Nem todo best-seller é lido até o fim

Os motivos para um livro tido como best-seller ser descartado antes da página 50 são variados; porém, algumas opiniões são bem sinceras: ser “lento e chato”, ter uma “trama ridícula”, ou uma antipatia ao personagem principal, e mesmo objeções que o livro é (foi) “imoral”.

A pesquisa feita pelo site Goodreads, em artigo que saiu da seção de livros do jornal The Independent (Inglaterra), intitulado Fifty Shades of Grey and JK Rowling’s The Casual Vacancy are all too putdownable (algo como Cinquenta Tons de Cinza e Morte Súbita, de JK Rowling são muito descartáveis). Cabe uma explicação para a tradução do título do artigo. Onde está escrito “descartáveis”, leia-se “chatos” ou usando um neologismo “largáveis”.

imagem₢corbis.com

Segundo a pesquisa feita de acordo com os leitores do site/portal, cerca de 15% dos leitores desses livros, os largaram ou colocaram na prateleira antes de chegar à página 50.

Há que se entender, ou tentar entender, o que é um best-seller. Nem sempre um livro que vende bastante é o mais lido. Os motivos para se comprar o livro da moda é justamente por ser moda e por ter uma agressiva campanha de marketing, ou pelo fato de o autor já ter escrito livros realmente lidos pela maioria das pessoas que os compraram, como é o caso de JK Rowling, autora da série Harry Potter. O mais interessante é que a autora usou um pseudônimo (Robert Galbraith) para escrever um romance policial chamado The Cuko’s Calling que foi bem aceito pela crítica.

“Um escritor só começa um livro. Um leitor termina-lo.” (Samuel Johnson)

Os motivos para um livro tido como best-seller ser descartado antes da página 50 são variados; porém, algumas opiniões são bem sinceras: ser “lento e chato”, ter uma “trama ridícula”, ou uma antipatia do personagem principal, e mesmo objeções que o trabalho foi “imoral”. Algumas pessoas, disseram não gostar do novo livro da autora de Harry Potter por justamente não ter magia.

Uma nova pesquisa descobriu cinco melhores livros que os leitores arquivar antes da última página, que incluem a mais recente obra de JK Rowling e sensação erótica “Cinquenta Tons de Cinza”. Razões para o afundamento de um livro incluído tudo, desde a narrativa ser “lento e chato” para uma “trama ridícula”, uma antipatia do personagem principal, e mesmo objeções que o trabalho foi “imoral”. Ou ainda sobre o livro 50 Tons de Cinza, uma pessoa relatou sentir vergonha por todos nós, isto é, algo como ter vergonha alheia.

A vida é muito curta para se ler livros ruins.” (Schopenhauer).

Nem o best-seller “Comer, Rezar, Amar” escapou. Houve quem relatasse Não ter gostado da personagem principal.

Mas nada é definitivo na vida, como bem sabemos. Cerca de 40% das pessoas disseram ter quase uma “obrigação” de ler um livro até o final, mesmo que seja só para saber o final. Entretanto, ao se mexer um pouco mais na pesquisa vê-se que o número de pessoas que larga o livro aumenta em relação ao número de páginas. Cerca de 28% dos leitores abandonam o livro antes de chegar a página 100. O número de abandonos quase dobra em proporção a quantidade de páginas lidas ou enfrentadas. lidas

De tudo isso o que podemos concluir: gostar é algo realmente subjetivo.

30 mil bibliotecas numa só

A Biblioteca Digital Alemã (Deutsche Digitale Bibliothek, ou DDB ) pretende reunir o acervo de 30 mil bibliotecas em uma só. Todas serão digitalizadas e estarão a disposição na internet. Em parte é uma concorrência ao Google Books. O processo se dá através de um robô que é capaz de digitalizar 1216 páginas por hora.

robodigitalizador

(Image-56853-galleryV9-hosf ₢ Wolfgang Maria Weber – Spiegel Online)
Clique sobre a imagem para ver um slideshow

Para se ter uma ideia da dimensão do projeto, o centro de Digitalização de Munique da Biblioteca Estadual da Baviera já digitalizou 45mil obras, desde os manuscritos do Anel dos Nibelungos até partituras de Gustav Mahler.

Parte do acervo, a título de teste, estará disponível a partir de 2011. Os organizadores do projeto “prometem uma câmara virtual de maravilhas, tanto para os leigos, como será para os investigadores que procuram fontes específicas e documentos científicos. Digite "Beethoven" e você vai encontrar não apenas livros sobre o compositor, mas – finalmente – partituras manuscritas, amostras de música e, talvez, uma versão cinematográfica de "Fidelio".

Leia o artigo diretamente no site da Spiegel Online (em inglês)

Dicionário muito estranho da Língua Portuguesa

Em tempos de reforma ortográfica, podemos ver o que um dicionarista português fez ao criar um Dicionário da Língua Portuguesa no século 18.

O que impressiona é a lógica para explicar as palavras. Por exemplo, bigode, é descrito como “duas torcidas de barba”, ou a palavra tubo, que, para o lexicógrafo nada mais é que um “canal diclinportredondo”. Isso para não falar da pérola das pérolas: roda, que é singelamente apresentada como uma “bola chata”.

Certamente, a língua portuguesa é uma das belas. Entretanto, certas coisas nos saltam aos olhos quando tentamos entender o significado de algumas de suas palavras e, mais interessante ainda, quando alguém cria significados vindo de qualquer lugar, menos do senso comum que formou e dá dinamismo a uma língua. Este é o caso do lexicógrafo português Bernardo de Lima e Melo Bacelar, que no século 18, deu-se ao trabalho de criar uma obra de fôlego (muito, por sinal), o Diccionario da Lingua Portugueza.

