Literatura infantil radical ou As crianças de esquerda

A atual crise econômica também está afetando as mentalidades e os alicerces ideológicos da única superpotência que restou, os EUA, local no qual a crise teve início e se alastrou pelo mundo. A paranóia que parece tomar alguns setores é tamanha que alguns críticos já começam a temer pelos ideais liberais, visto, justamente, ter sido lançado um livro Tales for Little Rebels: A Collection of Radical Children’s Literature (algo como Contos para pequenos rebeldes: Uma coletânea de literatura infantil radicalista), de Julia L. Mickenberg e Philip Nel, pela NYU Press,  que analisa as ideias esquerdistas contidas em cerca 100 ilustrações de 43 livros infantis, já esgotados, escritos durante o século XX.

Segundo um articulista do New York Times, a juventude norte-americana já está perdida, pois foram incutidas ideias radicalistas durante todo o século XX nas mentes das crianças em livros escritos por esquerdistas ou que trouxessem ideais esquerdistas em suas histórias. Os pavorosos ideais esquerdistas seriam a busca pela Paz (sim, eu escrevo em letra maiúscula), os direitos civis, a igualdade de direitos entre homem e mulher, a responsabilidade ambiental e a dignidade do trabalho.

littlerebelsClique sobre a capa e veja algumas ilustrações do livro

Além disso, a mais arrepiante das ideias seria: “os esquerdistas ensinaram as crianças a questionar a autoridade de quem estava no poder”. Tanto que logo no início do artigo, Caleb Crain, o articulista, descreve o seu receio desta forma, ao perguntar o que será das crianças dos EUA:

Empresas financeiras estão sendo nacionalizadas (estatizadas) aos borbotões. O governo promete socorrer empresas para combater a recessão. Existem, ainda, rumores de que a assistência (previdência) social será universalizada (o Estado arcando com os custos). O Socialismo se alastra como um mar! À medida que vamos nos esquecendo do Capitalismo, os tradicionalistas (conservadores de direita) se perguntam: o que restará para nossas crianças?”

Só faltou dar a receita de um ensopado de crianças, não? E ainda critica os pais que estimulam atitudes, digamos coletivas, que não observem o sentido de posse, individualismo e competitividade; o que bem caracteriza as sociedades competitivas e individualistas, com a seguinte passagem:

A maioria dos pais quer ver seus filhos tendo ideais de esquerda na mais tenra infância como partilhar os brinquedos, evitando, assim, as disputas entre os irmãos e, daí a começarem a perceber as empresas como sendo um mal, tendo por base uma visão cética que os pais lhes ensinaram, é um pulo”.

Isto me faz pensar em outro “ismo” ainda mais aterrorizante, o fascismo, que é o radicalismo de direita. Lembremos das tropas de crianças alemãs lutando contra os aliados já nos estertores da Segunda Grande Guerra. Uma coisa abominável. Tudo isso motivado por uma ideologia(?) nojenta e que, pasme, ainda está por aí grassando.  Isto para não falar em um outro “ismo” associado ao aspecto espiritual, que é tão maquiavelicamente manipulado, o fanatismo religioso.

As opiniões dos críticos literários e educadores são diametralmente opostas a do articulista. Vejamos, por exemplo, a opinião de Anita Silvey, autora de Os 100 Melhores Livros Para Crianças”:

Um aspecto raramente discutido em literatura infantil e infantojuvenil é a ideologia política por trás das histórias, ou parte da criação de determinado livro foi exaustivamente explorado neste inteligente, esclarecedor e fascinante estudo. Mesmo aqueles que passaram a vida toda estudando a literatura infantil encontrará incríveis surpresas (…) O livro não é apenas relação de histórias. É, na verdade, uma muito oportuna e adequada exploração da inclusão político-social que se encontra no conteúdo de livros infantis. (…) Professores e bibliotecas devem adquirir ao menos um exemplar. Cada professor de Literatura deve lê-lo e as crianças devem ser estimuladas a ler o livro e partilhar com seus colegas.

Um dos grandes dilemas das duas grandes superpotências que existiram durante boa parte do século XX, a União Soviética e os Estados Unidos, era saber como perpetuar os seus ideais políticos entre seus habitantes. A Guerra Fria foi o auge desse dilema, pois de lado a lado incutiam na população suas ideologias de forma que o outro lado parecesse o mais pavoroso dos monstros já criados. Ou eram burgueses decadentes ou eram comedores de criancinhas e foram levando essa “batalha” interna até a queda do muro de Berlim. Hoje, a preocupação é mais religiosa, envolvendo conflitos aos moldes das cruzadas.

* Este artigo foi escrito a partir da livre tradução feita por mim, da resenha Children of Left, Unite!, de Caleb Crain, para o New York Times Books Review, de 09/01/2009.

Fontes de pesquisa para elaboração do artigo:
New York Times Books Review
NYU Press
Crooked House

Anúncios

7 comentários sobre “Literatura infantil radical ou As crianças de esquerda

  1. Muito bom, é uma área que domino, mas existem muito mais fatos relacionados à leitura do que pensamos. Dê uma olhada num post meu sobre a importancia da leitura.

    Curtir

  2. meu primeiro livro foi de julio verne – virei sonhador – tem uma baita influencia mas eu quero que os americanos se ferrem com seu racismo embora sejam o povo mais cuiudo do mundo. esquerda e direita sao iguais com a diferença que na esquerda voce tem que ser um pelego ou falar bem e na direita se um poderoso for com a tua cara tua ganhou a vida.

    Curtir

  3. É muito difícil imaginar os EUA como socialistas, mas os tempos estão mudando e a crise está ai. A estatização dos bancos mostra como um governo capitalista pode utilizar táticas socialistas para não quebrar a cara.

    Curtir

  4. Penso que,a leitura influencia sim, mas depois de uma certa idade,quando começamos a questionar as coisas, as opiniões mudam.Nada é para sempre.

    Curtir

  5. Olá Jorge,

    Bem, eu não sou de esquerda mas “Paz, os direitos civis, a igualdade de direitos entre homem e mulher, a responsabilidade ambiental e a dignidade do trabalho” são conceitos pelos quais estou disposta a lutar para conseguir e manter. Só que talvez a maneira como eu vejo que tudo isto possa ser conquistado, seja diferente do modo como os esquerdistas o vejam (às vezes me parece que a visão deles seja mais ingénua, menos real, imberbe até).

    ““os esquerdistas ensinaram as crianças a questionar a autoridade de quem estava no poder”” – é verdade. E por consequência, os jovens de hoje não sabem quem devem respeitar. Não reconhecem a figura da autoridade, e quase que apelam à anarquia…isto deve ser combatido.

    LOL os meus pais incentivaram-me, e ao meu irmão, a partilhar os brinquedos mas também nos transmitiram valores de centro-direita…por isso, uma coisa não tem nada a ver com a outra. A partilha de brinquedos é para fomentar os valores familiares, a ligação de sangue e o que tudo isso comporta.

    O fascismo é uma praga. O comunismo outra praga é. O socialismo a pender para a esquerda é ambíguo, e o socialismo democrata a pender para a esquerda é uma anedota.
    Socialismo democrata tem de pender para a direita, mantendo sempre a componente social (a responsabilidade social jamais pode ser descurada); mas trabalhando para um mercado livre (ainda que regulamentado).

    Não sei se a preocupação de hoje é mais religiosa ou se é de mais poder monetário. Mas ainda tenho de pensar bem nisto.

    Excelente artigo, Jorge!

    Um abraço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s