Fernando Pessoa em Canção II – O Infante

Gravação de Elba Ramalho para “O Infante”, poema de Fernando Pessoa, no qual enaltece os feitos do Infante D. Henrique.

 

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.

Anúncios

Fernando Pessoa em canção I – Padrão

Gravação de Caetano Veloso para “Padrão”, poema de Fernando Pessoa.

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.

Bloco de artistas contra os políticos corruptos

Sob as bençãos de Claude Lévi-Strauss e René Descartes, que são representados em estandartes (alegorias e adereços), um bloco de artistas mambembes percorreu, hoje, 11 de dezembro de 2009,  algumas ruas da Lapa, Rio de Janeiro, cantando marchinhas de Carnaval. A irreverência, marca registrada dos cariocas, se fez presente mais uma vez mesmo que a plateia fosse de alguns poucos transeuntes.

O que vale é o registro dessa manifestação de repúdio aos políticos corruptos.

Amor eterno – Taj Mahal: música e visita virtual

Faça uma visita virtual ao maior monumento erigido em nome do amor e ouça aquela canção do Jorge Ben, que não nos deixa ficar parados.

Eu estava aqui tentando entender, se é possível entender, a longevidade do amor. E fui juntando fragmentos de pensamentos – próprios e alheios – até que me lembrei ou fui motivado a escrever após a audição/visualização de uma música do Jorge Ben. Trata-se de Taj Mahal, em que na curta porém abrangente letra, ele conta toda história de um amor que atravessou séculos, mesmo após a morte de seus protagonistas.

728px-Taj_Mahal_in_March_2004

Clique sobre a imagem para iniciar a visita.

Histórias de amor que não se completam, certamente, são muito mais observadas do que as que se completam. Caso contrário não estaríamos aqui criando poemas, músicas, palácios e obras de arte. Sim, pois, a força que nos motiva a caminhar não é a economia, mas a busca pelo amor e, se possível, ao encontrá-lo tentar mantê-lo como no primeiro dia em que surgiu diante de nossos olhos e corações. Mas, quando se completam, surge um pequeno Taj Mahal em nossos corações, que ocupa todo o espaço que existe dentro de nossas almas.

Já se passaram quinhentos anos desde a construção de uma das mais belas obras arquitetônicas que já foram construídas, o Taj Mahal. É a maior celebração concreta de um amor. Todos nós já tivemos um amor que nos motivou a escrever e fazer o que era possível para mostrar ao mundo o quanto nos tornamos felizes ao estarmos com a pessoa que nos faz ver a vida de outra maneira.

Acordar com música na cabeça

Isso já deve ter acontecido com você e com todo mundo: acordar com uma música na cabeça. Você fica cantando como se fosse a mais recente descoberta em seu arsenal de descobertas futuras, mas que, na verdade, estão no passado. O que motiva o ressurgimento dessa ou aquela música é um mistério. Porém, no subconsciente algo te diz que essa música te remete a algo ou alguém. Geralmente, e com toda certeza, remete a alguém. É uma espécie de mensagem que vem lá do fundinho da mente e, em muitos casos, passa pelo coração para corroborar a lembrança.

Pois bem. E não é que eu hoje acordei com uma música do Jorge bem rondando minha cabeça?  – Não adianta. Eu não consigo me referir a ele com o novo nome adotado há alguns anos–. Agora à noite, resolvi entrar no Youtube e procurar pela música. Ah, sim. Ela se chama “A minha teimosia”. A letra é de uma simplicidade avassaladora e a melodia é contagiante mesmo.

Que homem não foi teimoso ao querer conquistar uma mulher, em especial, aquela mulher que o faz ter pensamentos que vão dos mais românticos aos mais libidinosos? Em minha opinião, essa música é uma grande verdade, além de ter um balanço pra lá de gostoso. Dá vontade de estender a mão para a mulher desejada e convidar: vem…

guitarrinhaSe você pretende fazer uma graça e mandar uma mensagem direta para a mulher que deseja e sabe tocar violão, clique na imagem ao lado e estude as cifras. Te garanto que em 5 minutos você já pode começar a pensar em pegar a viola e ir para debaixo da janela da amada.

Boa sorte.

A cultura do Brasil de lá pra cá

Neste exato momento, estou assistindo a um documentário em 4 partes sobre o Jackson do Pandeiro, no programa De lá pra cá, que é apresentado por Ancelmo Gois e Vera Barroso na TV Brasil. Este programa,que vai ao ar às segundas, às 22h e é reapresentado aos domingos, às 17h, é, na verdade, um delicioso bate-papo com figuras que representam o Brasil e sua cultura.

Cada vez mais eu me maravilho com essa tal de internet. A dica é: faça parte de redes sociais, escreva em seu blog e troque informações com pessoas no mundo inteiro. É lógico que é preciso um certo critério para ir em busca daquilo que te interessa ou encontrar algo que seja interessante para compartilhar com seus amigos.

Você encontrará, por exemplo, vídeos completos dos programas sobre:

  • Jackson do Pandeiro
  • Remoção da Favela da Praia do Pinto
  • Guerra dos Emboabas
  • Mestre Vitalino
  • Carmen Miranda
  • Burle Marx
  • Caramuru

Que tal um sambinha em inglês?

Ouça a versão de Ever Fallen in Love, do Fine Young Cannibals, interpretada pelo grupo francês Nouvelle Vague em um jeito bem sambalanço com a deliciosa voz de Melanie Pain, que parece sussurrar em nossos ouvidos.

Não podemos esquecer do Matt Bianco, que na década de 1980, andou compondo umas Bossas Novas em inglês e ganhou o mundo com música como Half a Minute, que conhecemos na voz da polonesa Basia.