Dicionário muito estranho da Língua Portuguesa

Em tempos de reforma ortográfica, podemos ver o que um dicionarista português fez ao criar um Dicionário da Língua Portuguesa no século 18.

O que impressiona é a lógica para explicar as palavras. Por exemplo, bigode, é descrito como “duas torcidas de barba”, ou a palavra tubo, que, para o lexicógrafo nada mais é que um “canal diclinportredondo”. Isso para não falar da pérola das pérolas: roda, que é singelamente apresentada como uma “bola chata”.

Certamente, a língua portuguesa é uma das belas. Entretanto, certas coisas nos saltam aos olhos quando tentamos entender o significado de algumas de suas palavras e, mais interessante ainda, quando alguém cria significados vindo de qualquer lugar, menos do senso comum que formou e dá dinamismo a uma língua. Este é o caso do lexicógrafo português Bernardo de Lima e Melo Bacelar, que no século 18, deu-se ao trabalho de criar uma obra de fôlego (muito, por sinal), o Diccionario da Lingua Portugueza.

Abaixo estão algumas palavras do referido dicionário apresentadas pela autora. Quando alguma palavra não for de nosso conhecimento geral, você terá a definição obtida através do dicionário Aulete Digital, nas notas de pé de pagina deste artigo:

Abdômen – parte do umbigo;

Água – segundo elemento;

Antraz1 – leicenço2 que come até matar;

Bacharel – falador formado;

Bigode – duas torcidas de barba;

Bilha – vaso que faz som bil-bil ao vazar;

Bisbis – som que parece rezar;

Biscoito – pão duas vezes cozido;

Bisconde – duas vezes conde;

Bismuto – meio metal;

324-ef0-besugo Bisugo – peixe a quem sugam duas vezes a gostosa cabeça;

Borzeguim – bota de borrego;

Bucho – fundo do estômago;

Buço – fundo do nariz com pelinhos;

Cabra – animal de pelo;

Cachaço – caixa dos miolos;

Cachimbar – tirar fora o mau suco, fumando;

Carneiro – ovelha macho;

Castanha – bolota de certa árvore;

Castiçal – que dá fogo e luz;

Caracol – peixe glutinoso ou anfíbio, de curva ou espiral figura;

Coque – pancada no coco da cabeça;

Esbirro – o que tem de birra e prende;

Espingarda – arma que deita faíscas da pederneira ou pingas abrasadoras;

Farda – casaca nova de vários panos e cores;

Gaiola – vaso furado para ter pássaros;

Gazeta – papel que tem riqueza histórica;

Jeropiga3 – santa bebida;

Legume – grãos de cozer;

Leite – suco materno;

Lenço – pano de linho;

Louro – cor de papagaio;

Macaco – animal de trejeitos delirantes;

Murça – pele de certos ratos nos ombros eclesiásticos;

Pia – vaso purificador pelo batismo e de beber o gado;

Pigmento – cor que se põe na cara;

Porcelana – louça redonda;

Roda – bola chata;tarso

Ruço – entre o vermelho e o negro;

Tarso – palma da mão ou do pé;

Tris-tris – som de vidros quebrados;

Tubo – canal redondo;

Vértebra – dobradiça das costelas;

Vertigem – rodadura do cérebro.

A descoberta dessa pérola foi feita por mim há alguns anos(1991) quando comprei num sebo, o livro As grandes anedotas da história – editado em 1976 –, de Nair Lacerda, em que vários e vários casos curiosos e pitorescos foram por ela coletados. O livro é muito bom e a introdução nos explica o significado da palavra anedota (coisa inédita, porém de breve relato). Na época em que o livro foi escrito, a autora lamentava não ser possível encontrar com facilidade um exemplar do dicionário. O que seria de nós sem a internet? Você pode ler a edição fac-similar, no portal Open Library. Clique aqui e se delicie, mas antes veja algumas das palavras contidas abaixo. A ortografia é do século 18; portanto, você terá uma pequena dificuldade inicial para entender algumas palavras, mas com cinco minutos de leitura você já poderá se considerar um exímio paleógrafo.

