Amor de paixão intensa

Amor mesmo é com os povos latinos. Pelo menos é o que podemos inferir ao tomar conhecimento da pesquisa feita por um grupo de pesquisadores da Espanha que concluiu ser o amor intenso e apaixonado o preferido pelos povos latinos.

O Beijo, Auguste Rodin ₢ Bettmann/CORBIS Como se sabe, a América Latina foi colonizada por dois países de características latinas; logo, portanto, nós também temos uma queda para este tipo de amor arrebatador que é quase um sinônimo de latinidade. Assim, em oposição, nos países do norte da Europa a preferência é por um tipo de amor mais próximo do companheirismo, mais racional como observa o estudo El Concepto de Amor en España[1], ao comparar as atitudes de 1351 pessoas entrevistadas sobre qual tipo de amor é o mais interessante.

Este amor arrebatador e intenso é o amor classificado como Eros, composto por uma grande intimidade e forte atração física, em detrimento, digamos, daquela concepção de que é um compromisso racional baseado na amizade, companheirismo e afeto, que é mais comum no norte da Europa. Uma pergunta: será que é daí que decorre o mito do Latin lover? Para isso contribuíram a literatura romântica e o cinema. Os dois grandes amantes da história foram D. Juan e Casanova. Ambos latinos, um espanhol e o outro italiano. No cinema, um grande exemplo foi Rita Hayworth (Margarita Carmen Cansino), norte-americana filha de um espanhol e uma irlandesa, que incendiou corações nas décadas de 1940 e 1950 com seus cabelos ruivos e sensualidade à flor da pele. Se você gosta de cinema, certamente já ouviu falar no filme Gilda, em que ela, num simples descalçar luvas, teve esta atuação considerada como a maior cena de nudez de todos os tempos.

Couple Kissing© Hans Neleman/zefa/Corbis O que é criticado em relação ao cinema é que o filme termina quando a verdadeira história começa, isto é, o cotidiano após a conquista. Todos aqui sabem que o cotidiano de uma relação pode ser maçante depois de um tempo. Assim, Hollywood sempre mostrou que o interessante é o jogo da conquista, a paixão arrebatadora e suas preliminares. É uma questão comercial que não se pode relegar ao segundo plano. Ilusão vende mais do que a realidade.

Apesar de todo arrebatamento, um outro tipo de amor que é bem visto é aquele considerado como altruísta, isto é, o parceiro também está preocupado com o bem-estar dos outros e também é citado o tipo de amor pragma, que é a busca racional de uma alma gêmea. Lógico que, após a leitura do artigo, percebe-se que alguns conceitos foram estabelecidos tendo como base o livro “O Banquete”, de Platão, no qual um grupo de homens discutem o amor e as suas variações.

Dentre os vários tipos de amor apresentados pela pesquisa, também se faz presente um tipo de amor que é obsessivo e que pode levar a atitudes violentas. Neste tipo de amor falta a comunicação e há pouco contato físico. Entretanto, apenas 25% dos entrevistados disseram não gostarem deste tipo de relação.

Senior Man Holding Woman's Breasts© Darama/CORBIS A idade das pessoas não importa muito. Todos querem, de uma forma ou de outra, um amor arrebatador, tanto que é citada a seguinte frase: O amor como um jogo, com pouco envolvimento emocional, e sem expectativas para o futuro "não é a nossa praia".

Portanto, fatores culturais determinam o grau da intensidade ou como o amor é visto pelos vários povos.

 

 

* Este artigo foi escrito tendo por base a tradução feita por mim, do artigo Spaniards Prefer Love To Be Passionate, Study Shows. In: In: Science Dayli, de 14/02/2009.


[1] Victoria A. Ferrer Pérez, Esperanza Bosch Fiol, Capilla Navarro guzmán, M. Carmen Ramis Palmer y Esther García Baudes. El concepto de amor en España. Psycothema, (589-594) Vol.20 Number 4 2008.

Anúncios

5 comentários sobre “Amor de paixão intensa

  1. Oi, trabalho justamente recolhendo os caquinhos de quem vive essa paixão e sei que não é fácil amar nessa intensidade, a longo prazo ela não funciona.
    Agora, penso que todo mundo, um momento na vida, deveria ter a experiência de perder o juízo com alguém, eu recomendo.
    Para formar família melhor um amor misturado com razão e altruísmo, se soubermos misturar na proporção certa, o tédio não aparece e a relação pode ser renovada periodicamente. É um luxo!!!
    Abs. PS.: Gostei muito do texto vou usá-lo, como apoio teórico para meu trabalho, tá?

    Curtir

  2. Sim, gostei da idéia e do tema; me ajuda muito saber que outras pessoas vêem parecido comigo, me sinto apoiada. Abs.

    Curtir

  3. “A idade das pessoas não importa muito. Todos querem, de uma forma ou de outra, um amor arrebatador..”

    Gostei disso aqui

    bjs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s