2010: Centenários, datas importantes, ciência e cultura

Como sabemos, o ano que se inicia dentro de alguns dias terá como principal evento mundial, a realização da Copa do Mundo na África do Sul. Ao mesmo tempo, no Brasil, foi instituído o ano de 2010 como sendo o Ano Nacional Joaquim Nabuco, político e diplomata brasileiro que abraçou o abolicionismo e faleceu em 1910, mesmo ano em que ocorre a Revolta da Chibata, a luta dos marinheiros contra os castigos corporais, um resquício da escravidão numa das maiores frotas do início do século XX.

A Unesco promove 2010 como o Ano Internacional da Diversidade Biológica, tema que é de enorme importância, visto, nos dias atuais, a conscientização ecológica ser parte do nosso cotidiano.

Há outros fatos também importantes que terão datas “redondas” em 2010, por exemplo, os centenários de nascimento de Noel Rosa, Jacques Cousteau, Madre Teresa de Calcutá e muitos outros. Confira abaixo:

 

Acontecimentos

Logo colorido_sm

Ano Internacional da Diversidade Biológica
Unesco

revoltachibata

Revolta da Chibata (100 anos)

logojoaquimnabuco

Ano Nacional Joaquim Nabuco
Fundação Joaquim Nabuco

 

Centenários

Cultura Brasileira

noel[1] 

Noel Rosa (1910-1937) Música-Samba-MPB

raqueldequeiroz 

Raquel de Queiroz (1910-2003)
Literatura Brasileira

adoniran_barbosa

Adoniran Barbosa  (1910-1982)
Compositor de Sambas

aurelio

Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989)
Lexicógrafo e escritor

haroldolobo

Haroldo Lobo (1910-1965)
Compositor de sambas e marchinhas

corinthians

Fundação do Sport Club Corinthians Paulista

Arte, Literatura e Ciência (mundo)

akira

Akira Kurosawa (1910-1989)
Cineasta japonês

 

jeangenet

Jean Genet (1910-1965)
Escritor francês

marktwain

Mark Twain (1836-1910)
Escritor norte-americano

cousteau

Jacques-Yves Cousteau (1910-1997)
Oceanógrafo francês

Religião

chicoxavier

Chico Xavier (1910-2002)
Médium

madreteresa

Madre Teresa de Calcutá (1910-1997)
Freira

Música

 
howlinwolf

Howlin’ Wolf (1910-1976)
Blues

django_reinhardt1

Django Reinhardt (1910-1953)
Jazz

Política

tancredo

Tancredo Neves (1910-1985)
Político – Presidente do Brasil

 
Anúncios

A evolução da bola de futebol – Copa 2010

A história do objeto de desejo de todos e todas que praticam o futebol, desde o  perna de pau até o maior jogador de todos os tempos.

Que nós, de vez em quando, jogamos uma bola quadrada nas Copas do Mundo é fato sabido e comprovado, vide as Copas de 1966, 1974 e 2006. Mas quando resolvemos acertar o pé, o que acontece com certa frequência, acabamos por trazer o caneco e é o que esperamos para essa Copa de 2010 na África do Sul. O de 2014, que me desculpem as outras seleções, já é nosso e  ficará mesmo por aqui.

boladefutebol
 Clique sobre a imagem para conhecer a evolução da bola de futebol,
desde a Antiguidade até os dias atuais.

Confira agora, no site da Fifa, em português, a evolução desse objeto de desejo de 9 entre 10 brasileiros e brasileiras, que tem sua história contada desde 3 mil antes de Cristo, quando o que poderíamos chamar de proto-futebol surgiu na China – Tudo parece ter começado nesse país –, até os dias de hoje com a nova bola a Jabulani (celebração, em isiZulu, uma língua do tronco linguístico banto), que esperamos que entre várias vezes no gol dos adversários da Seleção.

 

Sobre a bola de futebol e a vida prática

Primavera dos Livros 2009 – Rio de Janeiro

Uma feira de livros das pequenas e médias editoras brasileiras com tudo que as grandes feiras de livro tem e um pouco mais: o contato direto com os editores e autores.

primavera01

Clique sobre a imagem para ampliar

A Primavera dos livros do Rio de Janeiro este ano, que será entre os dias 26 e 29 de novembro, das 10h às 22h, no jardim do Museu da República (Palácio do Catete), terá como tema a Literatura de Cordel, em homenagem ao poeta Patativa do Assaré, que completaria 100 anos de nascimento. Este evento é o resultado do esforço da Libre – Liga Brasileira de Editoras, tendo patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e apoio da Biblioteca Nacional e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Este ano a feira se internacionaliza ao contar com profissionais do mercado editorial latino-americano e africano, recebendo representantes do Chile, Peru, Argentina, Equador, México, Guiné-Bissau e Angola.