Após a exposição desses exemplos, a autora nos conta a história de como Bernardo de Lima e Melo Bacelar classificou a palavra silogismo – raciocínio sobre duas premissas, acrescentando “Veja: Ceroulas”. É de chorar de rir. Porém, o lexicógrafo, apesar de tudo foi capaz de escrever uma gramática que foi muito importante e erudita, a Gramática Filosófica da Língua Portuguesa. Dá para entender?

_______

1 Infecção cutânea, gastrintestinal ou pulmonar grave, causada pelo Bacillus anthracis ou seus esporos, que ocorre esp. em caprinos, equinos e ovinos, e pode ser transmitida ao ser humano pelo contato direto com animais doentes ou com seus dejetos, pela ingestão de carne contaminada ou ainda pela inalação dos esporos do bacilo; CARBÚNCULO [F.: Do gr. ánthraks, akos, pelo lat. anthrax, acis.]

2s. m. || fleimão, furúnculo

3sf. – 1 Bebida preparada com mosto, açúcar e aguardante; 2 Enol. Vinho de fermentação alterada pela adição de aguardante; 3 Vinho de má qualidade; ZURRAPA. [F.: De or. obsc.]

Anúncios

O cachorro que há em todos nós em 16 citações e um pouco de história

Por acaso já se deu conta de como os cães fazem parte do seu quotidiano?

Parece que tudo começou ainda no baixo pleistoceno, quando alguns de nossos ancestrais tiveram a ideia de compartilhar pedaços de carne de caça com os lobos que rondavam, não muito longe, as cavernas nas noites em que, após a descoberta do fogo inventamos o churrasco.

Antes, se quiser, você pode entrar no clima do artigo ao ouvir a música abaixo. Ouça e vá lendo o texto.

Citações e ditos populares

  • Briga de cachorro grande – Geralmente a frase é citada por algum trepidante (repórter futebolístico), ao informar que o jogo que está prestes a começar será muito disputado.
  • Você me trata como um cachorro ou Eu não sou cachorro não – Quando algum homem percebe que a sua amada o despreza.
  • Esse cara é um cachorrinho de madame – Das duas uma: ou o cara é submisso a mulher que tem mais grana do que ele, ou é um gigolô.
  • O brasileiro é cachorrão mas não é cachorro (J.A.) – Que todo brasileiro é sacana ninguém tem duvida, mas, ao contrário do cachorro, não gosta de osso (mulher magricela). Em resumo: gostamos de ter o que apertar na mulher, certo?
  • Os cães ladram e a carruagem vai passando – frase atribuída ao grande filósofo e lexicólogo Ibrahim Sued, o mesmo que anunciava a periodicidade de seu programa na televisão, dizendo:  “Estaremos aqui diariamente todas as terças e quintas”.
  • Soltou os cachorros – quando uma mulher ou homem dá a maior bronca no adversário (a), digo, cônjuge.
  • Botou o rabo entre as pernas – Diz-se de alguém que se viu sem saída em uma disputa e humilhando-se como um cachorro medroso, saiu de forma patética da pendenga.
  • Cachorra! – homem xingando uma mulher que o passou para trás. Aqui me permito citar o equivalente feminino de xingamento mútuo… Vaca!
  • A fingida caridade do rico não passa, da sua parte de mais um luxo; ele alimenta os pobres como cães e cavalos. (Rousseau)
  • Como cães numa roda, ou pássaros numa gaiola, os homens ambiciosos continuam a subir, com grande trabalho e incessante ansiedade, mas nunca chegam ao cume. (Robert Burton)
  • Um adulador parece-se com um amigo, como um lobo se parece com um cão. Cuida, pois, em não admitir inadvertidamente, na tua casa, lobos famintos em vez de cães de guarda. (Epiteto)
  • Os cães, como os homens, são muitas vezes punidos pela sua fidelidade. (Jack London)
  • Se alguém nos é de fato muito valioso, devemos ocultar-lhe essa conduta como se fosse um crime. Ora, semelhante atitude não é agradável, mas é verdadeira. Os cães não suportam uma amizade excessiva; os homens, menos ainda. (Schopenhauer)
  • Se recolhes um cachorro faminto e lhe deres conforto ele não te morderá. Eis a diferença entre o cachorro e o homem. (Mark Twain)
  • Troque seu cachorro por uma criança pobre. (Eduardo Dusek)

