Seja a outra e receba pensão da viúva

É isso mesmo. Uma corte espanhola decidiu que a outra receberá uma mesada da viúva que passou anos levando bolada nas costas. O marido morto teve um caso que durou até bater as botas e todo mês depositava uma quantia na conta da amante. Portanto, o juiz decidiu que ela deveria continuar a receber os caraminguás – muitos, por sinal –, mesmo após se tornar uma espécie de viúva postiça.

Man in Tuxedo Between Two Women © C. Lyttle/zefa/Corbis

Isso me fez lembrar o caso de alguns triângulos amorosos, nos quais os ângulos até conviviam, digamos, não às turras, mas toleravam-se; principalmente no caso de um dos vértices ser um homem. Talvez um dos mais famosos seja o caso de Martin Heidegger, Hannah Arendt e a esposa, Elfried, que também foi sua aluna. Heidegger, o filósofo, se encantou pela então bela morena, Hannah. Ele com 35 e ela com 18. Idas e vindas, vindas e idas marcaram suas vidas até a morte dele e, durante o velório, as duas “viúvas” prantearam aquele homem. O dado interessante é que ela era judia e cheia de ideais e ele, apoiava o nazismo. Portanto, o amor é capaz até mesmo de vencer barreiras ideológicas. Isso é que e ser e o tempo, não?

Ainda, em se tratando de triângulos amorosos, em geral, o segredo entre as partes é o habitual. Claro, pois assim não teria a menor graça, certo? Por esse motivo se faz necessário sempre lembrar de uma frase do Millôr, que propõe que o corno é sempre o amante, pois a mulher que ama dorme com outro quase todas as noites. Porém, como a alma humana é uma coisa ainda indecifrável, há triângulos em que os ângulos internos somam 180º numa boa, isto é, todos sabem.

A história registras alguns, mesmo que sejam personagens que não sabemos terem existido ou não, como o rei Artur, Guinevere e Lancelote. Também há um bom exemplo no mundo da música como o caso que envolveu George Harrison, sua mulher Patty e seu grande amigo, Eric Clapton que, apaixonado, compôs a belíssima canção Layla. No cinema, por exemplo, um grande filme de François Truffaut é Jules e Jim, que conta a história de dois grandes amigos, Jules e Jim, o primeiro alemão e o segundo francês, que se apaixonam pela mesma mulher e o triângulo amoroso permaneceu até mesmo após o casamento ente Jules e Catherine. Infelizmente, a Segunda Grande Guerra pôs fim a essa história de amor a três. Também há um famoso caso entre Simone de Beauvoir, que era casada com Jean-Paul Sartre e ambos, digamos, consentiam relacionamentos triangulares. Durante anos Simone teve como amante o escritor norte-americano Nelson Algren. Um deles, Art Say, tirou uma foto de Simone nua e de costas, que foi recentemente publicada nos jornais franceses.

E como cantava o saudoso Jamelão em Matriz ou Filial… Quem sou eu pra ter direito exclusivos sobre ela… 

Se você quiser se aprofundar no estudo psicológico desse tipo de relacionamento, leia o artigo: O eterno triângulo. Esse texto é bastante profundo.

 

Anúncios

4 comentários sobre “Seja a outra e receba pensão da viúva

  1. NESSE NEGÓCIO DE TRIÂNGULO, SÓ SE EU FOR O VÉRTICE!

    🙂

    BOA SEMANA LINDO!

    Curtir

  2. Humnmmm … isso é muito interessante!
    Acredito que o triangulo amoroso seja até saudável e apimenta a vida a dois.
    Grande abraço

    Camila

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s