São 86 estandes apresentando livros de todos os gêneros literários (Biografia, Romance, Romance Policial, Infantil, Infanto-Juvenil, Arte, etc.)

Além das editoras comerciais, também haverá participação de editoras universitárias e institucionais como a Biblioteca Nacional e a Fiocruz.

A entrada é franca e haverá promoções com descontos de até 40%

 

Como chegar

Metrô

primavera02Clique sobre a imagem para ampliar

Ônibus

Entre no Google maps e faça a busca. Hoje, o Rio de Janeiro é uma das poucas cidades do mundo em que o Google fornece informações acuradas sobre o transporte coletivo.

 

Programação de lançamentos

Entre os dias 27 e 29, haverá diversos lançamentos e sessões de autógrafos para o público adulto e infantil. No sábado, 28/11, às 14h, será lançado o livro “Botafogo desde menino”, de Luís Pimentel com ilustrações do Amorim.

 

Mesas de debate

Também haverá mesas de debates para todos os gostos como, por exemplo, no dia especial para os professores (27/11, mesa 3, às 10h), o tema será “Os mestres Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro na escola do século XXI”.

Nomes de peso dos universos literário e cultural brasileiros como Lygia Bojunga, Laura Sandroni, Joel Rufino dos Santos, Braulio Tavares, Ruth de Souza, Jorge Mautner, Luiz Carlos Maciel, Milton Gonçalves, Arthur Dapieve, Ruy Castro, Heloisa Seixas, Geraldinho Carneiro, Carlito Azevedo, Deonísio Silva e outros mais participarão das mesas de debate.

Serão discutidos temas como o universo da criação literária, o Rio de Janeiro e as Olimpíadas de 2016, racismo e a mulher negra na TV brasileira. Numa das mesas o debate será em torno da biografia como gênero literário e por qual motivo é um dos segmentos de maior vendagem do mercado editorial. Em outra mesa, Ruy Castro e Heloísa Seixas batem um papo com o público e também haverá uma mesa dedicada à obra e vida de Augusto Boal.

As novas mídias não foram esquecidas, tanto que uma das mesas discutirá os sites de relacionamento como o Facebook e outros do mesmo porte como canais para a arte, mídia e cultura digital.

Veja a programação abaixo:

Dia 27/11

DIA DO PROFESSOR

9h Chegada e certificação

  • 10h – 11h – sexta-feira
    Mesa 3 – Os mestres Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro na escola do século XXI
    Participantes:
    Yolanda Lobo (escritora)
    Guti Fraga (projeto Nós do Morro)
    Mediação: Bia Hetzel (Editora Manati)
  • 11h30 – sexta-feira
    Mesa 4 – Leitura e Paixão: uma homenagem a Lygia Bojunga e Tatiana Belinky (em depoimento virtual)
    Homenagem a duas das mais importantes personalidades da cultura brasileira com inestimável contribuição na área de literatura, leitura e mercado de livros
    Participantes:
    Lygia Bojunga
    Laura Sandroni (escritora e jornalista)
    Joel Rufino dos Santos (escritor)
    Mediação: Ninfa Parreiras (escritora e pesquisadora da FNLIJ)
  • 15h – sexta-feira
    Mesa 5 – Universos da criação literária. Escrever se aprende?
    A criação literária, assunto muito controvertido entre especialistas. Escrever se aprende? Como se forma um escritor? Quais os caminhos a percorrer até que aulas ou oficinas contribuam para sua formação? Aprendemos samba no colégio, afinal?
    Participantes:
    Nilza Rezende (escritora e professora de oficinas de criação literária)
    Luís Pimentel (escritor e jornalista/professor)
    Bia Albernaz (escritora e professora de oficinas de criação literária)
    Mediação: Marcus Vinicius Quiroga (poeta e professor)
  • 18h30 – sexta-feira
    Mesa 6 – O Brasil em cordel – Homenagem a Patativa do Assaré
    O cordel como literatura, como música, como criação e como expressão mais genuína da nossa literatura. O cordel como mercado e como profissão. A arte do poeta de cordel encarnada nesta homenagem a Patativa do Assaré, um dos maiores profissionais do gênero, morto em 2002, aos 93 anos.
    Participantes:
    Bráulio Tavares (escritor e especialista em Literatura de Cordel)
    Olegário Alfredo (cordelista)
    Chico Sales (cordelista)
    Mediação: Marcus Lucena (cordelista e Presidente da Academia Brasileira de Cordel)