Cavalo-do-cão

Com o passar dos séculos a relação se desenvolveu de tal forma que alguns de nós passaram até mesmo a receber a alcunha de “cão” ou “cachorro”, geralmente no sentido pejorativo. Coisa do tipo: “Aquele cavalodocaocachorro me paga!”, quando algum marido mais atiradinho resolveu pular a cerca e deixou rastro. O coisa ruim, mais conhecido como capeta, também recebe o apelido de “cão”, também geralmente em associações de ideias no sentido de quando alguém diz-se ter alguma relação com o Diabo: “Ele tem parte com o cão”. Isto se deve em grande parte à tradição açoriana de associar o Tinhoso com o referido mamífero, como nos informa Câmara Cascudo em seu “Dicionário do Folclore Brasileiro”, visto muitos açorianos terem vindo colonizar o Brasil.

Por vezes os nomes populares juntam ordens do reino animal (mamíferos + insetos), quase formando uma quimera, quando denomina uma espécie de vespa (pompiledae) como “cavalo-do-cão”, caçadora de aranhas caranguejeiras. O bicho é danado mesmo.

Metamorfoses e baixa poesia

Ainda no terreno das metamorfoses, o folclore de vários países registra a figura do lobisomem, ou o homem que se transforma em lobo, o ancestral de todos os cães, nas noites de lua cheia. Mas, bom mesmo, é ver uma mulher se transformar em loba com o passar do tempo, não? Se bem que, assim como o lado masculino da espécie recebe a alcunha canina de forma pejorativa, as mulheres também podem ser taxadas de “cachorras” quando, assim como nós, cometem alguma cachorrada. Porém, entre as mulheres, xingar a outra de quadrúpede ruminante que produz leite seja mais pejorativo ainda. Acompanhem a pérola do cancioneiro nacional do famosíssimo (?) Bonde do Tigrão, que bem exemplifica este parágrafo:

Só as cachorras
As preparadas
As popozudas
O baile todo…

Um primor de poesia…

Gregos e Romanos

Os gregos – sempre eles! – inventaram uma escola filosófica denominada Cinismo, cujo maior representante foi Diógenes, o pai de todos porralôcas, ao designar que kynikos, seria o equivalente da expressão “como um cão”, isto é, viver de maneira natural sem ter as coerções sociais como regra tal como os cães (kyon). O próprio Diógenes, que cunhou frases antológicas  (veja o artigo Uma lamparina, um barril e o dorme-sujo que queria mudar o mundo), certa vez, ao ser perguntado por qual motivo fora chamado de cão, respondeu o seguinte: “Balanço a cauda alegremente para quem me dá qualquer coisa, ladro para os que recusam e mordo os patifes”. Não nos esqueçamos de Cérbero, o cão de três cabeças que guardava a entrada do Hades.

320px-Cerbere

Os romanos não ficam atrás, quando nos indicam que a cidade eterna teve como mãe uma loba, que amamentou Rômulo e Remo. Em algumas escavações foram encontradas placas que avisavam, assim como nos dias atuais, para que o incauto tivesse cuidado com os cães, que em latim se escreve cave canem.

Certamente você ou a sua avó já emborcou um sapato ou um chinelo ao ouvir um cão uivando, certo? Sabe de onde vem essa crendice? De Roma é claro! Os romanos acreditavam que os cães conseguiam enxergar a sombra dos mortos, associando, assim, a Hécate, a divindade da mitologia que atormentava os humanos mostrando os terrores noturnos e aparições de fantasmas. A mesma Hécate é associada a Perséfone, a rainha dos infernos. E então? Vai emborcar um chinelo ou sapato na próxima vez que ouvir um cachorro uivando ou vai duvidar que eles veem almas do outro mundo?

