Experiência Decisiva

PrismaExperimente, ao trocar uma tomada, tocar na parte do fio que está desencapada. Certamente não é uma das experiências mais agradáveis, mesmo que seja voluntária. Já se perguntou quantas vezes caiu da bicicleta quando se aventurou a pedalar sem o auxílio das rodinhas e de alguém segurando o selim até que você tivesse confiança suficiente para se sentir um ciclista da Tour de France? Pois é. Tudo isso aí, e muito mais, foram e são experiências. Nossos antepassados desceram das árvores porque o galho quebrou? Algumas vezes, sim. Outras foi por sentirem fome, o que gerou uma ou mais experiências. Os primeiros viraram comida de felinos esfomeados. Quando aprendemos a correr deles, aí sim a experiência se tornou válida e logo o jogo inverteu. Passamos a correr atrás deles! A estes métodos citados damos o nome de “tentativa e erro”. Ainda bem que a maioria de nossos antepassados começou a acertar o passo e hoje estamos aqui.

Quantas vezes nós já nos perguntamos sobre o porquê das coisas? Inúmeras, com certeza. Quantas vezes nós já tivemos a resposta sobre aquilo que nos intrigava? Pouquíssimas, é verdade. Como é que podemos descobrir este por quê? Estudando e tentando conhecer. Seria necessário fazer algumas experiências? Sim, seria necessário. Deve haver um método de pesquisa e experimentação. Agora, pergunte a si próprio como é que um filósofo, o Eratóstenes, há cerca de 2200 anos, conseguiu medir a circunferência da Terra usando apenas um bastão e a sombra deste objeto projetada no solo.

Pois bem, tudo que nos cerca foi objeto de experiências por parte da ciência, desde os tempos da Grécia Clássica até os laboratórios mais modernos nos países industrializados. O método de experimentação científica tem uma história, por vezes marcadas pelo acaso, mas em sua maioria, digamos assim, fruto da tenacidade e espírito investigativo daqueles que se propuseram a descobrir os porquês da Natureza.

Nós mesmos podemos fazer experiências simples, hoje, mas que tiveram importância capital para o desenvolvimento da humanidade. Apenas um exemplo: se em sua casa tiver uma banheira, que tal enchê-la até quase a borda e observar a água que sai assim que você entra na banheira. Pode parecer ridículo, mas foi justamente isto que fez Arquimedes sair gritando Eureka! Eureka! Ele acabara de descobrir a densidade da matéria. Outra experiência simples, mas que foi responsável pelo início das viagens à lua, é a do plano inclinado, para comprovar a queda dos corpos, ou “graves”, como se dizia. Ora, Galileu apenas fez com que uma esfera de metal rolasse por uma prancha de madeira até o solo. Simples, não? Galileu foi o primeiro a mensurar uma experiência científica e estava iniciando o processo metodológico da experimentação científica.

Dos tempos da simples suposição e métodos arcaicos até os aceleradores de partículas, a humanidade sempre quis saber mais e mais sobre o que a cerca.

Ah, sim. Qual é a cor da luz? Pegue o CD (LP também serve) do Pink Floyd, chamado “The Dark Side of The Moon”? Veja a capa. Tem um prisma, e a partir dele, o prisma, é claro, Newton conseguiu provar que a luz branca é composta por vários comprimentos de luz de outras cores. Foi uma revolução! Tanto que denominou esta experiência como sendo o experimentum crucis, ou a experiência decisiva.

Time, do Pink Floyd.

Anúncios

Um comentário sobre “Experiência Decisiva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s