Dia 28/11

  • 10h30 -12h30 – sábado
    Mesa 7 – Olimpíadas 2016: a cidade e o esporte
    Rio: capital turística do Brasil, escolhida para ser o palco das Olimpíadas de 2016, com diversas promessas de melhorias para seus problemas mais cruciais. Até que ponto o desenvolvimento de uma pode estar atrelado a um evento? O futuro de uma cidade depende dessas efemérides?
    Participantes:
    Mauricio Drummond (escritor e professor)
    Jorge Maranhão (escritor)
    Saturnino Braga (escritor e ex- prefeito do RJ)
    Mediação: Alvanísio Damasceno (editor da Quartet)
  • 12h30h – 14h – sábado
    Mesa 8 – Aqui ninguém é branco: mídia e Racismo – a mulher negra na TV
    Homenagem a Ruth de Souza
    Participantes:
    Ruth de Souza (atriz)
    Rosália Diogo (escritora e pesquisadora)
    Ângela Randolpho (escritora e pesquisadora)
    Mediação: Laura Padilha (escritora e prova UFF)
  • 15h – 16h30 – sábado
    Mesa 9 – Face a face com o Facebook e congêneres: arte, mídia e cultura digital
    As novas mídias, arte e cultura  digital e a revolução que representam no século XXI. Como afetam as nossas relações pessoais e de trabalho. A internet e suas possibilidades de comunicação jamais imaginadas. A vida na rede.
    Participantes:
    Artur Matuck (escritor e professor USP)
    Maria Carmem Barbosa (escritora e roteirista de TV)
    Nízia Villaça (escritora e pesquisadora)
    Mediação: Valéria Martins
  • 17h – 18h30 – sábado
    Mesa 10 – O Brasil em cordel – Homenagem a Patativa do Assaré
    Participantes:
    Bráulio Tavares
    Olegário Alfredo
    Chico Sales
    Mediação: Marcus Lucena
  • 19h – 20h30 – sábado
    Mesa 11 – Tal Brasil, qual teatro? Tributo a Augusto Boal
    Reflexão sobre o papel do teatro na sociedade contemporânea e homenagem a Augusto Boal, criador do Teatro do Oprimido.
    Participantes:
    Jorge Mautner (poeta e músico)
    Luiz Carlos Maciel (ator e diretor de teatro)
    Nelson Xavier (ator e diretor)
    Milton Gonçalves (ator)
    Helen Saratek (socióloga/Centro do Teatro do Oprimido)
    Mediação: Geo Britto (pesquisador/Centro Teatro do Oprimido)

Dia 29/11

  • 10h – 11h30 – domingo
    Mesa 12 – Biógrafos e biografáveis : que mercado é esse que só faz crescer?
    Os caminhos da biografia como gênero na contemporaneidade. Quais são eles? Quais as novas formas de escrita que admitem? O profissional de biografias e sua ética num mercado que cresce cada dia mais.
    Participantes:
    Arthur Dapieve (cronista, jornalista e biógrafo /Renato Russo)
    Carlos Didier (compositor e biografo / Noel Rosa)
    Ana Arruda Callado (roteirista e biógrafa / Maria Martins)
    Euclides Penedo Borges (músico e biógrafo / Euclides da Cunha)
    Mediação: Felipe Pena (autor de Teoria da Biografia sem Fim)
  • 11h30 – 13h – domingo
    Mesa 13 – Leitores apaixonados: um encontro com Ruy Castro e Heloisa Seixas
    A paixão pela leitura e pelos livros é o tema deste encontro com dois craques da escrita, apaixonados pelos livros e pela profissão.
    Participantes:
    Heloisa Seixas (escritora )
    Ruy Castro (escritor)
    Mediação: Suzana Vargas (especialista em leitura)
  • 15h – 16h – domingo
    Mesa 14 – Sustentabilidade / biodiversidade: por uma nova ética cultural
    A sustentabilidade como solução para garantir novas formas de sobrevivência para o planeta. Até onde afetará a vida em comunidade, gerando novas formas de convivência
    Participantes:
    Leonardo Boff (escritor)
    Fernando Gabeira (deputado federal/PV)
    Mediação: Felipe Pena
  • 17h – 18h30 –  domingo
    Mesa 15 – O máximo no mínimo – um olhar sobre as poéticas contemporâneas
    A poesia como gênero minimalista, que diz muito com a maior economia verbal possível, de vasta produção e pouca inserção no mercado. Que caminhos percorre hoje até chegar ás prateleiras das livrarias. O que é ser poeta hoje?
    Participantes:
    Ângela Melim
    Geraldinho Carneiro
    Carlito Azevedo
    Mediação: Suzana Vargas
  • 19h – 20h30 – domingo
    Mesa 16 – Questões de Lusofonia. Por onde anda o acordo ortográfico?
    O acordo ortográfico que completa dois anos e sua adoção brasileira. Por onde anda Portugal e os países de língua portuguesa nessa importante fase de implantação?
    Participantes:
    Deonísio da Silva (escritor e etimologista)
    Adriano de Freixo(escritor especialista)
    Marcelo Moutinho (jornalista e escritor)
    Mediação: Cecília Costa (jornalista e escritora)

