11 canções Pop inspiradas pela Literatura

Pink Floyd e George Orwell, Devo e Thomas Pynchon. Mick Jagger e Charles Baudelaire. Embora eles pareçam ser parcerias musicais bastante improveis, muitas canções de rock resultaram de uma inspiração do músico ou letrista encontradas nas páginas de um livro. Estes são apenas a ponta do iceberg. Se você lembrar de alguma canção brasileira surgida nesse moldes não se esqueça de compartilhar nos comentários.

1. Música: “Pigs (Three Different Ones),” Pink Floyd – Livro: Revolução dos bichos, George Orwell.

O grupo Pink Floyd se sentiu fortemente influenciado por este livro de Orwell, que o álbum Pigs é baseado livremente em torno de temas A revolução dos bichos. “A temática é sobre as pessoas donas de riqueza e poder.

2. Música: “Whip It,” Devo – Livro: Arco-íris da gravidade, Thomas Pynchon.

De acordo com Jerry Casale (cantor, baixista e tecladista) do Devo:

“‘Whip It‘, como muitas canções Devo, teve uma longa gestação, um longo processo. As letras foram escritas por mim como uma imitação de paródias de Thomas Pynchon em Arco-íris da gravidade. Ele havia parodiado rimas e poemas típicos dos americanos cultos; de idéias obsessivas de personalidade como Horatio Alger e ““Você é o nº 1”, não há mais ninguém como você”. Eu pensei, ‘Eu gostaria de fazer um como Thomas Pynchon, “assim que eu escrevi’ Whip It ‘uma noite.”

3. Música: “Wuthering Heights,” Kate Bush – Livro: O morro dos ventos uivantes, Emily Bronte.

Aos 18 anos de idade, Kate Bush se inspirou para escrever a canção depois de ver apenas 10 minutos de O morro dos ventos uivantes na TV em 1977.

“Tenho certeza que uma das razões que ficaram em minha mente foi causada pelo espírito de Cathy, que era a forma como era chamada nessa idade. Mais tarde ela mudou para Kate. Era apenas uma questão de exagerar todas as minhas áreas de personalidade não tão boazinhas , porque ela (a personagem) é uma pessoa muito abjeta. Ela é tão teimosa e apaixonada e louca …, sabe? E foi divertido de fazer, e levou uma noite e meia”?

4. Música: “The Ghost of Tom Joad,” Bruce Springsteen – Livro: As vinhas da ira, John Steinbeck.

Tecnicamente, Springsteen foi inspirado pela adaptação de John Ford para o cinema, da jornada de John Steinbeck. “The Ghost of Tom Joad” é uma versão 1990 de As Vinhas da Ira, para servir como um lembrete de que os tempos modernos são tão duros como o período retratado no livro.

5. Música: “Sympathy for the Devil” , Rolling Stones – Livro: O Mestre e Margarida, Mikhail Bulgakov.

Em 1968, Mick Jagger e sua então namorada, Marianne Faithfull, leram um livro que ela pensou que poderia ser-lhe agradável. Jagger acabou escrevendo “Sympathy for the Devil” depois de ler o romance, que começa quando Satanás, disfarçado como um professor, encaminha-se e apresenta-se a um par de homens que discutiam sobre Jesus.

Mais tarde, Mick sugeriu que algumas das letras podem ter sido inspiradas pelas obras de Charles Baudelaire, assim, o que torna “Sympathy” o resultado de um Rock Star chegado aos livros.

6. Música: “Holden Caulfield”, Guns N’ Roses – Livro: O apanhador no campo de centeio, J.D. Salinger.

O álbum Chinese Democracy (2008) ccontinha uma música chamada “O apanhador no campo de centeio”, o clássico livro de JD Salinger. Entretanto, supõe-se que a música é realmente sobre um outro evento em que Holden Caulfield (personagem do livro) foi envolvido: o assassinato de John Lennon, em 1980. O assassino de Lennon estava carregando uma cópia do livro quando puxou o gatilho.

7. Música: “Tales of Brave Ulysses”, Cream – Livro: Odisseia, Homero.

Nem mesmo Eric Clapton pode resistir as sereias de A Odisséia. Embora seja cantanda por Clapton, as letras foram escritas por Martin Sharp, que acabava de voltar de férias em Ibiza e foi inspirado por todo o cenário exótico – praias e mulheres, presumivelmente.

8. Música: “Layla”, Eric Clapton – Livro: Layla e Majnun, Nizami

Clapton se apaixonara por Pat Harrison, mulher de seu melhor amigo, George Harrison. Sofrendo de amores não completados, escreveu esta canção baseada no conto Persa Layla e Majnun (majnun significa louco), que ao se apaixonar perdidamente por ela, teve seu desejo de casar negado, pois ela estava prometida a outro homem. Por isso vagou como um louco pelo deserto.

9. Música: “Breathe”, U2 – Livro: Ulysses, James Joyce.

Falando de A Odisséia, não é nenhuma surpresa que The Edge e Bono gostariam de prestar homenagem ao seu compatriota irlandês James Joyce, definindo “Breathe” como se estivesse em 16 de junho. Esse é o dia que transcorre a vida de Leopold Bloom ao longo das páginas do Ulisses de Joyce, e é também o dia em que os fãs de Joyce em toda parte honram sua obra celebrando o Bloomsday.

10. Música: “Ramble On”, Led Zeppelin – Livro: O Senhor dos anéis, J.R.R. Tolkien.

Se você já ouviu a letra de “Ramble On”, isto não vai ser uma surpresa para você. Por exemplo:

“‘Nas profundezas mais obscuras de Mordor
Eu conheci uma garota tão justa.
Mas Gollum, o maligno surgiu
E fugiu com ela. “

Por anos, eu só prestara atenção ao coro de “Ramble On”. foi um choque quando percebi do que a letra tratava.

11. Música: “Scentless Apprentice”, Nirvana – Livro: O Perfume, Patrick Süskind.

Kurt Cobain, que frequentemente mencionava que era um de seus livros favoritos. Ele gostou tanto, de fato, que escreveu uma canção ce gravou-a no álbum In Utero (1993). O livro é sobre um homem que mata mulheres jovens e capta os seus aromas, a fim de fazer o perfume perfeito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s