.

Imagine, portanto, aquele livro que é considerado difícil de ler e você tem algum interesse em fazê-lo. Basta ir ao site, ver o que se fala por lá e, com toda certeza, sua visão sobre o livro e o autor passará a ser outra.

Algumas observações sobre o projeto Golden Book

O que é isto?
É um experimento de leitura fechada, em que sete mulheres estão lendo o livro e realizam um debate à margem. O projeto começou na segunda-feira, 10 de novembro 2008.

Por que vocês estão fazendo isso?
É parte de um esforço a longo prazo para incentivar e possibilitar uma cultura de aprendizagem colaborativa.

O que vocês esperam apreender?
O projeto ainda não possibilitou ter a sua real dimensão analisada como modelo para uma teia de conversas complexas e esperamos que esta experiência venha a nos ajudar a aprender algumas das coisas que devemos fazer para tornar este tipo de colaboração tão bem sucedida quanto possível.

Como somente sete mulheres podem comentar o livro?
A área de comentários é organizada de forma cronológica. Por enquanto ainda não tem capacidade para que diversos visitantes possam comentar. Talvez sete pessoas seja um número demasiado. Nota: os fóruns são abertos a todos e fazemos votos de que para além dos primeiros sete leitores, outros possam vir a aderir no que diz respeito ao texto e ao processo. Nós realmente queremos saber o que funciona ou não.

Qual será o tempo de duração do projeto?
Os leitores farão seus relatos durante um período de cerca de 5 ou 6 semanas.

_______________________
* A imagem que ilustra este artigo pertence ao Golden Notebook.
** O artigo foi escrito a partir da livre tradução feita por mim,  do artigo Doris Lessing’s Golden Notebook 2.0, escrito por Graeme Allister para o Books Blog do jornal inglês The Guardian, em 14/11/2008.