[Fonte: Libre]

Mapa dos Expositores

primavera03a
Clique sobre a imagem para ampliar

 

 

 

Editora participantes em ordem alfabética

7 Letras
Alameda
Alis
Almádena Editora
Altana
Andrea Jakobson
Apicuri
Argvmentvm
Arquivo Nacional
Artes e Ofícios
Autêntica
Azougue
Bem-Te-Vi
Biruta
Brinque-Book
C/Arte
Calibán
Callis
Capivara
Casa da Palavra
Casa de Rui Barbosa
Cia. de Freud
Claridade
Conta Capa
Contraponto
Cosac Naify
Crisálida
Cuca Fresca
Dueto
Duna
Ed. da UFF
Ed. da UFRJ
Ed. da Unesp
Ed. De Cultura
Ed. Fiocruz
Ed. Independentes
Ed. Museu da República
Editora 34
EdUERJ
Estação Liberdade
Frente Editora
Fund. Biblioteca Nacional
Fund. Perseu Abramo
Galo Branco
Garamond
Gift Shop
Girafa
Ibis Libris
Iluminuras
Imprensa Oficial SP
Literalis
Livro Falante
Maco
Manati
Mar de Idéias
Matrix
Mauad X
Memória Visual
Mirabolante
Musa
Myrrha
Nau
Nitpress
Nova Alexandria
Odysseus
Outras Letras
Pallas
Papagaio
Paz e Terra
Pinakotheke
Prazer de Ler
Publisher do Brasil
Quartet
Roma Victor
Sá Editora
Terceiro Nome
Terra Virgem
Uapê
Versal
Versal
Vieira & Lent
Zit

O futebol carioca anda na maior pindaíba

Tirante o Império do Mal que anda ganhando uns jogos e enganando a plebe ignara e o Vasco que parece prometer sair do Tártaro, o inferno mitológico dos gregos, ou melhor, a Segundona, dois dos mais tradicionais clubes do Brasil caminham celeremente, de mãos dadas, para um encontro com Hades, o deus grego das profundezas.

cariocatimes

O engraçado é que nos primórdios do futebol, tanto carioca quanto brasileiro, Botafogo e Fluminense praticamente davam as cartas. Flamengo e Vasco só vieram depois que algumas glórias foram conquistadas pelo tricolor e o alvinegro. Hoje, infelizmente, disputam para quem vai cair mais vezes ou perde vergonhosamente. Ou ainda, qual dos dois teria o pior elenco. Por pouco não reeditam o famoso scratch dos pernas-de-pau, que toda semana o Otelo Caçador coletava nas escalações de times em todos recantos do Brasil.

O fantasma do rebaixamento se tornou uma entidade que nem precisa de muita coisa para baixar em General Severiano ou nas Laranjeiras. As sedes, antes assombradas pelos espíritos de torcedores ilustres e jogadores que amavam as camisas desses clubes, agora são mal-assombradas por esse Macobeba que se chama 2ª divisão. Vade retro!

A coisa já está virando folclore e brincadeiras de péssimo gosto são feitas, como o recente caso da seleção sub-20, em que jogadores do Fluminense e demais clubes em vias de serem rebaixados treinam à parte. Que coisa mais boboca!

Pelo bem do futebol brasileiro e do carioca em primeiro lugar, ambos clubes devem pensar em formas de reverter esta situação, se bem que o tricolor esteja praticamente rebaixado, a diretoria tem que fazer todos os esforços para que, caso se confirme essa desgraça, volte para a primeira divisão com todos os méritos. O aviso também serve para o Glorioso.

Heleno de Freitas, o Gilda: 50 anos de sua morte.

Poucos jogadores de futebol tiveram a aura e proeminência de Heleno de Freitas, que encantou nos gramados e na alta sociedade do Rio de Janeiro, a então capital federal, nas décadas de 1930 e 1940.