Dentes caninos

Nem mesmo os vampiros escapam de ter alguma parte com os cães. Os dentes mais pontiagudos são conhecidos como caninos. E não há predador que não os tenha na boca. Caso contrário só vão poder tomar sopa e usando canudinho.

Alguém já deixou de ler uma das aventuras de Sherlock Holmes, chamada “O Cão dos Baskervilles”?

Papai Noel está doente

A saúde do Papai Noel está em risco e também a ciência explica por que ele provavelmente não exista.

Não é tolerável que alguém que tenha um estilo de vida pouco saudável, condições de trabalho não tão razoáveis, para, e em seguida, acarretar o stress de ter que entregar 152 milhões presentes de Natal em 24 horas.

sad_santa-241x300-797204 É o que dizem os pesquisadores da Universidade de Gothenburg (Suécia), ao constatarem, apenas olhando para aquele rosto gordo e rosado para, juntamente com uma simples análise visual de sua silhueta para afirmarem que ele pode sofrer um ataque cardíaco a qualquer momento. Também não está descartada a possibilidade de um derrame. Além disso, segundo a doutora Annika Rosengren, do departamento de medicina vascular da referida universidade, “Ele pode fazer um tratamento contra a diabete e a hipertensão. Sem querer magoá-lo, sugiro que tome remédios para baixar o colesterol. Porém, novas pesquisas indicam que ele pode estar em um acelerado processo de demência devido a sua obesidade abdominal”.

Como podemos ver, o caso é grave e o bom velhinho está com suas horas contadas se formos acreditar em todos os diagnósticos feitos pelos médicos. Em minha opinião, médico é igual a mecânico de automóvel. Todas as vezes que vamos a um dos dois, sempre aparece um problema na rebimboca da parafuseta. Ambos conseguem incutir medo em dois pontos específicos da anatomia humana, a saber: a cabeça e o bolso! Ambos pontos da anatomia vão doer pra caramba. Não se vai a um dos dois especialistas sem estar devidamente ciente de sua conta bancária.

Muito açúcar e gordura

Como a vida do Papai Noel parece ser tranquila durante 364 dias em sua terra, a Lapônia, em que, imagina-se ele beba água fresca e tenha uma dieta baseada em salmão e carne de rena; tudo isso vai para escanteio quando chega a época do Natal. O sono é afetado e a tensão para atingir o objetivo, além de maximizar as entregas dos presentes, destrambelham tudo e dá-lhe stress sob aquele gorrinho vermelho. A pressão sobe, os nervos ficam à flor da pele e, certamente, ele até deve apresentar problemas de pele, pois o terreno – seu corpo – está criando condições para que surjam perebas devido ao grande stress. Como em alguns países é comum deixar em cada casa um lanchinho (bolos, biscoitos, pernil e, se bobear, até água que passarinho não bebe) para o Papai Noel tomar tão logo entregue os presentes, ele está se empanturrando de açúcar e gorduras saturadas. É o que afirma outro pesquisador, o doutor Mette Axelsen, do departamento de Nutrição Clínica, que arremata: “Isso pode ter algum tipo de efeito nocivo ao seu ritmo cardíaco”.

A matemática é inimiga do Papai Noel

Façamos uma conta: Há 2 bilhões de crianças no mundo. Como o Natal é uma festa cristã é óbvio que o Papai Noel não entrega presentes para crianças judias, budistas e muçulmanas. Portanto, sobram “apenas” 380 milhões de crianças que deverão receber seus presentes na noite do dia 24 de de dezembro.

Continuando a conta: Cada casal, segundo estatísticas atuais, tem em média 2,5 filhos (esse 0,5 é que complica, não?). Isso equivale a 152 milhões de visitas. Perceba que o “crescei e multiplicai-vos” ajuda na hora da divisão. No frigir dos ovos, o Papai Noel deve fazer 900 visitas por segundo para poder atender a todos os pedidos que, de acordo com Stefan Lemurell, do departamento de Ciências Exatas, só podem ser realizados se a rota for muito bem planejada e viajar no sentido oeste para que possa prorrogar o prazo de 24 horas.

sad_santa3a 

A física é contra o Papai Noel

Lembram-se daquelas aulas em que o professor de física iniciava assim: “Um móvel retilineamente em movimento…”. Pois é, chato demais mesmo. Pois é essa mesma mecânica que vai nos mostrar que o Papai Noel precisaria ser tão rápido quanto a velocidade da luz para dar conta do recado.