Abaixo estão algumas palavras do referido dicionário apresentadas pela autora. Quando alguma palavra não for de nosso conhecimento geral, você terá a definição obtida através do dicionário Aulete Digital, nas notas de pé de pagina deste artigo:

Abdômen – parte do umbigo;

Água – segundo elemento;

Antraz1 – leicenço2 que come até matar;

Bacharel – falador formado;

Bigode – duas torcidas de barba;

Bilha – vaso que faz som bil-bil ao vazar;

Bisbis – som que parece rezar;

Biscoito – pão duas vezes cozido;

Bisconde – duas vezes conde;

Bismuto – meio metal;

324-ef0-besugo Bisugo – peixe a quem sugam duas vezes a gostosa cabeça;

Borzeguim – bota de borrego;

Bucho – fundo do estômago;

Buço – fundo do nariz com pelinhos;

Cabra – animal de pelo;

Cachaço – caixa dos miolos;

Cachimbar – tirar fora o mau suco, fumando;

Carneiro – ovelha macho;

Castanha – bolota de certa árvore;

Castiçal – que dá fogo e luz;

Caracol – peixe glutinoso ou anfíbio, de curva ou espiral figura;

Coque – pancada no coco da cabeça;

Esbirro – o que tem de birra e prende;

Espingarda – arma que deita faíscas da pederneira ou pingas abrasadoras;

Farda – casaca nova de vários panos e cores;

Gaiola – vaso furado para ter pássaros;

Gazeta – papel que tem riqueza histórica;

Jeropiga3 – santa bebida;

Legume – grãos de cozer;

Leite – suco materno;

Lenço – pano de linho;

Louro – cor de papagaio;

Macaco – animal de trejeitos delirantes;

Murça – pele de certos ratos nos ombros eclesiásticos;

Pia – vaso purificador pelo batismo e de beber o gado;

Pigmento – cor que se põe na cara;

Porcelana – louça redonda;

Roda – bola chata;tarso

Ruço – entre o vermelho e o negro;

Tarso – palma da mão ou do pé;

Tris-tris – som de vidros quebrados;

Tubo – canal redondo;

Vértebra – dobradiça das costelas;

Vertigem – rodadura do cérebro.

A descoberta dessa pérola foi feita por mim há alguns anos(1991) quando comprei num sebo, o livro As grandes anedotas da história – editado em 1976 –, de Nair Lacerda, em que vários e vários casos curiosos e pitorescos foram por ela coletados. O livro é muito bom e a introdução nos explica o significado da palavra anedota (coisa inédita, porém de breve relato). Na época em que o livro foi escrito, a autora lamentava não ser possível encontrar com facilidade um exemplar do dicionário. O que seria de nós sem a internet? Você pode ler a edição fac-similar, no portal Open Library. Clique aqui e se delicie, mas antes veja algumas das palavras contidas abaixo. A ortografia é do século 18; portanto, você terá uma pequena dificuldade inicial para entender algumas palavras, mas com cinco minutos de leitura você já poderá se considerar um exímio paleógrafo.

Após a exposição desses exemplos, a autora nos conta a história de como Bernardo de Lima e Melo Bacelar classificou a palavra silogismo – raciocínio sobre duas premissas, acrescentando “Veja: Ceroulas”. É de chorar de rir. Porém, o lexicógrafo, apesar de tudo foi capaz de escrever uma gramática que foi muito importante e erudita, a Gramática Filosófica da Língua Portuguesa. Dá para entender?

_______

1 Infecção cutânea, gastrintestinal ou pulmonar grave, causada pelo Bacillus anthracis ou seus esporos, que ocorre esp. em caprinos, equinos e ovinos, e pode ser transmitida ao ser humano pelo contato direto com animais doentes ou com seus dejetos, pela ingestão de carne contaminada ou ainda pela inalação dos esporos do bacilo; CARBÚNCULO [F.: Do gr. ánthraks, akos, pelo lat. anthrax, acis.]

2s. m. || fleimão, furúnculo

3sf. – 1 Bebida preparada com mosto, açúcar e aguardante; 2 Enol. Vinho de fermentação alterada pela adição de aguardante; 3 Vinho de má qualidade; ZURRAPA. [F.: De or. obsc.]

Fernando Pessoa em Canção VII – Epitáfio a Bartolomeu Dias

"Epitáfio a Bartolomeu Dias", poema de Fernando Pessoa, no livro "Mensagem", musicado por André Luiz Oliveira e gravado por Belchior.

 

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.

Fernando Pessoa em Canção VI – Nevoeiro

"Nevoeiro", poema de Fernando Pessoa, no livro "Mensagem", musicado por André Luiz Oliveira e gravado por Gal Costa.

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.

Fernando Pessoa em Canção V – O Desejado

"O Desejado", poema de Fernando Pessoa, no livro "Mensagem", musicado por André Luiz Oliveira e gravado por Elizeth Cardoso.

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.

Fernando Pessoa em Canção IV – A Última Nau

Poema, "A Última Nau", do livro “Mensagem”, no qual Fernando Pessoa relata o desaparecimento de D. Sebastião, rei de Portuga,l na batalha de Alcácer-Quibir.

 

Há alguns anos encontrei um LP no qual um músico chamado André Luiz Oliveira musicou parte dos poemas contidos no livro Mensagem, do Fernando Pessoa. Desde então, esses poemas musicados e gravados por artistas da MPB fazem parte do meu quotidiano. Regularmente produzirei vídeos para cada uma das canções e as postarei aqui. Espero que gostem.

Acredito que seja um bom material para aulas de história e literatura.