Heleno de Freitas Morreu aos 39 anos, em 1959 (8 de novembro), em um sanatório em Barbacena (MG). Foi astro do Botafogo – sua história se confunde com a do clube –. Nasceu em berço de ouro, formou-se em Direito. Gostava de Dostoievski, jazz, blues, Cole Porter, Billie Holiday. Frequentava boates e cassinos.

Em novembro serão completados 50 anos da morte de Heleno de Freitas, o primeiro jogador de futebol a fazer a ponte entre o futebol e a alta sociedade e que foi um dos maiores ídolos do período considerado o mais romântico do futebol brasileiro.

Perto dele, Edmundo, alcunhado de O Animal, não passava de um bichinho de estimação. É essa a constatação que eu, botafoguense, que nem em sonho viu o Heleno jogar, soube de algumas de suas histórias através do meu pai, de quem herdei o sangue alvinegro.

Outros jogadores temperamentais passaram pelos gramados brasileiros, sendo que, além do Animal havia também o Almir Pernambuquinho, que aprontou o maior bafafá na final do campeonato carioca de 1966 contra o Bangu. Este, assim como alguns dos temperamentais, morreu assassinado. Em seu caso numa briga de bar.

Em 2004, a ESPN Brasil produziu o documentário 300 anos de futebol, contando a história de três clubes cariocas fundados em 1904 – Botafogo, Bangu e América –. No programa sobre Botafogo há uma parte especial dedicada a Heleno. Clique sobre a imagem para assistir.

helenodoc
Clique sobre a imagem

Quando do lançamento do livro Nunca houve um homem como Heleno, de Marcos Eduardo Neves, o autor concedeu várias entrevistas e achei muito interessante resgatar a sua ida ao programa do Jô e também um podcast, o Bom de Bola, que foi criado em homenagem a Heleno de Freitas. Clique no link para ouvir. Vale a pena.

Entrevista de Marcos Eduardo Neves no Programa do Jô.

O Gilda

 gilda2Além de sua sabida doença, um outro fato que marcou Heleno foi o seu temperamento, que levou os torcedores adversários a apelidá-lo de Gilda, o personagem de Rita Hayworth, no filme homônimo. Daí em diante, em todos os jogos, além das confusões já tidas como normais, Heleno tinha que enfrentar a torcida adversária chamando-o de Gilda! Gilda! Gilda!. A provocação parece que era mútua. O recentemente falecido compositor Zé Rodrix, juntamente com Miguel Paiva, escreveram o musical Heleno, um homem chamando Gilda, em que contavam a vida e a obra desse grande jogador de futebol que viveu no limite da razão no campo e na vida. Há uma outra versão para o apelido. Este teria sido dado por seus companheiros do Clube dos Cafajestes, um grupo de rapazes ricos da Zona Sul, que promoviam reuniões.

Em um comentário ao artigo do jornalista botafoguense Roberto Porto em seu blog, o leitor João Almeida, citou a seguinte passagem do livro "O Homem que Sonhou com a Copa do Mundo", de Carlos Rangel:

"Em um asilo em Barbacena, num campinho de terra Heleno corria, gordo e sem dentes, imaginando-se num jogo imaginário, onde ele com a camisa do Botafogo fazia o gol do campeonato. Saía comemorando como um criança. Para ele era realidade. (…) Poucos dias antes de morrer Heleno tira do bolso um amassado pedaço de jornal, onde dizia que o Botafogo precisava do Heleno. Louco, doente e quase moribundo ele dizia eu preciso salvar o Botafogo".

 

Os extremos de uma mesma paixão e tragédia

Posso pecar por omissão ou por desconhecimento, porém, posso falar que dos casos trágicos ou como quiserem, românticos, do futebol brasileiro, o Botafogo teve dois representantes, se não os maiores, certamente os mais significantes: Heleno de Freitas e Garrincha. Não são anti-heróis. Pelo contrário. Foram, sim, dois apaixonados pelo que faziam levando ao extremo seu amor pela bola. Um, o perfeito fisicamente e economicamente, Heleno. O outro, o mestiço pobre, descendente de índios e com um defeito físico, as pernas tortas. O primeiro foi levado pela sífilis à loucura e morte. O outro foi levado pelo álcool à morte. O que emociona, acredito que mesmo aos que não torcem pelo Botafogo, é saber da paixão de ambos pela estrela solitária. Heleno foi jogador do Botafogo antes da fusão, quando o escudo ainda era formado pelas letras B, F e C entrelaçadas. A estrela só veio quando da fusão com o Botafogo de Regatas, pois este era o seu símbolo.

