Editora acusada de plágio

O texto a seguir foi postado em um outro blog que eu mantinha. Ao final do texto há um comentário bastante interessante que foi feito quando da postagem original. A notícia foi veiculada em novembro de 2007. Mesmo assim não deixa de ser válida.

Deu na Folha de São Paulo de hoje, que a editora Martin Claret admite ter plagiado traduções dos livros que edita e esta mesma editora está para ser comprada por uma grande editora brasileira.

Editora Martin Claret publicou “Os Irmãos Karamazov” e “A República”, entre outros, com cópias de traduções alheias

Com cerca de 500 livros de bolso no catálogo, empresa fundada na década de 70 negocia venda de 75% de suas ações para a Objetiva.

Criada nos anos 70, em São Paulo, pelo gaúcho Martin Claret, a empresa tem em seu catálogo cerca de 500 títulos de domínio público (de escritores mortos há mais de 70 anos) publicados em formato de bolso (preços de R$ 10,50 a R$ 18,90). Quatro casos de plágio estão confirmados: edições de “Os Irmãos Karamazov”, “A República”, “As Flores do Mal” e de três novelas de Franz Kafka reunidas num único volume-”A Metamorfose”, “Um Artista da Fome” e “Carta a Meu Pai”.

Lançada em 2003, a edição de “Os Irmãos Karamazov”, de Fiodor Dostoievski (1821-1881), tem como tradutor um certo Alexandre Boris Popov, que não consta entre os poucos nomes que costumam passar obras do russo para o português. Na verdade, é cópia da tradução concluída em 1944 por Boris Schnaiderman para a extinta editora Vecchi.

As versões são praticamente idênticas. Apenas algumas expressões foram trocadas pela Martin Claret, como “muito encontradiço” por “bastante freqüente” na primeira página. Schnaiderman, um dos maiores especialistas em literatura russa do país, assinou o trabalho com o pseudônimo de Boris Solomonov e o renega.

“Eu era muito novo, precisava de dinheiro e cometi uma leviandade. Fiz o que podia na ocasião, mas minhas condições eram limitadas”, diz ele, que, aos 90 anos, não pensa em processar a Martin Claret. “Na minha idade, quanto menos complicação, melhor”, justifica.

Ele foi alertado do plágio pela editora 34, que pretendia lançar sua tradução, mas, diante da recusa, encomendou uma a Paulo Bezerra para 2008.

Fonte [Folha de São Paulo] Leia a matéria

Saulo Krieger said, on novembro 7th, 2007 at 4:48 pm (Editar)

Não posso dizer que o li com satisfação, pois se trata de um crime, que eu testemunhei e comuniquei, na época, a possíveis interessados, isto é, a partes lesadas, que não se prontificaram a tomar nenhuma providência. Agora, de algum modo me senti compensado ao deparar com a matéria de ontem, domingo, nesta Folha, apontando, denunciando, uma série de crimes contra direitos autorais de, como dizer, “pseudotraduções” lançadas às dezenas ou centenas pela Editora Martin Claret.

Nos idos de 2000 ou 2001, ao oferecer meus serviços como profissional da tradução na referida editora, fui tomado de uma desconfiança ante seus procedimentos — livros sem autores (os tais “livros-clipping”) traduções sem tradutores ou um mesmo nome para uma gama inabarcável de títulos e gêneros.Aos poucos, foi-me revelado como todo o processo de falsificações funcionava: para meu espanto, veio a se confirmar que quase nenhuma tradução da Martin Claret era efetivamente realizada, nem mesmo seus direitos autorais adquiridos. Eventualmente se aproveitava alguma tradução que já estava em domínio público, ou, ao que me parece, foram comprados os direitos autorais da tradução de Torrieri Guimarães de uma obra de Kafka. Mas isso era exceção. Outra exceção: a tradução da obra A ética protestante e o espírito do capitalismo, de Max Weber, foi feita pelo Sr. Pietro Nasseti, mas as inúmeras notas de rodapé nela constantes foram surrupiadas de outra edição havia muito existente no mercado — o nome da editora eu não me recordo —, tanto que até erros constantes na referida tradução, e reconhecidos por estudiosos da obra, foram reproduzidos na edição da Martin Claret.

O que se fazia, como próprio Sr. Claret paulatinamente veio a me pôr a par, era um “mix” ou “enjambramento”, ou seja lá o nome que tal ato de pirataria leve, de algumas edições já existentes, em geral duas ou três. Ou do que viesse na cabeça do profissional que faria o que ele chamava de “copidesque” — qualquer pessoa com trânsito na área editorial sabe que “copidesque” não era aquilo a que ele se referia, termo que servia, pois, como um eufemismo para um procedimento desonesto que teria o nobilíssimo intuito de divulgar a produção cultural, mais precisamente obras clássicas, a preços populares. Uma vez que o Sr. Claret achava ou acha que uma tradução é algo muito difícil e custoso de fazer — e efetivamente o é —, que só pode traduzir do idioma X um nativo do idioma X —, o que absolutamente não é verdade, até pelo contrário, em alguns casos —, e em nome do seu propósito de lançar o maior número de títulos no mercado em tempo recorde — os originais estavam em domínio público (70 anos a contar da data da morte do autor), mas as traduções quase sempre não — e fazer coleções com 100, 300 títulos ou mais, sem nenhum critério que eu reconheça como propriamente editorial, era o caso de o “revisor-copidesque” se munir de uma tradução lançada, por exemplo, por uma editora como a Martins Fontes — apenas um exemplo —, de outra tradução de uma editora que já fechara as portas — “já faliu há muito, muito tempo”, como o Sr. Claret, um verdadeiro “rato de sebos”, tinha especial prazer em dizer — ou de uma terceira tradução, de editora portuguesa, como as Edições Setenta — o Sr. Claret gostava muito das portuguesas, porque estavam do outro lado do oceano e porque em todo o caso se teria de adaptar o português de Portugal aqui e ali — para se ter o que seria a “tradução” da Martin Claret. Essas edições eram fornecidas pela própria Martin Claret, que tinha todo um acervo delas — uma extensa biblioteca, que só não contava com livros em seus idiomas de origem, se este não fosse o português. Traduções, as verdadeiras, de outros, eram escaneadas — havia um “departamento” que o fazia, como em linha de produção — para então receberem uma ligeira maquiagem.

