Hipácia de Alexandria, a primeira cientista

Mulher de rara beleza e extrema inteligência (filósofa, astrônoma e matemática), que foi assassinada, em 415, devido a disputas religiosas que ocorreram em Alexandria, fundada por Alexandre, o grande, e famosa por sua biblioteca e museu, quando o Egito era governado pelos romanos.

hypatia02Hipácia (Hipátia ou Hypatia) por Rafael de Sânzio

Na verdade, Hipácia foi condenada devido a uma disputa de egos e política entre o novo patriarca de Alexandria (412), São Cirilo de Alexandria, um ferrenho combatente de heresias e Orestes, o prefeito romano da cidade e que fora aluno de Hipácia. Ele a protegia dos abutres cristãos até então, que torciam o nariz para a sua inteligência e identificavam o paganismo em sua figura, justamente por, já à época, simbolizar o conhecimento e a ciência. Inventou o astrolábio e o densímetro [2].

"Há cerca de 2000 anos, emergiu uma civilização científica esplêndida na nossa história, e a base era em Alexandria. Apesar das grandes chances de florescer, ela decaiu. A última cientista foi uma mulher, considerada pagã. O nome era Hipácia. Com uma sociedade conservadora a respeito do trabalho da mulher e do papel, com o aumento progressivo do poder da Igreja, formadora de opiniões e conservadora quanto à ciência, e devido a Alexandria estar sob domínio romano, após o assassinato de Hipácia, em 415, essa biblioteca foi destruída. Milhares dos preciosos documentos dessa biblioteca foram em grande parte queimados e perdidos para sempre, e com ela todo o progresso científico e filosófico da época." (Carl Sagan) [3]

Além do invejável intelecto, Hipácia mantinha uma rotina de exercícios físicos que lhe garantia um corpo perfeito e sadio. Antecipando em dezenas de séculos o perfil da mulher moderna. Em sua época, as mulheres mal podiam sair de casa e deveriam apenas prover herdeiros para os homens, sem terem direito ou acesso ao conhecimento. O responsável  por ela ter sido essa extraordinária mulher foi seu pai, o filósofo Teon de Alexandria, diretor do museu de Alexandria, que a instruiu e afirmava que deseja que sua filha fosse um ser humano perfeito. Em favor de seu desenvolvimento intelectual, consta que Hipácia não aceitou diversas propostas de casamento.

Hypatia_(Charles_William_Mitchell)Hipácia por Charles William Mitchell (1885)

Em setembro de 2009 deverá estrear uma produção internacional dirigida pelo chileno Alejandro Amenábar (Mar adentro), estrelada por Rachel Weisz, ganhadora do Oscar, que interpretará Hipácia no filme Ágora. [1]

Leia a sinopse e assista o trailer do filme.

Um drama histórico fixado no Egito romano, sobre um escravo que viu na crescente onda do cristianismo a esperança de liberdade, e se apaixona por sua mestra, a famosa filosofa Hipácia de Alexandria.

Hoje se discute até que ponto ciência e religião estão unidas ou não. Eu, particularmente, acredito que uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa. Quando a religião se mete na ciência, o resultado não é dos melhores e vemos algumas barbaridades acontecerem ou serem ditas, como as mancadas do atual Papa, o Bento XVI.

Que a Igreja Católica nunca foi amiga da ciência todos nós sabemos e exemplos de perseguição a cientistas e pensadores, além da ocultação de fatos científicos que poderiam colocar seu poder em cheque, não é novidade. Interessante é também notar que as vertentes cristãs como os protestantes são tão ou mais reacionários em termos religiosos quanto os católicos e aparecem com uma balela de um tal de design inteligente querendo provar que houve alguma “mão” invisível que criou tudo que há no Universo ou Universos. Oh, Ser Humano, como crias mitos quando não conheces a ciência – Caramba, parece até frase do Shakespeare! –.

 

hipatya01Hipácia de Alexandria (370- 415)

Mas, voltando ao assunto religião X ciência, percebo que a coisa não é nova e por causa dela, Hipácia, a primeira mulher realmente cientista da história, foi assassinada durante uma revolta cristã em Alexandria, quando o Egito estava sob o domínio romano, no século IV d.C., e devemos lembrar que neste mesmo século ocorreu o primeiro Concílio de Nicéia (325), quando foram fundadas as bases do catolicismo. Hipácia viveu entre 370 e 415. Portanto, tudo em que ela acreditava, visto ser astrônoma, matemática e filósofa ia de encontro às idéias que o Império Romano começara a propagar como suas, desde que Constantino convertera-se ao Cristianismo. Sendo assim, ter sido considerada herética foi, infelizmente, o caminho natural para o seu assassinato, que, segundo fontes históricas, aconteceu de forma trágica. Foi torturada até a morte tendo seu corpo dilacerado por conchas afiadas – ou cacos de cerâmica, segundo outras fontes – e depois jogado em uma fogueira. Diria que foi uma preliminar das fogueiras da Inquisição que proliferariam séculos depois.