Digamos que cada casa esteja distante uma da outra em 100 metros, em média. Entre estacionar o trenó, descer pela chaminé, entregar os presentes, tomar o tal lanchinho, subir pela chaminé e retomar o trajeto, o trenó deve viajar a 90km por segundo, o que equivale a aproximadamente 265 vezes a velocidade do som. Vejamos o que a professora Maria Sundin, do departamento de Física nos informa a respeito: “A aceleração necessária para realizar a tarefa implica uma força g de 14 milhões de vezes a gravidade da Terra. Pilotos de caça ficam inconsciente em 7g”. Lógico que ao se aprender como o Papai Noel consegue essa proeza que desafia as leis da física, a humanidade já poderia começar a sonhar com viagens espaciais tão corriqueiras quanto tomar um trem.

A biologia não ajuda o Papai Noel

Para que possa entregar todos os presentes, Papai Noel precisaria ter um rebanho de renas com cerca de 2 milhões de animais. Basta fazer a conta (novamente a matemática): Se cada criança recebe um presente que pesa 1kg, a pilha de presentes sobre o treno pesaria 380 mil toneladas. Como o bom velhinho é espaçoso e pesado, fica-se imaginando que uma rena, cuja capacidade de carga não ultrapassa os 200kg, deve sofrer. Tudo bem, ele tem várias renas atreladas ao trenó, mas como é que ele vai fazer para decolar e aterrizar tendo tamanha carga? Complicado, não?

Vejamos: se cada presente tiver as dimensões 10x20x20cm, o volume de todos eles cobriria o gramado do Maracanã e ainda teria vários metros de altura. A energia gasta para transportar a carga pelo espaço faria com que, não apenas os presentes, mas também o Papai Noel e suas renas, virassem churrasco milésimos de segundo após a decolagem.

Portanto, a ciência nos prova por A + B que o ritmo de vida extenuante do Papai Noel é uma prova de que ele não existe. Agora está explicado por qual motivo ele jamais entregou a Ferrari F50 que peço todos os anos.

* Este artigo foi escrito a partir da adaptação e tradução feitas por mim, Jorge Alberto, do artigo Santa Claus at Risk? Unhealthy Lifestyle, Unreasonable Working Conditions, and Stress, da Science Dayli, em 24/12/2009.

Lutero, meu nego: te enganaram!

Ainda vendem entrada no céu!

lutero

Adiantou você botar a boca no trombone e bater de frente com o Papa? Tudo bem… tudo bem… a burguesia e a nobreza alemãs adoraram suas ideias. Mas cá pra nós, sabe aquela piada sobre o povo que Deus colocaria no Brasil? Pois é… esse povinho acabou aprendendo a vender entrada no céu e, pior de tudo, com assinatura do filho do homem. Parece até psicografia: Jesus Cristo assinando documento em pleno século XXI! Em puro carioquês isso é o famoso 171.

Então, assim como a Igreja Católica fazia até você dar um basta na pouca vergonha que era a venda de indulgências; o cara podia ter sido o maior facínora, mas ao estar próximo de bater as botas, poderia muito bem comprar uma entrada no céu e seus pecados eram esquecidos. Agora isso nem importa tanto quanto antes. O negócio é conseguir cada vez mais “almas”, não para o rebanho, mas para os depósitos em conta corrente.

O pessoal universal, aqui, faz mais bacana ainda. Manda a grana das velhinhas, doentes, desmiolados e bobos em geral, para paraísos fiscais. É ou não é o que está na Bíblia? Alguma coisa vai para o paraíso, nem que seja fiscal, e o dinheiro seja dos coitados dos fiéis. Eu não sabia que fidelidade se comprava… Quanta ingenuidade, hein, Lutero?