Ainda seguindo pelo caminho paralelo entre vida e arte, muitos consideravam Garrincha como uma espécie de Carlitos, o personagem mais famoso de Charles Chaplin. Quanto a Heleno, segundo, os cronistas esportivos e da crônica social, davam-lhe a fama de um verdadeiro galã de Hollywood. Sempre bem vestido, andando em carros importados, namorando belas mulheres e convivendo com a alta sociedade do Rio de Janeiro, a Capital Federal. Por essas e por outras é que o futebol realmente é um esporte democrático. Entre as quatro linhas todos são iguais não importando a origem social.

heleno04 Mas, por qual motivo falar de um jogador de futebol que morreu louco há 50 anos? Não se espantem. O ser humano é ávido por conhecer os dramas da vida e, em especial, as tragédias. Estão aí até hoje sendo encenadas as peças de Ésquilo, Sófocles e Eurípides. E a história de Heleno tem todos os elementos de uma perfeita tragédia. O tipo apolíneo, o deus da perfeição da beleza, o artista da bola. Amado pelas mulheres e invejado pelos homens. Filho de boa família e nascido em berço de ouro, que terminou seus dias louco em um sanatório. É esse o fascínio que arrebata quem o viu, quem não o viu e quem soube de suas histórias por ouvir contar. Seu futebol foi decantado por escritores do porte de Eduardo Galeano e Gabriel Garcia Marques que o viram jogar. A ele, como presente de casamento com a filha de um diplomata, Vinícius de Moraes dedicou o “Poema dos Olhos da Amada”.

O Botafogo talvez seja o clube de futebol, pelo menos do Brasil, que teve a história mais cercada de glamour. As histórias de seus craques se confundem com a do futebol brasileiro. Da seleção de todos os tempos da Fifa lá estão três jogadores do Botafogo, a saber: Didi, Nilton Santos e Garrincha. De todos os clubes brasileiros foi o que mais cedeu jogadores para a Seleção Brasileira até hoje. Acredito que só um clube, ou melhor, só o Botafogo seria capaz de ter a história que tem. Assim como os dois personagens mais famosos citados aqui, ser botafoguense é algo que requer extrema paixão e abnegação. É preciso muito amor para enfrentar períodos de seca de títulos. Por isso que ser botafoguense é, antes de tudo, conhecer a sua história e reverenciar seus ídolos. Ou vocês pensam que, por exemplo, naquele esquisito esporte norte-americano chamado baseball, não se reverenciam jogadores de décadas para lá de passadas? Há um caso interessantíssimo que bem exemplifica o amor ao esporte, não importa qual, antes de qualquer coisa. É o caso de uma espécie de Garrincha do baseball chamado Shoeless Joe. A sua história também tem contornos de tragédia e foi contada em parte no filme Eight Men Out. Aqui recebeu o título de Fora da Jogada.

 

O ocaso do ídolo

Toda sua carreira foi construída na era pré-Maracanã, exceto por exatos 35 minutos. Com a doença bastante avançada, em 1951, foi contratado pelo América e, em sua estreia no Maracanã  foi expulso de campo.

Heleno de Freitas jogou vários anos no Botafogo e jamais foi campeão pelo clube de seu coração. Quando foi vendido ao Boca Juniors, em 1948, o Botafogo foi campeão vencendo o Vasco pelo placar de 3 x 1.

Atuou pelos seguintes clubes: Botafogo, Vasco, Boca Juniors, Atlético de Barranquilla (Colômbia), Santos e América (RJ).

 

Sobre Heleno de Freitas

Artigo acadêmico intitulado A marca da elegância no ídolo esportivo Heleno de Freitas.

A vida de Heleno de Freitas. Excelente artigo de Marcio Sabones.

Artigo de Ivan Lessa, intitulado “Minhas botinadas com a fama”,  sobre uma passagem sua, quando garoto em Copacabana ao encontrar Heleno de Freitas.

Artigo El “Gran Gitano” Heleno de Freitas no blog do Atlético Junior de Barranquilla (Colômbia)

Racismo e esporte

O racismo é uma coisa nojenta, amorfa e dissimulada na maioria da vezes. Em se tratando das relações humanas muito dificilmente um grupo aceita alguém de fora que seja diferente. E quando isso se dá, é porque foi criado um juízo de valor de que o diferente é pior, não presta, é sujo e tudo o mais que possa haver de pejorativo e excludente.