O fato é que, após seu fim trágico, o mundo ocidental mergulhou em um período de verdadeira obscuridade científica.

__

[1] praça pública; assembleia de povo na praça pública (entre os gregos). In: Aulete Dicionário Digital.
[2] O astrolábio permite a navegação por estrelas e o densímetro mede a massa específica de um líquido. 
[3] Wikipédia

Anúncios

12 comentários sobre “Hipácia de Alexandria, a primeira cientista

  1. Jorge Alberto:

    Mais uma vez, meus parabéns pelo seu blog. Há muito tempo ele está em Meus Favoritos. Você sempre nos brinda com ricos temas, como este de Hipácia de Alexandria. Nesse mundo da mídia, que prioriza a divulgação do lixo, é um grande prazer e alegria encontrar suas páginas. Continue!

    Cordialmente,
    Eduardo de Paula

    Curtir

  2. Jorge Alberto:

    Mais uma vez, meus parabéns pelo seu blog. Há muito tempo ele está em Meus Favoritos. Você sempre nos brinda com ricos temas, como este de Hipácia de Alexandria. Nesse mundo da mídia, que prioriza a divulgação do lixo, é um grande prazer e alegria encontrar suas páginas. Continue!

    Cordialmente,
    Eduardo de Paula

    Curtir

  3. Mas uma coisa que eu só aprendo aqui..rs

    To com saudade de vc no meu humilde blog!

    bjsss

    Curtir

  4. sempre visito seu blog, muito bem escrito….
    quanto as mulheres e a igreja, acho que a igreja só se mete quando ver que sera prejudicada, o cientista pode ser homem ou mulher que vai dar na mesma…

    Curtir

  5. Mais uma das grandes mulheres da humanidade que até então não conhecia. E só podia ser da Grécia pra estar tão a frente de seu tempo!

    De parabéns pelo post, me inspirou a pesquisar mais sobre ela!

    Curtir

  6. Salve Jorge,

    Tudo na paz?
    Passando pra matar saudades e dar uma olhada nas novidades.
    Grande abraço pra vc

    Neo

    Curtir

  7. Nasceu em 370 d.c , os historiadores são incertos em diferentes aspectos da vida de Hipácia e a data de seu nascimento é debatida atualmente. Foi filha de Theon, um renomado filósofo, astrônomo, matemático e autor de diversas obras, professor da Universidade de Alexandria.
    Vida de Hipácia (resumo)

    Durante toda a sua infância, Hipácia foi mantida por seu pai em um ambiente de idéias e filosofia. Alguns historiadores acreditam que Theon tentou educá-la para ser um ser humano perfeito. Hipácia e Theon tiveram uma ligação muito forte e este ensinou a ela seu próprio conhecimento e compartilhou de sua paixão na busca de respostas sobre o desconhecido.
    Hipácia estudou na Academia de Alexandria, onde estudava filosofia, matemática, astronomia, religião, poesia e artes.A oratória e a retórica, com grande importância na aceitação e integração das pessoas na sociedade da época, também não foram descuidadas. No campo religioso, ela recebeu informação sobre todos os sistemas de religião conhecidos
    Quando adolescente, viajou para Atenas, para completar sua educação na Academia Neo-platônica,com plutarco.A notícia se espalhou sobre essa jovem e brilhante professora, e quando regressou já havia um emprego esperando por ela, para dar aulas no museu de Alexandria.Seu talento para ensinar atraía estudantes admiradores de todo o império romano.

    Curtir

  8. Sou professor de filosofia, fiquei muito feliz em ler este artigo sobre esta filósofa da antiguidade e praticamente esquecida até memso pelos filósofos, poucos a conhecem. NAs minhas aulas faço questão de resrvar algumas allgumas aulas para essa filósofa de uma beleza sem igual e inteligência como poucos a desenvolvem.Uma abbraço e que todos estejamos caminhando em direção ao “Uno” (expressão de Hipácia).

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s