Saramago e os 140 caracteres

O prestigiadíssimo ganhador do Nobel de Literatura, José Saramago, disse, numa entrevista ao O Globo, que o uso do Twitter, o microblog que limita as mensagens ao número máximo de 140 caracteres nos fará involuir ao nível da comunicação por grunhidos. Até entendo e quem sou eu para confrontar um escritor, ainda mais quando ele foi premiado com o Nobel e, para quem não sabe, o único que utiliza a língua portuguesa para escrever seus livros a ter recebido este prêmio. Entretanto, acredito que possa ter havido alguma desinformação ou informação pela metade.

Em apenas 380 caracteres, Fernando Pessoa nos deu isto:

marsalgado

Tudo bem que, hoje, o pessoal não seja lá muito amigo das palavras e o oceano vernacular se limite a, quem sabe, 600 palavras dentro do Universo que é a Língua Portuguesa. Mas, mesmo assim, há que se encarar o Twitter, não como um meio de comunicação para mensagens longas. Tanto que as empresas, as organizações capitalistas, vislumbram estes mesmos 140 caracteres como sendo extremamente válidos para indicarem seus produtos. Mensagens rápidas e certeiras, o que constitui o sonho de todo marqueteiro e, talvez, dependendo do ponto de vista, o paraíso ou o inferno para os redatores das agências de publicidade. Lógico que sabemos que se faz necessário separar o joio do trigo. Imagino que o Saramago tenha dito que percebera uma enorme massa de informações imbecis e idiotizantes circulando por aí. Mas, o que é a humanidade se não alguns bilhões de almas que seguem seu rumo ajudadas pela genialidade de algumas poucas milhares de almas geniais que passaram por aqui até hoje? Deixemos que a bobagem prossiga, mas que possamos ter como nos defendermos dessas barbaridades como o internetês e o miguxês, por exemplo.

Fico aqui a me perguntar se, quando surgiram as primeiras tabuinhas de argila contendo aquilo que os arqueólogos e historiadores classificaram como os primeiros documentos escritos produzidos pela humanidade, se havia algum tipo de limitação à quantidade de caracteres – os cuneiformes dos sumérios – se isso faria com que chegássemos ao que temos hoje. Fico também imaginando que, hoje, temos no alfabeto latino 26 sinais que, ao serem misturados, formam as palavras que compõem a maioria das línguas ocidentais e, também, o alfabeto cirílico com seus 33 sinais, sendo que 10 deles são vogais, se isso impediria que escrevêssemos uma, dez, mil, um milhão de palavras. Claro que não. E eu nem vou falar sobre os alfabetos orientais que, em dois ou três traços uma idéia pode ser expressa com poesia. A quantidade de sinais e a formação das palavras, para quem as conhece suficientemente, serão, sim, um manancial inesgotável de alternativas para que nós, pobres mortais que brincamos de escrever, possamos nos comunicar. Sim, eu odeio o internetês. Vocês jamais lerão um texto meu contendo palavras escritas com esses “grunhidos”.

E, em se falando em comunicação, como esquecer a escrita utilizada nos antigos telegramas em que “pt” e “vg” significavam respectivamente um ponto e um vírgula. As mensagens eram sucintas e diretas e, nem por isso, a língua involuiu. O que faz a língua involuir é a má distribuição de renda que não permite que tenhamos acesso à cultura, aos livros, aos dicionários, por exemplo. E, por falar em dicionários até pouco tempo eu não sabia que participava de uma confraria dos, digamos, amantes dos dicionários.

Tudo isso porque, um belo dia, recebo um telefonema de uma repórter do Jornal do Brasil, que me pediu para passar o telefone de um amigo meu que é editor e, alguém lhe disse, que ele era um desses amantes de dicionários e enciclopédias. A conversa evoluiu e acabei sendo entrevistado ali mesmo e contando para ela que eu também tenho o hábito de ler dicionários e isso, acredite, vem desde a mais tenra idade; com toda certeza, motivado por meu pai que me presenteou com um dicionário enciclopédico da Lello quando eu fiz dois anos de idade. Na bagunça que se transformou a minha biblioteca, mais conhecida por Bagunçoteca, e após algumas mudanças de residência, eu me deparei com esse dicionário e li a dedicatória que meu pai escreveu. Comecei a folhear e a chorar. Não dá pra explicar. (Leia o artigo Enciclopédias, uma grata surpresa).

