Lapa, um pedaço especial do Rio de Janeiro

Lapa

Um dia desses, pela manhã, eu saí para tomar café no botequim da esquina da Travessa do Mosqueira com Joaquim Silva e comecei a prestar atenção aos sobrados desgastados pelo tempo e que guardavam um ar não misterioso, mas nostálgico de um tempo em que a iluminação era a gás e a argamassa das casas era elaborada com óleo de baleia. Enfim, um tempo que não volta, mas está gravado nas paredes. Lembrei de um antigo samba-enredo da Portela que dizia assim: Abre a janela formosa mulher/cantava o poeta trovador/Abre a janela formosa mulher/ Da velha Lapa que passou.

Não sei se vocês podem imaginar a sensação de estar pisando em um território, que para muitos nunca foi e não é sagrado. Nem poderia ser, mas pisava num território onde figuras da intelectualidade e também rufiões, prostitutas, policiais, malandros e toda ordem de pessoas que viviam à margem da legalidade um dia pisaram. Assim como Chico Buarque cantou “Eu fui à Lapa e perdi a viagem/Que aquela tal malandragem/Não existe mais”. Sim, a Lapa da malandragem está preservada no ar que se respira, nos sobrados, nas esquinas e ruas. O fascínio do moderno e do antigo atraíam pessoas de todas as partes do mundo. Ainda a pouco, um casal de gringos desceu de um táxi para se hospedar no hotel Marajó. Eu me perguntei: o que eles vieram fazer aqui? Talvez, ao caminharem menos de 100 metros podem se deparar com os Arcos da Lapa, o aqueduto construído em tempos coloniais. Se andarem na direção oposta chegarão até a Glória, aonde está uma das mais belas igrejas da cidade. Se quiserem, podem andar um pouquinho mais e tomar o bondinho para Santa Tereza.

Este pedaço do Rio de Janeiro foi responsável por momentos memoráveis da cultura brasileira e aqui, de forma impressionante, ainda se respira o ar dos primeiros anos do século XX. Falo isto de cadeira, pois da janela eu posso ver a rua aonde o Madame Satã brigou com Geraldo Pereira e este veio a falecer. Na esquina, está o prédio em que durante anos morou Portinari e um pouco mais além, a moradia de Manuel Bandeira. Daqui mesmo é possível ver o convento. Se descerem a rua Teotônio Regadas, chegarão à Rua da Lapa e estarão de frente para o Passeio Público. Novamente me pergunto: Será que os gringos vieram procurar os tais malandros que Chico Buarque disse não ter encontrado?

Para saber um pouco mais sobre a Lapa 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Lapa, um pedaço especial do Rio de Janeiro

  1. Vou ter que ler seu espaço com calma… Aqui há muita coisa interessante, mas de cara vim ler sobre a lapa. Aquilo lá é um gueto, encontra-se de tudo, um mundo dentro de outro – ou v[ários ao meso tempo.
    Também tenho artigos sobre o Rio antigo em espaço cultural.
    Sou apenas uma admiradora da arte alheia. Aqui tenho bastante material para isso. Parabéns pelo bom gosto

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s