Damas do Crime – Romance Policial

Figura1

Falemos das autoras de romance policial, que tem em Aghata Christie a mais conhecida de todas. Sim, a citamos porque ela é excelente; porém, não deixamos de colocar no mesmo patamar P.D. James, Patrícia Highmisth e Patrícia Cornwell. Lógico que cada uma com seu estilo e sua verve ímpar, o que só enriquece o gênero policial.

Acredito que muito pouca gente deixou passar em branco a oportunidade de ler os livros destas autoras após ter tomado conhecimento de seus talentos.Quem de nós aqui deixou de assistir aos filmes da série “Ripley”, o famoso personagem criado por Patrícia Highsmith? E já que falamos na autora, vejamos alguns fatos interessantes sobre sua vida e obra:

Figura2

“As aparências enganam aos que odeiam aos que amam”. Esta frase, que é parte de uma música, encaixa com perfeição para descrevermos Thomas Ripley, um sujeito com enorme talento para a dissimulação e que galgou degraus sociais à custa de assassinatos e mentiras. Porém, sem que suspeitassem de suas artimanhas e golpes. Quem leu algum livro de Patrícia Highsmith com as histórias de Ripley, logo identificará o personagem.

Como todo autor que se preza, ao criar um personagem, coloca muito de sua vida à mostra. Ripley guarda algumas das características da vida de Patricia Highsmith. Por exemplo, a sexualidade, que não era confusa, mas que lhe valeu momentos de sofrimento e angústia. Ripley seria bissexual e Highsmith, lésbica assumida que idolatrava homens. Um caráter um tanto dado ao trágico e a submissão com interesses futuros. Ela, a autora, chegou a viajar para Londres e viver como serva de uma inglesa. Ou como desejou atrizes norte-americanas e tornou isso uma obsessão, até que se apaixonou por uma atriz alemã de cinema experimental.

Ripley surgiu como personagem para a autora, segundo suas palavras, em um passeio noturno numa praia italiana ao observar um vagabundo errante. Os livros tendo Ripley como personagem deram origem a alguns filmes famosos como, por exemplo, O Sol Por Testemunha (René Clement – 1959), O Amigo Americano (Win Wenders – 1977), Pacto Sinistro (Alfred Hitchcock – 1951), Talentoso Ripley (Antohny Minghella – 1999) e o Retorno do Talentoso Ripley (Liliana Cavani)

Em resumo: Ripley é o homem do mal que se deu bem. Bandido e homicida que levou uma vida de prazeres e tornou-se um herói cult, invertendo as expectativas do romance de mistério e policial, onde o crime não compensa, mas no seu caso valeu muito a pena.

Figura3a

Foi somente em 1979, quando se aposentou, que P.D. James pode se tornar escritora em tempo integral. Até então dividia sua carreira de escritora com a de funcionária pública. Seu primeiro livro foi lançado em 1962. Antes disso, ainda em 1950, tendo que criar dois filhos e cuidar de seu marido que voltara atormentado da Segunda Grande Guerra ensaiou os primeiros passos na literatura.

É interessante como os detetives de romances policiais têm outras características marcantes que não apenas o desejo de investigar crimes. Nero Wolf, por exemplo, é orquidófilo. Pepe Carvalho é chef de cozinha nas horas vagas. Adam Dalgliesh, o detetive-poeta, personagem criado por P.D. James não fica atrás de seus “colegas” de profissão. Não busca apenas desvendar os crimes, mas também faz uso de suas habilidades artísticas para com isso facilitar seu trabalho. Como qualquer um de nós, também entra em crise existencial de vez em quando e até pensa em abandonar a carreira de policial.

Além do personagem criado pela Baronesa James of Holland Park (título outorgado pela própria Rainha Elisabeth) também há dois livros onde Cordelia Gray, uma jovem e sexy detetive particular, atua com desenvoltura. Segundo os críticos, P.D. James mantém a tradição inglesa no gênero policial, quando se dá mais ênfase ao modo como o crime será desvendado. Atualmente, seus livros mudaram um pouco o enfoque, preocupando-se mais com a análise social e caracterizações dos personagens.

Já foi dito que as descrições dos assassinatos em seus livros são barrrocas, como por exemplo, a enfermeira que morre se contorcendo durante uma aula sobre alimentação intravenosa quando, acaba aplicando em si própria uma dose de desinfetante de banheiro. Há também o assassino que assovia enquanto estrangula suas vítimas e depois deposita pêlos púbicos em suas bocas.

Uma das grandes habilidades da autora são os relatos que lembram romances do século 18 e a caracterização de seus personagens os faz parecer complexos e introspectivos. Tudo isto se mistura aos assassinos que atuam sem piedade em seus livros.

Figura3b

Entre 1984 e 1986 escreveu três romances baseados em suas experiências como legista do Virginia Medical Examiner’s Office. Todos foram rejeitados pelas várias editoras onde os apresentou. A visão do sucesso teve início quando Sara Ann Freed, uma editora de livros policiais, lhe disse para fazer algumas mudanças nos personagens de seus livros. Assim, passou a enfatizar Kay Scarpetta que, de um papel menor em seus primeiros livros, passou a ser a personagem principal. Seu primeiro sucesso foi Postmortem, onde Kay Scarpetta, a legista chefe tem como auxiliares o policial Pat Marino, o agente do FBI Benton Wesley e sua sobrinha Lucy, profunda conhecedora do mundo dos computadores.A maioria de seus livros se baseia em fatos acontecidos na região da Virgínia, como os casos acontecidos nas rodovias coloniais e o estrangulador da área sul.

Em 1992 foi acusada por um ex-agente do FBI de manter um romance lésbico com a sua então esposa.

__________

  • Leia também o artigo Romance Policial
  • Você também pode ver esse artigo em forma de Slide no Google Docs ou baixar o Slide e ver em seu computador, com direito a alguns efeitos.
Anúncios

Um comentário sobre “Damas do Crime – Romance Policial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s