Em busca de uma nova J.K. Rowling

Thomas Kelly, Publisher, 1883)

O jornal The Times estabeleceu um concurso para indicar os (as) autores (as) de livros infantis mais promissores do Reino Unido. Foram feitas cerca de duas mil inscrições para o prêmio Times/Chicken House Fiction Competition, fato que surpreendeu os organizadores. A vencedora foi Emily Diamand.

Este prêmio foi criado por Barry Cunningham, da editora Chicken House , que descobriu J.K. Rowling, autora da série Harry Potter. A princípio, o editor deu algumas dicas para os participantes se sairem bem neste concurso.

– Elabore um rascunho, mesmo que grosseiro, em especial faça isto também para o final da trama. Só assim você saberá aonde está indo.

– Pense no seu público alvo: onde eles estão? O que você gostou de ler quando tinha (tem) a idade deste público.

– Pense em como você se sentia quando tinha a idade dos seus personagens. Só assim poderá integrá-las a sua história.

– Descreva aquilo com que se parecem os personagens. As crianças gostam de “visualizar” os mesmos.

– Sua história deve começar com ação. Deixe para desenvolver a trama (fundo) depois.

– Lembre-se daquilo que o faz se sentir criança e sorrir – humor é fundamental.

Abaixo está a livre tradução do artigo de Malorie Blackman sobre este prêmio.

Duas mil inscrições! Confesso que isto me surpreendeu. Eu esperava algumas centenas de inscrições e vejo que o número chegou a dois milhares. Isto é mais do que um testemunho para a atual situação do mercado de livros que tem tantas pessoas interessadas em escrever para crianças. Eu acredito piamente que os livros infantis publicados no Reino Unido, de um modo geral, estão entre os melhores do mundo.

Participar deste processo de julgamento foi especialmente excitante pela simples razão de muitas, se não a maioria, das inscrições terem sido feitas por escritores ainda desconhecidos. Confesso que foi uma viagem ao desconhecido.

Foi gratificante conhecer e aprender como estes livros foram escritos com paixão e comprometimento por aqueles que estão realmente interessados em escrever para crianças. Muitos pensam que escrever para crianças é algo simples, bastando adaptar o vocabulário para que seja o mais simples possível, quando na verdade sabemos que não é apenas isto. Também se enganam aqueles que pensam que escrever para crianças é apenas um modismo.

Ao perguntar para um grupo de jovens que julgaram os livros declararam que a maioria das histórias que leram eram fantasias. Também julgaram a qualidade e a originalidade das histórias.

A lista dos finalistas contava cinco livros que tiveram por temática, por exemplo, uma atmosfera medieval fantasiosa (The Crowfield Feather, de Pat Walsh), um conto bem-humorado de ficção-científica (Aliens FC, de Sam Morrison e Danny Stack), um corajoso drama de uma garota em busca de seu pai (Knowing Leila, Frances Field), um conto comovente sobre um segredo de família (The Secret Life of Jemma Jones, de Ann Marie Conway) e uma instigante fantasia futurística (Reavers, de Emily Diamand).

Não percebi plágio ou clonagem em qualquer um dos livros inscritos, como já li inúmeras vezes antes. Cada um deles tem leveza e aquele sentido de frescor que as coisas novas têm. Constituíram-se em verdadeiros prazeres. Infelizmente, porém, era preciso escolher apenas cinco finalistas. Cada um dos autores deve se sentir justamente orgulhoso por suas realizações.

Nós, os jurados, olhamos para cada livro de maneira correta, mesmo assim algumas amigáveis discussões surgiram. A pergunta fundamental era que qualidade deveria possuir o livro vencedor. Este deveria ser divertido, o que é bastante excitante e ser também aquele livro que não queremos largar. Por isso discutimos os aspectos positivios e negativos de cada um dos livros. Quais elementos do enredo eram mais ou menos convincentes, a estrutura da história, ritmo, tom, configuração, personagens e caracterização, protagonistas, antagonistas, os diálogos e o tema. A discussão se seguiu até que dois livros fossem escolhidos e, após mais algumas deliberações, chegarmos ao vencedor.

O livro vencedor, Reavers , de Emily Diamand, possui todas as qualidades que me parecem essenciais em um romance. Outras qualidades também devem ser ressaltadas. Reavers é uma bem realizada. Sinto-me privilegiada por fazer parte do grupo que premiou estou livro e o fez ser conhecido por um público maior.

Livre tradução do artigo Reavers by Emily Diamand wins the inaugural Times/Chicken House Children’s Fiction Competition, escrito por Malorie Blackman para o The Times.

Visite o site Literatura Infantil na Unicamp.

Anúncios

4 comentários sobre “Em busca de uma nova J.K. Rowling

  1. Eu acho que essas fórmulas prontas nao dao certo; o sucesso de uma obra e um autor fogem às essa regras; provavelmente o livro ganhador nao vai ser nem sombra do Harry Potter.

    Curtir

  2. Fernanda,

    certamente que não há fórmulas, mas sempre haverá uma conjunção de fatores que levam um livro a se tornar um sucesso. Lembro que o Harry Potter demorou para pegar aqui no Brasil, justamente por algmas editoras não acharem que valeria a apena. Quem investiu se deu bem.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s