Para mascarar o processo, a editora ou se mostrava muito reticente em dizer nomes de autores, optando por “equipe de tradutores da Martin Claret” — mas esta opção logo foi rejeitada pelos clientes-livreiros —, ou usava, com o consentimento deste, o nome do Sr. Pietro Nasseti, um senhor, dentista no exercício da profissão de dentista, muito amigo do Sr. Claret, ou ainda simplesmente eram inventados nomes “estrangeirados” que podiam dar a aparência de tradutores confiáveis e autorizados. Por exemplo: “Jean Melville”. “Jean” é o nome do filho do Sr. Claret; Melville, todos sabem, o sobrenome do autor de Moby Dick, esta uma obra editada pela editora, que portando estava na ordem do dia. “Popov” deve lhes ter ocorrido pelo seu desempenho nas piscinas, e daí transferi-lo para as letras foi um pequeno passo; “Alex Marins”? Outra invencionice do gênero. Certa vez o Sr. Claret chegou a me “pedir emprestado” o meu nome, “Saulo Krieger”, para usá-lo como cover de tradutor de uma obra de Nietzsche — a qual passara pelo mesmo processo — que eu não traduzira, pois, até por não me sentir capacitado a fazê-lo, mesmo sendo eu tradutor do alemão, e da qual eu não poderia nem ver o resultado — vergonhoso, diga-se — antes de ser lançada no mercado editorial.Constrangidamente eu recusei, e acho que nem é o caso de enumerar os meus tantos motivos. Mesmo assim, por desonestidade ou por desorganização da editora, acho que meu nome pode, eventualmente, constar em edições que jamais passaram pelo meu crivo, nem como revisor de textos, e muito menos como tradutor — o ofício de tradutor inexiste em se tratando de Martin Claret. O Sr. Claret não respeitava nem as traduções alheias nem o tempo de seus colaboradores-revisores, sempre solicitando, aqui e ali, um serviço gratuito, para que “se colaborasse com a editora”. Quanto aos tradutores-fantasmas, querem mais alguma prova? Quem é Jean Melville? Quem é Alex Marins? Quem é o tal “Popov”, não o narrador, mas pessoa que algum dia teve trânsito no mundo das letras? Ora, se puserem, por exemplo, o meu nome, “Saulo Krieger”, no Google, verão milhares de ocorrências, que remetem ou a meus trabalhos como tradutor, ou como escritor em certa medida difundido na net.

Saliento ainda, que, no serviço, tal como era solicitado — e chegou a ser chamado pelo Sr. Claret de “picaretagem ética” — a questão não era exatamente a de trocar termos “rebuscados” por “fáceis”, “antigos” por “atualizados” — embora isso fatalmente viesse a acontecer — mas sim por… “sinônimos” — na literatura, como na filosofia, sabemos, sinônimos não são exatamente “sinônimos”, e tudo depende do modo ou contexto como um termo ou expressão foi usada (nada disso importa para Martin Claret) — ou então, outro expediente de sua predileção, cortar parágrafos, e abri-los, sem qualquer critério não fosse o de “escamotear”, onde não existiam em outra tradução. Solicitava-se alterar sobretudo inícios e finais de parágrafos, para que “não desse na vista”. O miolo, bem, este poderia bem passar com muitas semelhanças, normalmente mais do que improváveis entre uma e outra tradução.

Em obras como as de Machado de Assis, Castro Alves, Eça de Queiroz, José de Alencar, por motivos óbvios, não se procedia a qualquer irregularidade ou desonestidade. As traduções da Divina Comédia e do Fausto de Goethe já estavam em domínio público quando publicadas pela Claret.

O Sr. Claret gostava de pontificar: “Neste momento há somente uma editora no Brasil que está dando lucro — e você está dentro dela”. E eu pergunto: é preciso piratear trabalho alheio para ter lucro?

Dali para diante, passei a comunicar a outras pessoas do meu círculo ou mesmo do meio editorial — como fiz, contando o ocorrido à Martins Fontes — sobre como as coisas aconteciam naquela casa editorial. Editores me agradeceram, dizendo, porém, que não havia nada que se pudesse fazer a respeito.

Tudo isso revelo agora porque, de lá para cá, minha indignação só fez crescer ante tais procedimentos — e à indiferença do mercado editorial à revelação dos “estratagemas” — e porque, afinal, lá estive oferecendo meu trabalho como tradutor — do inglês, do francês e do alemão — e não como profissional adepto de “picaretagem ética” em nome de uma democratização da produção cultural que se fazia e se faz por vias torpes e tortas.

Autorizo plenamente a publicação desta denúncia, que não é anônima, fico satisfeito em poder desvelar a farsa, revelar minha experiência e externar minha indignação.

Saulo Krieger.
http://www.vibeflog.com/saulokrieger

Anúncios

3 comentários sobre “Editora acusada de plágio

  1. É…tem muito plágio por aí.

    Obrigada por avisar sobre o link, o blog tirou o conteúdo do ar, mas no deixei lá o link que vai direto po curso,

    abraços

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s