Voltando aos tais 140 caracteres, eu ainda acho que, se o pessoal passar a ler mais não teremos mensagens que nos levarão a grunhir, mas sim, teremos pessoas que passarão a fazer uso de toda pujança e diversidade que a língua portuguesa nos permite. É tão simples saber como usá-la que até nos complicamos.

Eternamente, um grande amor

As marcas que um grande amor podem deixar não se apagam. Elas podem ser disfarçadas ou ficar esmaecidas em nossos corações como uma fotografia desbotada, que olhamos em velhos álbuns ou que estavam esquecidas no fundo de uma gaveta.

Alguns devem pensar que, por mais que usemos das técnicas modernas, a tonalidade das cores não será a mesma do momento em que essas metafóricas fotografias foram tiradas. É uma coisa meio heraclitiana, em que nunca se toma banho duas vezes no mesmo rio. Mas quem disse que Heráclito estava certo quando se trata das coisas do coração? Quem sabe a tonalidade seja mais viva e as cores mais vívidas em outro momento? Cada momento é uma realidade única de maneira impressionista. Mas, por qual motivo, não pode ser expressionista e revelar à luz, saindo das sombras em que estiveram guardadas, a paixão e o amor inesquecíveis?

É como na letra da canção apresentada: “Só mesmo o tempo pode revelar o lado oculto das paixões”. Surgem, então, as surpresas que o tempo reservou para um momento, que até pode não ser o certo, mas foi este o momento. Parece tão simples, mas é tão complexo quanto o tecer de uma teia. É preciso engenho e arte para entender como a aranha a constrói e como os corações procuram os nós a reatar.

Quanto já se escreveu, cantou e se imaginou o amor que nunca se vai esquecer. Algumas mulheres foram felizes por terem homens extremamente apaixonados por elas como, Matilde Urrutia, a quem Neruda escreveu versos como no poema La Reina. Outras, como Paty Harrison, foi brindada com duas músicas por dois músicos geniais. George Harrison, que compôs Something, quando estavam casados e Eric Clapton, que compôs Layla, quando estava apaixonado pela mulher de seu melhor amigo, o mesmo George Harrison. Outros casos devem existir.

Realmente, o grande amor não dá para esquecer. É Unforgetable.

Pense, lembre… um breve sorriso surgiu em seu rosto. Pronto: valeu a pena.

Música ruim e a surdez cultural

Como duas músicas podem ensinar os jovens a entenderem as palavras e iniciarem um diálogo.

Percebi, ao ditar alguns temas nas primeiras aulas deste ano, para as turmas que iniciavam o 2º grau que, ou eu estava perdendo a dicção (seria um AVC em plena aula?) ou meus alunos eram surdos. Fiquei um tanto assustado com ambos fatos. Na altura de segunda semana de aulas, eu constatei que: não perdera a dicção (e não tivera um AVC… ufa!) e que meus alunos não são surdos. Na verdade, a maioria não conhece as palavras, o que é muito pior!

Passei a observar os diálogos deles, não apenas ao se dirigirem a mim, mas também, quando se dirigem uns aos outros. Infelizmente, o universo vernacular deles é limitadíssimo. Coisa do tipo:

– E, aí? Tá ligado na parada?

– Sinistro…

E termina a conversa.

Ao mesmo tempo, as músicas que ouvem – o tal estilo “proibidão” – ou funk com três ou quatro frases em que a concordância apanha mais que boi fujão e as rimas(?) que sempre terminam em “ão” ou “inho”, para poder juntar escatologia com descrição de uma cena de sexo, por sinal, de péssima qualidade literário-musical e sexual. Se nem ao menos é possível descrever uma coisa prazerosa com qualidade, imagine o uso da Língua Portuguesa no cotidiano? Disso podemos observar dois fatos gritantes, a saber: 1 – a leitura é inexistente em qualquer nível; 2 – Não ouvem frases bem construídas ou palavras que enriqueçam em qualidade e quantidade os seus diálogos e, consequentemente, a escrita.