Ao mesmo tempo, por ser em muitas vezes uma coisa sem forma, hoje, já há quem seja da KKK e não considere o Obama como sendo negro. Estranho, não? Mas é a mesma visão que temos numa cena do filme “Faça a coisa certa” (Do The Right Thing), do Spike Lee. Para quem não viu ou pretende ver, a cena se passa dentro da pizzaria do Sal (Dani Aiello) e um de seus filhos, Pino, interpretado pelo excelente ator John Turturo, discute com Mookie, o entregador de pizza negro, interpretado pelo diretor Spike Lee, o quão negro ele, Pino, seria apesar da origem italiana. E como exemplo, pede para que ele cite seus ídolos: No basquete, Magic Johnson; no cinema, Eddie Murphy; na música, Prince e por aí vai, até que Pino tenta criar uma teoria para dizer que estes e outros negros não são bem negros. São, digamos, diferentes. Por acaso, a música, o cinema, o esporte e outros campos de atividade têm cor? O que conta é o talento, certo?

Infelizmente não encontrei uma versão com legendas.

Apenas a título de curiosidade, nesse mesmo filme também há um personagem que é um daqueles negros que embarcam na onda de Black Power, mas sem grande informação, interpretado pelo ator Giancarlo Esposito, que apesar do nome italiano é negro e, nos bastidores do filme, para quem tem a versão oficial em DVD, percebe que o Dani Aiello até se espanta ao saber que o Giancarlo nasceu em Copenhague (Dinamarca) resultado de um casamento entre uma negra norte-americana e um italiano. O mesmo espanto, guardada as proporções, é claro se deu comigo ao saber que um entregador de uma editora que eu conheço tinha um sobrenome italiano. Achei interessante e perguntei o motivo e ele me respondeu: é do meu avô. Foi aí que eu me dei conta que parte dos imigrantes italianos que vieram para o Brasil também se estabeleceram no Rio de Janeiro e, ali na altura do morro da Providência (Centro), havia uma colônia italiana em integração com moradores da região que tinham origem africana (ex-escravos e seus descendentes).

Lógico que no campo do esporte e da cultura negros se destacam. Muitos tiveram apenas esta oportunidade para “chegarem lá”. Agora, o chato mesmo é ver que, num esporte, o futebol, que é o esporte mais popular do mundo, grupos racistas incitem a violência por questões raciais. A violência no esporte, por si só, não é coisa que deveria acontecer; mas não podemos negar que o esporte coletivo, é, digamos, um traço cultural das batalhas entre grupos e clãs que se diferenciavam não apenas por questões étnicas, mas também sociais ou econômicas. Assumiam cores, estandartes e símbolos pelos quais nutriam adoração e que desejavam fazer prevalecer sobre seus oponentes.

Recentemente, na Alemanha, um clube de futebol de uma cidadezinha de 800 habitantes teve a genial ideia de realizar uma partida amistosa e grupos neonazistas decidiram que perturbariam o ambiente. Uma lástima, pois essa cultura raivosa de achar que cor de pele é motivo para mensurar caráter ou vida é algo que não deveria mais existir. Porém, infelizmente, essa praga se espraia novamente e, hoje, no globalizado esporte coletivo, a ação de racistas chegam as raias da insanidade.

A coisa não é nova, mas não se encaixa mais, a meu ver, em qualquer campo de atividade. Torcidas que imitam macacos quando um jogador negro toca na bola – como fez a torcida do Grêmio no jogo contra o Cruzeiro – ou arremessar cachos de banana em campo, são provocações que só servem para demonstrar o nível da mediocridade humana. Essas mesmas bestas se esquecem que, ao berrarem para todos os gringos, que somos pentacampeões é porque o Brasil, a Seleção Brasileira, foi a síntese da mescla, da mistura, da união de etnias e o maior jogador de futebol de todos os tempos é negro e o Garrincha, o segundo maior era cafuzo, uma mistura de índio com negro. Então, por qual motivo essa idiotice de fazer mímica de macacos, ainda mais num estado em que o maior símbolo do folclore é o Negrinho do Pastoreio? Idiotice pura!

Escrevo este artigo após ter lido um outro artigo sobre o tal time da cidadezinha alemã na Spiegel Online. Vejam, por exemplo, a quantidade de notícias no G1 sobre o racismo nos esportes. É alarmante, quando sabemos que o atual campeão de Fórmula 1 é um negro, a final do torneio feminino de tênis de Wimbledon será disputada por duas negras e o maior jogador de basquete de todos os tempos é negro.