Comecei a me policiar para não usar palavras que fujam muito desse “mundo”, sem, porém, perder a qualidade. Penso que estarei, assim, contribuindo para que enriqueçam o vocabulário.

Por qual motivo citei música e desconhecimento do vocabulário? Simples: As letras das músicas, apesar de algumas licenças poéticas, são excelentes fontes de aquisição de vocabulário e, também, uma forma de aprender a usar as palavras, construir frases, pensamentos e, enfim, comunicar uma ou várias idéias.

Imagine, portanto, uma versão atual, sendo vertida para o “vasto” universo vocabular dos nossos estudantes, para “Sinal fechado”, do Paulinho da Viola e “Amigo é pra essas coisas”, do Silvio Silva Jr. e Aldir Blanc, que são crônicas, ou diálogos musicados, em que os interlocutores falam sobre suas vidas, cotidiano e perspectivas.  Vejamos como ficariam:

– E aí?
– Sinistro…

Triste, não?

Mas, para a nossa alegria, abaixo estão as músicas com suas respectivas letras.

Amigo é para essas coisas

mpb4

Composição: Silvio Silva Júnior/Aldir Blanc

 

– Salve!
– Como é que vai?
– Amigo, há quanto tempo!
– Um ano ou mais…
– Posso sentar um pouco?
– Faça o favor
– A vida é um dilema
– Nem sempre vale a pena…
– Pô…
– O que é que há?
– Rosa acabou comigo
– Meu Deus, por quê?
– Nem Deus sabe o motivo.
– Deus é bom!
– Mas não foi bom pra mim…
– Todo amor um dia chega ao fim.
– Triste.
– É sempre assim…
– Eu desejava um trago.
– Garçom, mais dois!
– Não sei quando eu lhe pago.
– Se vê depois.
– Estou desempregado.
– Você está mais velho..
– É…
– Vida ruim…
– Você está bem disposto.
– Também sofri.
– Mas não se vê no rosto.
– Pode ser…
– Você foi mais feliz.
– Dei mais sorte com a Beatriz!
– Pois é…
– Pra frente é que se anda.
– Você se lembra dela?
– Não..
– Lhe apresentei!
– Minha memória é fogo!
– E o l´argent?
– Defendo algum no jogo.
– E amanhã?
– Que bom se eu morresse!
– Pra quê, rapaz?
– Talvez Rosa sofresse.
– Vá atrás!
– Na morte a gente esquece.
– Mas no amor agente fica em paz.
– Adeus…
– Toma mais um!
– Já amolei bastante.
– De jeito algum!
– Muito obrigado, amigo.
– Não tem de quê.
– Por você ter me ouvido.
– Amigo é prá essas coisas.
– Tá…
– Tome um cabral!
– Sua amizade basta.
– Pode faltar.
– O apreço não tem preço, eu vivo ao Deus dará.

Sinal fechado

Paulinho da Viola

Composição: Paulinho da Viola

 

– Olá, como vai ?
– Eu vou indo e você, tudo bem ?
– Tudo bem eu vou indo correndo pegar meu lugar no futuro, e você ?
– Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono tranquilo, quem sabe …
– Quanto tempo… pois é…
– Quanto tempo…
– Me perdoe a pressa, é a alma dos nossos negócios…
– Oh! Não tem de quê…
– Eu também só ando a cem…
– Quando é que você telefona ? Precisamos nos ver por aí.
– Pra semana, prometo talvez nos vejamos. Quem sabe ?
– Quanto tempo… pois é… (pois é… quanto tempo…)
– Tanta coisa que eu tinha a dizer, mas eu sumi na poeira das ruas.
– Eu também tenho algo a dizer, mas me foge a lembrança.
– Por favor, telefone, eu preciso beber alguma coisa, rapidamente.
– Pra semana.
– O sinal …
– Eu espero você.
– Vai abrir…
– Por favor, não esqueça.
– Adeus…