Em seu livro, O Negro no Futebol Brasileiro, Mario Filho, o jornalista que dá nome ao maior estádio de futebol do mundo, o Maracanã, nos apresenta as razões pelas quais somos uma potência futebolística. É justamente pela presença do negro, e outros intelectuais como Gilberto Freyre afirmavam que essa é uma verdade incontestável. Conta, Mario Filho, que muitos negros não eram aceitos nos clubes de futebol, que era um esporte das elites brancas, mas, que, com o passar do tempo e o friedenreich surgimento do profissionalismo essas besteiras foram acabando, mesmo que no campeonato carioca uma cisão tenha acontecido justamente por este motivo, ou os dois, o profissionalismo e o racismo. O próprio negro não se reconhecia como negro para poder participar desses grupos. Conta que Friendereich, o maior jogador brasileiro de futebol da era amadorística, era um mulato filho de um alemão com uma negra e que, antes de cada jogo, passava horas alisando o cabelo para parecer menos negro. E há também o folclórico, mas verídico, caso dos jogadores do Fluminense que usavam pó de arroz para “clarear” a pele.

Ainda no campo de futebol brasileiro, até antes de ganharmos a primeira Copa do Mundo, em 1958, na Suécia, alguns “inteligentes” dirigentes de futebol temiam que a presença de negros na seleção nos fizesse apresentar uma imagem ruim do Brasil – barbaridade!!! –, e que também perderíamos a Copa, assim como as anteriores, devido ao banzo, aquela saudade ancestral que acometia os negros que vinham da África para serem escravos na lavoura ou nas minas. E o que foi que aconteceu? Um negro de 17 anos e um cafuzo das pernas tortas encantaram o mundo. O maior jogador dessa Copa, escolhido pela Fifa, foi o Didi, um negro.

Quando o Uruguai ganhou a Copa do Mundo de 1930, a primeira, havia um jogador negro no time titular, o meio-campista José Andrade. Portanto, a presença do negro no futebol, faz este esporte ser este esporte. Assim como outros representantes de outra etnias, mas isso não impede que as bestas racistas vejam a importância do esporte como congraçamento humano.

A perseguição não se dá apenas aos negros, mas aos judeus também. Por exemplo, o clube inglês Tottenham tinha – e ainda tem – uma ligação com os judeus ingleses. Por isso, durante décadas, as torcidas adversárias cantavam músicas pejorativas e incitavam violência contra seus jogadores. Quanta idiotice, não?

Façamos a coisa certa. Sejamos, antes de tudo, seres humanos.

Desculpem, mas eu sou Botafogo!

Ouça poema/crônica “Olhe aqui, Mr. Buster” declamado por Vinícius de Moraes. Uma nova janela abrirá. Ouça e depois leia o artigo.

Olhem aqui, meus caros Misters Busters:

Não há outra forma de afirmar este fato. Alguns podem até achar que não há como torcer por este clube. Outros, como eu, mantém e manterão sempre a paixão, que é coisa que não se explica, pela estrela solitária. É aquela paixão que não tem limites. Apenas acontece.

No final do texto, você encontrará 4 imagens para usar como fundo de tela.

Perdemos um campeonato? Partimos para o próximo. E o faremos como se nada houvesse acontecido. A paixão será a mesma e até mais intensa. Não me importa se foi para o clube A, B ou C. Importa é que estivemos lá e continuaremos lutando para estar e vamos ganhar.

Dizem que vivemos de passado. Os quase 200 milhões de brasileiros também vivem de passado. Somos pentacampeões; mas não se pode esquecer que o Botafogo foi – e ainda é – o clube que mais jogadores cedeu para a Seleção Brasileira até hoje. E, me desculpem a falta de modéstia, trouxe a Jules Rimet para o Brasil em definitivo. Ainda me desculpando pela falta de modéstia, o Botafogo é o único clube do mundo a ter três jogadores na Seleção de todos os tempos da Fifa.

Me desculpem novamente. Vocês podem ter José Lins do Rego, Chico Buarque e Aldir Blanc. Um flamenguista, um tricolor e um vascaíno. Mas, cá pra nós, meus caros Misters Busters, vocês não tem o Vinícius.

Desculpem mais uma vez, mas em nenhum lugar do mundo, a não ser em General Severiano, ao mesmo tempo conviveram a sabedoria e a felicidade, o senso e o contrassenso. Falo de Nilton Santos,   a Enciclopédia do Futebol e de Garrincha, a Alegria do Povo.

Não há poesia que seja mais bela que a da origem da estrela solitária que, por sinal, segundo uma recente votação, o escudo do Botafogo foi escolhido como o mais belo do mundo.

E ninguém cala!

Botafoguense, você pode baixar. Clique para ampliar a imagem.

estrela_solitaria_1024_768_edited-2

garrincha_1024_768_edited-3

nilton_santos_1024_768_edited-3

quarentinha_1024_768_edited-4